“O Padre Brás estará sempre no nosso coração”

A vida de Monsenhor Alves Brás subiu ao palco pela mão das crianças do Botãozinho

O dia foi de festa, ação de graças e homenagem. No dia 13 de março assinalou-se o 53º aniversário do falecimento do Venerável Monsenhor Joaquim Alves Brás – Fundador da Família Blasiana. Nas casas a cargo das Cooperadoras da Família houve diversas iniciativas que envolveram Cooperadoras, colaboradoras dos equipamentos sociais, utentes e familiares.

No Botãozinho, em Carcavelos, um dos equipamentos sociais, a cargo das Cooperadoras da Família, a vida de Monsenhor Alves Brás subiu ao palco pela mão das crianças da instituição numa festa que teve como lema: “O Padre Brás estará sempre no nosso coração”

Durante um mês, a sala dos Girassóis, do pré-escolar, e a sala das Papoilas, da creche, encenaram os principais momentos que marcaram a vida de Joaquim Alves Brás, desde o nascimento na pequena aldeia de Casegas, até à sua morte num acidente de automóvel, passando pela ordenação sacerdotal e pela fundação de diversas obras sociais de apoio à família.

Um trabalho coordenado pela educadora Eduarda Fernandes, do pré-escolar e Rafaela Moia, da creche, que juntaram material que já existia de outros anos e fizeram um teatro, pautado também por momentos musicais, com os meninos dos 2 aos 5 anos. Uma forma de contar a vida do fundador da instituição e transmitir valores. “Ao ensinarmos-lhe que o padre Brás ajudou pessoas desfavorecidas também lhe estamos a transmitir valores”, explica a educadora Eduarda que vê nestas atividades uma forma de eles aprenderem valores como a partilha ou a entreajuda.

A educadora Rafaela, que teve a difícil tarefa de encenar o teatro com os mais pequeninos, explica que “é através da brincadeira que eles assimilam que o padre Brás criou uma escola para eles e mais facilmente percebem o que é ser amigo, o que é ajudar ou partilhar.

Um trabalho que começa na escola e que continua em casa. São as crianças, que muitas vezes, dão a conhecer o carisma de Monsenhor Brás junto das família. “Eles começam muito tempo antes a contar o que estão a preparar, as cantigas, a explicar a história do Padre Brás e nós vamos conhecendo também este homem”, conta a mãe Susana Barros.

Um aspeto que dificulta o fator surpresa das festas do Botãozinho. “Tentámos fazer surpresa deste teatro mas é quase impossível. Eles contam tudo o que vão fazendo. Quando os pais vêm ver o teatro já não é surpresa”, conta a educadora Rafaela com ar satisfeito.

Perante uma plateia onde estavam todas as outras crianças da instituição, colaboradoras, Cooperadoras e familiares das crianças, desfilaram as várias cenas da vida do Padre Brás onde as crianças assumiram as diferentes personagens, com os respetivos adereços da época.

Ao longo das últimas semanas, a vida de Monsenhor Alves Brás foi também retratada através de inúmeros desenhos que agora decoram os corredores da instituição. Pequenos artistas que deram asas à criatividade.

Um trabalho que encheu de orgulho as Cooperadoras da Família que salientam o empenho das educadoras. Para a Cooperadora Maria de Fátima Castanheira “as educadoras são muito interessadas na festa do Fundador e envolvem os meninos, os familiares. Nós, as Cooperadoras, estamos na retaguarda desta festa digna do Padre Brás”.

A manhã de festa terminou com um almoço picnic nas áreas exteriores do Botãozinho.

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Sinais de esperança, sinais proféticos

Não basta apelar à esperança, há que ser testemunha e agente dessa esperança. “O texto da Bula de Proclamação do Jubileu 2025 identifica alguns sinais de esperança que, neste momento, é urgente protagonizar”, afirma Juan Ambrosio que nos guia pelo itinerário traçado pelo Papa Francisco.

Ler Mais >>

A caminho de El Rocío

Cristiano Cirillo passou por terras da Andaluzia e não podia deixar de peregrinar à Romaria da Virgem de El Rocío. Um olhar atento à história, à devoção mariana que ali se vive e a toda a festa que envolve a peregrinação.

Ler Mais >>

Dia dos Irmãos

“Se não formos fraternos, não somos humanos”, escreve a Comissão Episcopal do Laicado e Família na mensagem para o Dia dos Irmãos que se celebra a 31 de maio.

Ler Mais >>