O que os adolescentes dizem sobre a família

Rubrica: "Do ter filhos ao ser pais - Adolescência: por dentro e por fora!"

Ao longo dos tempos, com mitos e metáforas é definida, com tarefas e mudanças é descrita, com livros e publicações é estudada, com congressos e debates é comentada, mas… Coincidirá tudo o que se lê, estuda, fala e ouve, com aquilo que os adolescentes têm a dizer de si próprios? Que “voto na matéria” têm os adolescentes a dizer sobre si? Quem saberá melhor dizer o que é e descrever a adolescência do que aqueles que a vivem?  

Há cinco anos elaborei um estudo que nasceu no seio de tais curiosidades. Por isso, ouvi de “viva voz” 50 adolescentes. Apesar das limitações que qualquer estudo pode ter, partilho com os leitores algumas curiosidades acerca do que os adolescentes, à data, disseram acerca da família.

A respeito da família, maioritariamente, a casa é um contexto associada a sentimentos positivos. A título de exemplo: «Em casa sinto-me super bem.»; «Em casa sinto-me super feliz.»; «Em casa sinto-me alegre e cheia de ternura.». Todavia, ainda que com pouco expressão aparecem sentimentos negativos. Por exemplo: «Em casa sinto-me sozinha.»; «Em casa sinto-me sozinha e triste.».

Em relação à família, na sua globalidade, há, no seu essencial, sentimentos positivos. Como por exemplo: «Eu gosto de ver que a minha família está bem.»; «Aquilo de que mais gosto é ter a família toda junta.»; «O que me agrada mais é a união familiar.». Também há uma pluralidade de sentimentos no que se refere à família e pais: «Eu não queria nunca que os meus pais se separassem.»; «Eu gosto de ver que a minha família está bem de saúde.»; «O que mais me incomoda é os meus pais não poderem pagar as dívidas da casa para depois a vender e comprar uma com jardim.»

Por um lado, existem características dos seus pais que eles reclamam. Por exemplo: «Tenho vergonha que falem com a minha mãe.»; «O que mais me incomoda é a minha mãe.»; «Eu queria que a minha mãe não fosse tão chata, apesar de saber que isso é bom.». Por outro lado, há uma preocupação em não desiludir os pais. Específico: «O meu maior desejo é nunca magoar os meus pais.»; «Eu sinto que os meus pais estão desiludidos.»; «Eu gostava de sentir que a minha mãe estivesse orgulhosa com as minhas notas.»

E um desejo de “estar sempre por perto” dos pais. Assim como: «Estou muito bem quando estou com os meus pais.»; «Estou muito contente quando estou com os meus pais e com os meus irmãos, em Portugal e no estrangeiro.»

As afirmações dos adolescentes podem sugerir que a família é um dado importante na sua vida, a sua casa é um espaço, maioritariamente, associado a sentimentos positivos, gostam e preocupam-se com a família e não querem desiludir os pais. Mas, ao mesmo tempo, ainda que com pouca expressão existe uma reclamação nalgumas características dos seus pais.

Texto: Marina Amaro – Jornal da Família – Edição agosto/setembro 2017
           Psicóloga

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Cultura do descarte

“A cultura do descarte é uma das mais significativas sequelas do vírus do narcisismo”, escreve Furtado Fernandes num artigo que reflete sobre o provisório e o efémero que caracterizam a atualidade.

Ler Mais >>

Em Roma, uma Igreja que fala português

Uma eucaristia em Roma para fazer memória das virtudes heroicas do Pe. Alves Brás deu o mote à rubrica mensal de Cristiano Cirillo pela beleza da espiritualidade em viagem. Por entre a vida e Obra do Fundador da Família Blasiana, ficamos a conhecer a Igreja de Santo António dos Portugueses em Roma.

Ler Mais >>

Padre Joaquim Alves Brás celebrado em Roma

Com os olhos postos no centenário da sua ordenação sacerdotal, o Pe. Alves Brás foi celebrado em Roma por ocasião das datas do seu nascimento e morte. A Igreja de Santo António dos Portugueses acolheu a celebração eucarística e Murillo Missaci conta-nos os pormenores.

Ler Mais >>

Celebrar e fazer acontecer o novo e a novidade

Num tempo de interpelações e desafios constantes “não nos podemos esquecer deste recomeço, desta novidade e deste novo que cada Páscoa nos lembra e volta a fazer acontecer”, diz-nos Juan Ambrosio na sua crónica mensal para o Jornal da Família.

Ler Mais >>