Portugal entre os melhores países para as famílias, segundo estudo da UNICEF

O estudo analisou a duração da licença remunerada para mães e pais, e a taxa de frequência das crianças, até 6 anos, matriculadas em creches e jardins de infância.

Um estudo divulgado pela Unicef, o Fundo das Nações Unidas para a Infância, coloca Portugal em quinto lugar entre os países com as melhores políticas de apoio à família.

O estudo analisou a duração da licença remunerada para mães e pais, e a taxa de frequência das crianças,  até 6 anos,  matriculadas em creches e jardins de infância.

Os dados são de 2016 e referem-se a 41 países-membros da União Europeia  (UE) e da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE).

Dos países envolvidos no estudo, no topo do raking está a Suécia, seguida da Noruega, Islândia, Estónia e em quinto lugar Portugal com as políticas mais favoráveis às famílias. Já a Suíça, Grécia, Chipre, Reino Unido e Irlanda são os países com as políticas menos favoráveis.

Dos 41 países incluídos no estudo, Portugal é o terceiro com as licenças de paternidade mais longas, podendo os homens portugueses usufruir de 12,5 semanas remuneradas. Já as mães portuguesas podem usufruir de 20 semanas após o nascimento dos filhos, um valor abaixo da média europeia, que é de 22 semanas.

O mesmo relatório adiante que só  metade dos países oferece 6 meses ou mais de licença de maternidade, duração mínima defendida pela UNICEF.

“Não existe período mais importante para o desenvolvimento cerebral das crianças e para o seu futuro que os primeiros anos de vida” afirmou a diretora geral da Unicef, Henrietta Fore. “Precisamos que os governos ajudem a fornecer aos pais o apoio que precisam para criar um ambiente estimulante para as suas crianças. E precisamos do apoio e da influência do setor privado para fazer com que isso aconteça”.

O mesmo relatório revela que muitos dos pais não gozam da totalidade da licença, sendo que em Portugal este número ronda os 60%. Segundo o estudo, esse benefício ajuda a criar uma relação com os filhos, contribui para o desenvolvimento infantil, baixa os níveis de depressão pós-parto e aumenta a igualdade de género.

Dos países referidos no relatório, oito não têm licenças de paternidade pagas – Estados Unidos, Suíça, Eslováquia, Nova Zelândia, Israel, Irlanda, República Checa e Chipre.

Quando os pais estão prontos para voltar ao trabalho, o acesso a escolas e creches é a maior dificuldade apontada pelos pais.

O relatório oferece ainda orientações aos países sobre como melhorar as suas políticas nesta área. 

Os governos devem fornecer licença parental paga de pelo menos seis meses e permitir acesso a creches de alta qualidade e economicamente acessíveis . 

A agência também defende que as mães devem ter a possibilidade de amamentar antes e depois do regresso ao trabalho, com intervalos garantidos e locais seguros para o fazer.

Por fim, a agência das Nações Unidas  recomenda que sejam recolhidos mais e melhores dados sobre todos estes aspetos, para que os programas e políticas sejam acompanhados.

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>