Prevenção ou perversão?

A época de incêndios que se avizinha e a defesa da "casa comum". Temas do editorial do Jornal da Família deste mês de junho.

As mensagens que nos chegam de todo o lado, desde os governantes até aos mais diversificados meios de comunicação, de todo, não são de esperança, de confiança e de segurança. Todos anunciam a “inevitável fatalidade”: os incêndios vão voltar. Sim, o fogo pode acontecer, mas o absurdo está em dar isso como um facto consumado. Porque não colocar a hipótese contrária, que leva a envidar todos os esforços para que a situação não se repita, pelo menos com as mesmas dimensões, o que exige uma linguagem diferente.

O que aconteceu o ano passado foi crime. Não podia ter sido de outro modo, tratou-se de uma ação criminal concertada e de grande alcance. Para além de todo o apoio humano e material, que revelou grande espírito de solidariedade, o que se fez já para encontrar ‘essa mão’ criminosa e castigá-la severamente?  A discussão focou-se na ausência e no estado obsoleto dos meios à disposição, na culpabilização de muitos, mas os autores do crime, estiveram ausentes da discussão. É mesmo tudo muito estranho, no que aos incêndios diz respeito, na hora do apuramento, sobejam os diagnósticos dos distúrbios psíquicos. É significativo!…

Educar e defender a terra, porque casa comum, é uma tarefa de todos e de sempre, mas se não existe, na mesma proporção, a condenação e punição de crimes desta natureza e com esta amplitude, toda e qualquer ação, por si só cai no descrédito. Será que estamos irremediavelmente condenados a este inferno, todos os anos, sem nada se poder fazer? Quem ganha com tudo isto? Ainda que ganhem alguns, nada justifica esta destruição da natureza, da vida humana e dos haveres das pessoas. E se foi crime, como muitos viram e muitos outros afirmaram, porque tem que acontecer outra vez?

Vieira Maria

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>