Amor fecundo, promessa de um futuro diferente

“O amor sempre dá vida. Por isso, o amor conjugal não se esgota no interior do próprio casal.” É com estas palavras que começa o quinto capítulo da Exortação Apostólica Pós-Sinodal Amoris laetitia, propondo-nos um itinerário que nos leva a refletir sobre algumas das experiências mais fundamentais e importantes da condição humana. Na leitura deste capítulo, juntamente com o quarto, estamos no coração da Exortação. Não nos podemos esquecer que o grande objetivo deste texto é ajudar-nos a refletir sobre o amor na família. É a experiência do amor que mais facilmente nos ajudará a encontrar-nos com o Mistério de Deus, pois Deus é amor, tal como é a partir desta realidade que se estabelecem as relações humanas, se edifica a sociedade e se constrói o futuro. Certamente que muitas outras coisas são necessárias, mas se faltar o amor, falta o único cimento capaz de unir e dar verdadeiro sentido a tudo o resto.

Estou, aliás, cada vez mais convencido de que a experiência do amor e da família têm um lugar privilegiado no pensamento e na ação do papa Francisco. Se lermos com atenção os principais textos por ele escritos até ao momento, julgo que é possível perceber um claro convite não só à renovação da Igreja, como à construção de uma casa comum que seja capaz de acolher todos e onde não haja espaço nem para ‘descartados’, nem para ‘sobrantes’. Nesta missão a que somos convidados, e que se concretiza nos dois polos anteriormente referidos, o amor destaca-se com evidência. E esse amor aprende-se essencialmente na família, razão pela qual ela é fundamental na nossa experiência humana e cristã. Neste sentido,  parece-me evidente poder sublinhar o lugar absolutamente nuclear que a família tem, também, neste pontificado, e que pode bem ser percebido na carta escrita por Francisco para o IX encontro Mundial das Famílias, a realizar em Dublin em agosto do próximo ano de 2018:

“Seria possível questionar-se: o Evangelho continua a ser alegria para o mundo? E mais ainda: a família continua a ser uma boa notícia para o mundo de hoje?

Estou convicto que sim! E este «sim» encontra-se firmemente fundado no desígnio de Deus. O amor de Deus é o seu «sim» à criação inteira e ao seu âmago, que é o homem. Trata-se do «sim» de Deus à união entre o homem e a mulher, em abertura e ao serviço da vida em todas as suas fases; é o «sim» e o compromisso de Deus a favor de uma humanidade muitas vezes ferida, maltratada e dominada pela falta de amor. Por conseguinte, a família é o «sim» do Deus Amor. Somente a partir do amor a família pode manifestar, propagar e regenerar o amor de Deus no mundo. Sem o amor não podemos viver como filhos de Deus, nem como cônjuges, pais e irmãos.”

 Esta experiência de se ser cônjuge, pai filho e irmão é precisamente destacada na Exortação, ao longo deste capítulo quinto, alargando-se a círculos cada vez maiores, capazes de provocar aquelas dinâmicas humanas e sociais que são indispensáveis para a construção do futuro.

“Com efeito, além do círculo pequeno formado pelos cônjuges e seus filhos, temos a família alargada, que não pode ser ignorada. Com efeito, «o amor entre o homem e a mulher no matrimónio e, de forma derivada e ampla, o amor entre os membros da mesma família – entre pais e filhos, entre irmãos e irmãs, entre parentes e familiares – é animado e impelido por um dinamismo interior e incessante, que leva a família a uma comunhão sempre mais profunda e intensa, fundamento e alma da comunidade conjugal e familiar». Aí se integram também os amigos e as famílias amigas, e mesmo as comunidades de famílias que se apoiam mutuamente nas suas dificuldades, no seu compromisso social e na fé.” (nº 196)

Das dinâmicas atrás referidas gostaria de destacar uma, por me parecer absolutamente essencial no momento histórico que estamos a viver. Refiro-me à experiência da fraternidade que vem descrita na Exortação com as seguintes palavras:

“Em família, entre irmãos, aprendemos a convivência humana (…). Talvez nem sempre estejamos conscientes disto, mas é precisamente a família que introduz a fraternidade no mundo. A partir desta primeira experiência de fraternidade, alimentada pelos afetos e pela educação familiar, o estilo da fraternidade irradia-se como uma promessa sobre a sociedade inteira.” (nº 194)

Não são, de facto, precisas muitas mais palavras para se perceber como na família reside a promessa de um futuro diferente.

Texto: Juan Ambrosio/ Jornal da Família – maio 2017

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>