Convulsões…

Editorial do Jornal da Família da edição de janeiro de 2019.

O Novo Ano arranca envolvido num clima de manifestações, designadas de “coletes amarelos”, replicando no contexto português o que está a acontecer em outros países. Trata-se de um descontentamento generalizado, que desaprova as políticas que favorecem a alta corrupção e atentam contra a igualdade e a sustentabilidade de muitas pessoas, famílias e a segurança de todos os cidadãos.

As greves, são legítimas, mas muitas vezes, quem sai penalizado não é o governo, mas sim o cidadão comum com menores recursos que muitas vezes se vê obrigado a despesas extraordinárias, sem hipótese de recuperar o que já foi gasto.

Vive-se uma política de ‘jogo de empurra’. Diante das últimas catástrofes no nosso país, é lamentável o ‘jogo de empurra’, do estado para os privados e vice-versa, dando a sensação de um país desgovernado. Onde estão as verbas destinadas à manutenção e inovação ‘da coisa pública’? Que fins andarão a servir? A rapidez existe, isso sim, para nomear comissões que apurem os dados das tragédias. É logo a primeira medida adotada, que até indigna quem escuta. Infelizmente, este ‘jogo de empurra’ é transversal a muitos aspetos da vida política e social; observamo-lo também na morosidade dos processos judiciais, rodeados de comissões, com custos avultados, quando tantas vezes as causas são mais que evidentes.

O povo exige mudança de paradigma nas políticas adotadas e luta por isso, embora algumas vezes se exceda. E o novo paradigma para além de se encontrar nos pilares da verdadeira democracia, é providencialmente mencionado na Mensagem do Papa para o Dia Mundial da Paz, dirigida a todos os homens de boa vontade, nomeadamente aos políticos: “o desafio da boa política (n. 2)”. “A política é um meio fundamental para construir a cidadania e as obras do homem, mas, quando aqueles que a exercem não a vivem como serviço à coletividade humana, pode tornar-se instrumento de opressão, marginalização e até destruição”.

Vieira Maria

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Cultura do descarte

“A cultura do descarte é uma das mais significativas sequelas do vírus do narcisismo”, escreve Furtado Fernandes num artigo que reflete sobre o provisório e o efémero que caracterizam a atualidade.

Ler Mais >>

Em Roma, uma Igreja que fala português

Uma eucaristia em Roma para fazer memória das virtudes heroicas do Pe. Alves Brás deu o mote à rubrica mensal de Cristiano Cirillo pela beleza da espiritualidade em viagem. Por entre a vida e Obra do Fundador da Família Blasiana, ficamos a conhecer a Igreja de Santo António dos Portugueses em Roma.

Ler Mais >>

Padre Joaquim Alves Brás celebrado em Roma

Com os olhos postos no centenário da sua ordenação sacerdotal, o Pe. Alves Brás foi celebrado em Roma por ocasião das datas do seu nascimento e morte. A Igreja de Santo António dos Portugueses acolheu a celebração eucarística e Murillo Missaci conta-nos os pormenores.

Ler Mais >>

Celebrar e fazer acontecer o novo e a novidade

Num tempo de interpelações e desafios constantes “não nos podemos esquecer deste recomeço, desta novidade e deste novo que cada Páscoa nos lembra e volta a fazer acontecer”, diz-nos Juan Ambrosio na sua crónica mensal para o Jornal da Família.

Ler Mais >>