CAF Coimbra – 20 anos a apoiar a família

O Centro de Aconselhamento Familiar de Coimbra completou 20 anos e já atendeu cerca de 5000 situações familiares

Nasceu há 20 anos, às portas do novo milénio, pela mão do Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar (SDPF) de Coimbra. O CAF – Centro de Aconselhamento Familiar completou a 31 de janeiro duas décadas de existência. 

É um serviço totalmente gratuito, que funciona com uma equipa de voluntários a partir da Obra de Santa Zita em Coimbra, e está a cargo das Cooperadoras da Família. Está à disposição de qualquer pessoa, a qualquer hora do dia, e ao longo destes 20 anos o CAF procurou resolver cerca de 5000 situações familiares, a maioria das quais problemas conjugais graves, implicando para cima de 7000 atendimentos. 

A instabilidade conjugal e familiar continua a ser o traço comum a todos os casos que chegaram ao CAF ao longo destes 20 anos. O que muda são as circunstâncias de cada caso. 

“São casais em dificuldade, nomeadamente nas suas relações conjugais e no relacionamento com os filhos” conta Emília Cardoso, Cooperadora da Família e desde a primeira hora responsável por este serviço do SDPF. Dentro destas problemáticas no seio das famílias cabe um sem número de situações. “São situações que dizem respeito à desestruturação da família: conflitos conjugais, relações pais/filhos, atos de violência doméstica/verbal, maus tratos físicos/ psicológicos, problemas financeiros, depressões, pais à beira do desespero, solidão”. Mas são muitas outra as situações que precisam de ajuda e Emília não consegue deixar de as enumerar: “o luto, a vida, o amor, jovens problemáticos, homens e mulheres marcados pela dor, pelo sofrimento, pelo vazio, pelo desespero, pelo isolamento, pela doença, pelo marginalismo, pela prepotência, situações arrastadas no tempo”.

É um trabalho de ajuda à família que só é possível graças a um grupo de técnicos voluntários. O CAF funciona com uma coordenadora (Emília Cardoso) que faz a triagem de cada caso e o encaminha para o técnico respetivo. Há juristas, médicos, psicólogos, um gestor financeiro, e um assistente espiritual. “Todos deram o seu melhor ao longo destes anos à família, substituindo muitas vezes o seu bem-estar, para escutar e acender uma esperança no coração do outro”, conta Emília Cardoso.

Segundo esta Cooperadora da Família,  tem-se verificado, nos últimos anos,  uma ligeira descida na procura de ajuda, não porque as famílias tenham menos problemas mas porque o CAF “não está muito divulgado” e porque, felizmente, “começaram a aparecer outras ofertas de ajuda às famílias”.

Em jeito de balanço Emília acredita que, ao longo destes 20 anos, quem veio ao CAF “encontrou nesta equipa a vontade de abrir uma porta e é bom saber que ajudamos, ou pelo menos tentamos ajudar, aqueles que nos procuram. E, por vezes, é-nos pedido tão pouco: escutar, empaticamente, é quanto basta”.

Quanto à missão do CAF, no futuro, “é continuar a abrir o coração para acolher as diferentes histórias de vida, iguais ou diferentes das que já se cruzaram connosco ao longo destes 20 anos”, afirma Emília. “Histórias não muito lindas, mas com necessidade de continuarem a ser partilhadas”.

Para esta Cooperadora da Família, este serviço diocesano “só deverá deixar de existir quando as famílias deixarem de ter problemas”.

Contactos:
CAF – Centro de Aconselhamento Familiar
Rua Gil Vicente, 2
3000-202 Coimbra
Telem.: 969 881 159
Email: cafcoimbra@sapo.pt

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>