E você, quanto tempo dedica por dia aos seus filhos?

Pais dedicam 15 a 20 minutos de atenção exclusiva aos filhos.

Crianças a pedir atenção aos pais que preferem navegar nas redes sociais em vez de brincar com os filhos. A imagem é crua, mas, infelizmente, real. Convém refletir sobre o assunto a propósito do Dia da Criança.

Segundo vários estudos, os pais dedicam 15 a 20 minutos de atenção exclusiva aos filhos. E as crianças até aos 10 anos brincam menos tempo do que deviam.

Vivemos um tempo em que os filhos disputam a atenção dos pais com os smartphones e os tablets.

31. É o artigo da convenção dos direitos da criança que consagra o direito dos pequenos a brincar.

O problema é que o mundo dos crescidos tem outras prioridades. Os pais têm pouco tempo e as crianças passam cada vez menos tempo nas ruas, ao contrário do que acontecia há 20 anos.

Andava-se de bicicleta (sem capacete nem joelheiras), jogava-se à bola na rua até à hora de jantar e não havia telemóvel para avisar os pais que se ia chegar atrasado a casa. Havia outra liberdade que hoje os mais novos não têm.

Segundo um artigo no jornal “Público”, a Escola Superior de Educação de Coimbra realizou um estudo que demonstra que a maioria das crianças portuguesas até aos 10 anos brincam só duas a três horas por dia. Mas nem tudo é mau: os pais fazem o seu mea culpa e reconhecem que esse tempo é insuficiente.

Em quatro crianças que participaram nesta investigação, três têm uma maior quantidade de brinquedos não eletrónicos em comparação com os brinquedos eletrónicos. Podia ser um sinal de esperança, não fosse o facto de 65% já brincarem nos telemóveis e nos tablets dos pais.

Só que os petizes também gostam de brincar ao ar livre, também gostam de fazer jogos.

É mais saudável. Para eles e para os pais.

Fonte: Rádio Renascença

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>