Prevenção ou perversão?

A época de incêndios que se avizinha e a defesa da "casa comum". Temas do editorial do Jornal da Família deste mês de junho.

As mensagens que nos chegam de todo o lado, desde os governantes até aos mais diversificados meios de comunicação, de todo, não são de esperança, de confiança e de segurança. Todos anunciam a “inevitável fatalidade”: os incêndios vão voltar. Sim, o fogo pode acontecer, mas o absurdo está em dar isso como um facto consumado. Porque não colocar a hipótese contrária, que leva a envidar todos os esforços para que a situação não se repita, pelo menos com as mesmas dimensões, o que exige uma linguagem diferente.

O que aconteceu o ano passado foi crime. Não podia ter sido de outro modo, tratou-se de uma ação criminal concertada e de grande alcance. Para além de todo o apoio humano e material, que revelou grande espírito de solidariedade, o que se fez já para encontrar ‘essa mão’ criminosa e castigá-la severamente?  A discussão focou-se na ausência e no estado obsoleto dos meios à disposição, na culpabilização de muitos, mas os autores do crime, estiveram ausentes da discussão. É mesmo tudo muito estranho, no que aos incêndios diz respeito, na hora do apuramento, sobejam os diagnósticos dos distúrbios psíquicos. É significativo!…

Educar e defender a terra, porque casa comum, é uma tarefa de todos e de sempre, mas se não existe, na mesma proporção, a condenação e punição de crimes desta natureza e com esta amplitude, toda e qualquer ação, por si só cai no descrédito. Será que estamos irremediavelmente condenados a este inferno, todos os anos, sem nada se poder fazer? Quem ganha com tudo isto? Ainda que ganhem alguns, nada justifica esta destruição da natureza, da vida humana e dos haveres das pessoas. E se foi crime, como muitos viram e muitos outros afirmaram, porque tem que acontecer outra vez?

Vieira Maria

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Cultura do descarte

“A cultura do descarte é uma das mais significativas sequelas do vírus do narcisismo”, escreve Furtado Fernandes num artigo que reflete sobre o provisório e o efémero que caracterizam a atualidade.

Ler Mais >>

Em Roma, uma Igreja que fala português

Uma eucaristia em Roma para fazer memória das virtudes heroicas do Pe. Alves Brás deu o mote à rubrica mensal de Cristiano Cirillo pela beleza da espiritualidade em viagem. Por entre a vida e Obra do Fundador da Família Blasiana, ficamos a conhecer a Igreja de Santo António dos Portugueses em Roma.

Ler Mais >>

Padre Joaquim Alves Brás celebrado em Roma

Com os olhos postos no centenário da sua ordenação sacerdotal, o Pe. Alves Brás foi celebrado em Roma por ocasião das datas do seu nascimento e morte. A Igreja de Santo António dos Portugueses acolheu a celebração eucarística e Murillo Missaci conta-nos os pormenores.

Ler Mais >>

Celebrar e fazer acontecer o novo e a novidade

Num tempo de interpelações e desafios constantes “não nos podemos esquecer deste recomeço, desta novidade e deste novo que cada Páscoa nos lembra e volta a fazer acontecer”, diz-nos Juan Ambrosio na sua crónica mensal para o Jornal da Família.

Ler Mais >>