Plantar em Família: 7 sugestões para ser, cuidar e rezar em quarentena

Iniciativa da Pastoral Familiar da Diocese de Setúbal acompanha a Oitava da Páscoa.

“Este é o tempo favorável”. Dizer isto, nas circunstâncias de pandemia que vivemos, parece uma contradição. Somos seres de relação, de proximidade, de ver, tocar, sentir os outros. E agora estamos confinados! Somos seres de dádiva, de projetos, de aventura. E agora estamos limitados!

Todos os tempos críticos da história fizeram emergir poetas, artistas, pensadores, santos e mártires. Este não será diferente. Há sempre tantas potencialidades dentro de cada filho de Deus! A novidade acontece quando há depuração de elementos, para que novas combinações essenciais sejam possíveis. E estamos nestas circunstâncias, favoráveis à novidade, favoráveis à santidade!

A Pastoral Familiar da Diocese de Setúbal sugere, para os próximos 7 dias, algumas orientações para o cuidado psicológico na vida das famílias, tendo em vista uma adaptação mais adequada face às novas exigências emocionais, sociais e de saúde. 

Esta orientação pretende ser um incentivo para cuidarmos uns dos outros de modo a que todos se sintam amados e seguros, sob o olhar de Deus. Desejamos que possam contribuir para uma vivência deste tempo de confinamento como um tempo favorável.

A proposta “Plantar em Família” foi elaborada pelas psicólogas Alexandra Chumbo, Janete Moreira e Maria João Alves.

Ao longo da semana, as orientações vão ser publicadas através das páginas de Facebook e Instagram da Diocese, bem como no presente artigo.

Planear: 

Estabeleçam um horário próximo do que tinham, mantendo as rotinas que são possíveis: higiene e cuidado pessoal, refeições, teletrabalho ou trabalhos domésticos, bricolage, exercício físico, oração, horas de sono, etc.

Introduzam novas rotinas e alguns rituais que as favoreçam, por exemplo: estar sozinho (é normal ter necessidade de um tempo de privacidade mas deve prevenir os seus para que fique claro que não está a fugir);

Praticar exercício físico e/ou de relaxamento (com roupa de desporto, num espaço organizado, eventualmente em família); receber luz natural, manter algum tipo de trabalho manual, podem ser atividades úteis para diminuir as consequências da quarentena. 

Tenham cuidado especialmente com a alimentação; não é por estar de quarentena que não se pode ser saudável! Além disso, não queremos que a ansiedade “vá direita” ao estômago. Pensar e preparar as refeições em conjunto, escolhendo ingredientes apetecíveis, mas saudáveis (sim, o consolo também passa pela comida!).

Quando há crianças, o seu despertar deve ser valorizado: o pequeno-almoço, o vestir-se e cuidar-se como se fosse para a escola. Com elas, o plano do dia, com um mapa visual por semanas, pode ser muito útil e estruturante: tempo de brincadeira, de estudo, de colaboração nas tarefas domésticas, de ginástica, de lazer, de oração e chamadas com os amigos e familiares.

É importante acompanhá-los nos trabalhos escolares, mas intervir na aprendizagem apenas quando eles pedem ajuda. É desejável que cada um se mantenha no seu papel, sem arriscar exasperar os filhos! 

Televisão, tablets, telemóveis e jogos eletrónicos devem estar acessíveis só em certos horários, evitando interrupções e dispersão. 

Para terminar…

Pouco, Pequeno, Possível

Que cada um perceba o que Deus lhe pede neste momento. O que está ao seu alcance para ser luz de Deus na sua casa. Como fazer para ter um lar luminoso e alegre em plena quarentena.

[Orientações preparadas pelas Psicólogas Dra. Alexandra Chumbo, Dra. Janete Moreira, e Dra. Maria João Alves]

Fonte: Diocese de Setúbal

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>