90 mil pulseiras para ajudar crianças perdidas

Arrancou mais um programa “Estou Aqui” para ajudar pais e educadores a encontrar crianças que se perderam.

Desde o dia 1 de junho que estão disponíveis 90 mil pulseiras que ajudam pais e educadores a localizar crianças entre os dois e os 10 anos que estejam perdidas. 

Trata-se da nova edição do programa “Estou aqui”. Um programa que permite, através de uma pulseira, disponibilizada pela Polícia de Segurança Pública (PSP), monitorizar crianças que se perderam. 

Segundo a PSP, as pulseiras, que são pessoais, intransmissíveis e gratuitas, podem ser pedidas no site oficial e ficam disponíveis em poucos dias na esquadra da PSP selecionada.
 

Através deste programa, os pais podem solicitar uma pulseira com um código alfanumérico que permite, no caso da criança se perder, chegar ao contacto com os pais, educadores ou tutores de uma criança, refere a PSP, garantindo que os dados “são única exclusivamente geridos” pela polícia.

As pulseiras distribuídas nesta nova edição de o programa “Estou Aqui” vão ficar ativas até 31 de maio de 2020.

O programa “Estou Aqui” teve início em 2012 e desde então já foram distribuídas quase 300.000 pulseiras, 72.094 das quais na última edição que terminou a 30 de maio.
 

De acordo com a PSP, nos primeiros três anos do programa as pulseiras só estavam ativas durante os meses de verão, passando em 2017 a ter uma duração anual.
 

As pulseiras são válidas em Portugal e podem ser pedidas para crianças portuguesas e estrangeiras. Desde 2012 que a PSP registou três casos de crianças que se perderam e que as pulseiras foram ativadas.

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Um novo ano político muito importante

Em 2024, mais de 60 países vão a votos, entre os quais Portugal. Murillo Missaci reflete sobre a necessidade de envolvimento dos jovens na política “de uma forma ativa, informada, crítica e responsável, tendo como referência a sua fé, a sua identidade e sua missão como cristãos”.

Ler Mais >>

Silêncio, por favor!

Os “ruídos de um mundo anónimo” são o tema de reflexão de Ana Medina sobre a quantidade de informação que nos chega sem que a “tenhamos pedido”.

Ler Mais >>

Veneza, uma história entre ocidente e oriente

O pretexto para esta viagem foi o Carnaval, mas o encanto não se ficou pelas máscaras de Veneza. A icónica praça e Basílica de São Marcos captaram a atenção de Cristiano Cirillo que nos leva numa viagem pela história deste templo.

Ler Mais >>

Promover a leitura compete a todos nós

Saber ler não significa apenas juntar letras de forma a articular palavras. Ler implica, também, “interpretar” e “compreender”. O último relatório Pisa diz-nos que nestas questões Portugal baixou o seu nível. O mote para a reflexão da professora Goretti Valente.

Ler Mais >>