3700 pessoas já passaram pelo CAF de Coimbra em 18 anos de existência

O Centro de Aconselhamento Familiar de Coimbra (CAF), afeto ao Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar, celebrou no passado dia 31 de janeiro, na sua sede, na Casa de Santa Zita, o 18.º aniversário de funcionamento. Como costume, houve uma reunião de avaliação com os colaboradores, que contou com a presença habitual do Bispo Virgílio Antunes.

No tempo de partilha, ouviu-se dizer que há muito sofrimento escondido nas pessoas e nas famílias, resultante de uma cultura hedonista instalada na sociedade. Surgem em primeiro lugar os conflitos conjugais, muitas vezes com violência doméstica. Os efeitos nos filhos são imediatos, causando problemas no desejável crescimento harmonioso e até levando à sua institucionalização ou adoção.

Também se ouviu dizer que, pela primeira vez na história da humanidade, “o virtual é maior do que o real”, provocando conflitos imprevisíveis, que assentam, forçosamente, na “relação”. Sim, o problema está na “relação” e não no casal! Falta paciência, perdão, capacidade para aceitar o outro, capacidade para renunciar e fazer sacrifício; e, quando também falta dinheiro, muitas vezes por uma inadequada gestão financeira, dá-se uma grave crise.

Perante tantos problemas, as respostas ficam aquém das necessidades. Mas o CAF foi, sem dúvida, um singelo oásis de esperança para a quase centena e meia de homens e mulheres que o procurou em 2016 (que correspondeu a cerca de 220 atendimentos) e para as 3700 pessoas que por lá passaram nestes 18 anos de existência.

Se perscrutarmos a razão da solidez e credibilidade do CAF, chegaremos facilmente à conclusão que reside no atendimento a qualquer hora do dia e da noite, pela respetiva coordenadora, Emília Cardoso, do Instituto Secular das Cooperadoras da Família, diplomada em família, e pelo profissionalismo do leque de colaboradores  – sacerdote, médico psiquiatra e médico de saúde pública, gestor financeiro, juristas, assistente social, psicóloga, enfermeira (especialista em violência doméstica) – que atendem as pessoas presencialmente, o tempo e as vezes que forem necessárias.

D. Virgílio Antunes ouviu com atenção todas as intervenções, confirmou que os problemas assentam na “relação” e apelou a que a Exortação Apostólica Amoris Laetitia fosse bem divulgada junto das famílias, pois, numa linguagem muito acessível e prática, contém orientações que podem contribuir para que os casais e os filhos experienciem relações mais sólidas e duradouras.

E porque se acredita que cada pessoa tem capacidade para, a qualquer momento, dar uma volta à sua vida, o CAF vai continuar a servir com abnegação a Igreja e a sociedade.

Quem necessitar de recorrer a este serviço poderá fazê-lo através dos seguintes contactos: 969 881 159; cafcoimbra@sapo.pt.

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

“Porque não eu?”

Sonhava casar com um bom homem e ter muitos filhos. Um dia descobre que Deus tinha outro projeto para ela. A história de uma vocação em discurso direto

Ler Mais >>