90 mil pulseiras para ajudar crianças perdidas

Arrancou mais um programa “Estou Aqui” para ajudar pais e educadores a encontrar crianças que se perderam.

Desde o dia 1 de junho que estão disponíveis 90 mil pulseiras que ajudam pais e educadores a localizar crianças entre os dois e os 10 anos que estejam perdidas. 

Trata-se da nova edição do programa “Estou aqui”. Um programa que permite, através de uma pulseira, disponibilizada pela Polícia de Segurança Pública (PSP), monitorizar crianças que se perderam. 

Segundo a PSP, as pulseiras, que são pessoais, intransmissíveis e gratuitas, podem ser pedidas no site oficial e ficam disponíveis em poucos dias na esquadra da PSP selecionada.
 

Através deste programa, os pais podem solicitar uma pulseira com um código alfanumérico que permite, no caso da criança se perder, chegar ao contacto com os pais, educadores ou tutores de uma criança, refere a PSP, garantindo que os dados “são única exclusivamente geridos” pela polícia.

As pulseiras distribuídas nesta nova edição de o programa “Estou Aqui” vão ficar ativas até 31 de maio de 2020.

O programa “Estou Aqui” teve início em 2012 e desde então já foram distribuídas quase 300.000 pulseiras, 72.094 das quais na última edição que terminou a 30 de maio.
 

De acordo com a PSP, nos primeiros três anos do programa as pulseiras só estavam ativas durante os meses de verão, passando em 2017 a ter uma duração anual.
 

As pulseiras são válidas em Portugal e podem ser pedidas para crianças portuguesas e estrangeiras. Desde 2012 que a PSP registou três casos de crianças que se perderam e que as pulseiras foram ativadas.

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

A sabedoria que parte do coração humano

“Neste tempo que corre o risco de ser rico em técnica e pobre em humanidade, a nossa reflexão só pode partir do coração humano”. É com este pressuposto que Francisco alerta para as potencialidades e perigos da comunicação num mundo cada vez mais complexo da inteligência artificial.

Ler Mais >>

Construímo-nos na relação

Contruímo-nos na relação e a construção da identidade tem uma dimensão relacional e uma dimensão singular. Como cristãos somos chamados a viver a dimensão de Igreja mas também de cidadania e a esperança cristã deve ser testemunhada na vida de cada um mas também na relação com os outros. Ideias saídas do II Fórum Família.

Ler Mais >>

Vinde Espírito Santo!

No contexto do Mistério Pascal, Furtado Fernandes evoca a vinda do Espírito Santo para renovar mentalidades e comportamentos, num mundo dilacerado pelos horrores da guerra.

Ler Mais >>