Obra de Santa Zita da Guarda – Ao serviço da família

A casa data dos finais dos anos 50 mas a presença das Cooperadoras da Família na cidade da Guarda é muito mais antiga. Foi desta cidade que partiu, nos anos 30 do século XX, toda a Obra fundada por Monsenhor Alves Brás que começou por apoiar as empregadas domésticas que se deslocavam das zonas rurais para as zonas urbanas. Na altura, o padre Brás, diretor espiritual do Seminário da Guarda, foi-se apercebendo das jovens raparigas que deambulavam pela cidade. Algumas delas grávidas, outras doentes ou apenas sozinhas, expostas a inúmeros perigos. “O padre Brás sentiu necessidade de fundar uma Obra que fizesse algo por estas raparigas”, conta Conceição Vieira, vice-coordenadora do Instituto Secular das Cooperadoras da Família (ISCF).

Até aos anos 80 a Obra de Santa Zita da Guarda, à semelhança de outras que se espalharam pelo país, era sobretudo uma casa de formação e acolhimento. As problemáticas sociais alteraram-se e já na década de 70 começa “informalmente” a acolher crianças numa ajuda clara aos pais e mães que trabalhavam fora de casa. Nos anos 80 dá-se a reestruturação da Obra e há que dar vida ao vasto património que outrora apoiou as empregadas domésticas e suas famílias.  Foi neste contexto que a Obra de Santa Zita se transformou numa Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) de apoio à família. Hoje a Obra de Santa Zita da Guarda acolhe 140 crianças repartidas pelas valências de creche, pré – escolar e ATL . “A nossa razão de existir, a razão do nosso trabalho é a família”, conta Conceição Valente, diretora da Obra de Santa Zita e Cooperadora da Família.

Ao todo são três as Cooperadoras que aqui desenvolvem o seu trabalho, ajudadas por 18 colaboradoras que assumem “vestir” a camisola da casa. Lurdes Canhoto é Educadora de Infância e está nesta casa há 22 anos. “Já tive hipóteses de sair três vezes e não quis. A gente cria raízes”, conta.  Dulce Leal é outra Educadora que já conta com 23 anos de casa. Acredita que cada educadora “faz parte da família de cada criança” e que os pais depositam nelas muita confiança. “Nós acabamos por estar mais tempo com os filhos do que eles”. A mesma opinião tem Dalila Ribeiro que está nesta casa também há 23 anos. “Temos crianças que entram aqui às 7h30 da manhã e saem às 7h da tarde”.

Com um projeto pedagógico marcado pelos valores da família, aqui, o ano letivo é pautado pelas festas que marcam o calendário litúrgico: o Natal, a Páscoa, o São Martinho, etc., e, claro, o Dia do Pai e o Dia da Mãe. “Nós tentamos através destes dias difundir a mensagem cristã e envolver crianças e pais na vivência destes dias”, conta Conceição Valente. Este ano as atividades giraram à volta do tema “Família, berço de ternura”.

Num mundo em que a família sofre inúmeras transformações esta casa é também um espaço de acolhimento e partilha. As famílias já não são todas constituídas pelo pai, pela mãe e pelos filhos. Há os filhos do pai e da mãe mas há também a família da mãe que deixou o pai e a família do pai que deixou a mãe. “Estas situações exigem-nos acolhimento e respeito. Tentamos ajudar a resolver os conflitos e lutar pelo melhor para a criança. São também as famílias que temos e é com elas que estamos a trabalhar”, afirma Conceição Valente. É com esta atitude que a OSZ da Guarda está de portas abertas a todas famílias.

Texto: IM/Jornal da Família – Edição maio 2017

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>