E quando “ficarmos todos bem”…

O desafio foi lançado pelas colaboradoras do Lar Betânia, em Fátima, aos seus utentes. O resultado é um arco-íris de desejos dos seniores desta instituição.

São desejos simples mas que bastam para voltar a sorrir, para voltar a experimentar a sensação de felicidade. 

A equipa do Lar Betânia, em Fátima, a cargo das Cooperadoras da Família, desafiou os utentes desta instituição a escrever em pequenos corações o que gostariam de fazer após a pandemia passar. 

O resultado é um arco-íris de desejos onde os utentes expressaram aquilo que mais gostariam de fazer após o levantamento do período de isolamento. Desde o visitar a família, ou ser visitado por ela, conhecer o neto que entretanto nasceu, ir à missa na capela do Lar ou ir junto da imagem de Nossa Senhora de Fátima são alguns dos desejos da grande maioria dos  utentes deste Lar. Mas há quem deseje apenas um passeio na rua ou no jardim, uma ida ao café ou “comer leitão e beber um tinto”. 

As fotos da iniciativa estão agora no facebook da instituição para que todos os familiares dos utentes as possam ver e possam ajudar a concretizar muitos dos desejos dos idosos.

Desde o início da pandemia que a equipa do Lar Betânia tem vindo a desenvolver um trabalho redobrado de acompanhamento aos utentes. “Respirámos fundo e enchemos o nosso coração de esperança. Tomámos como suplemento acreditarcoragementreajudapersistire muitas doses de ”, escreve a equipa na rede social facebook. 

“Sentimos que era necessário estar com os nossos, e que nesta caminhada não nos poderíamos isolar, afinal a vida faz-se uns com os outros. Na impossibilidade de um abraço apertado e de um beijo carinhoso trabalhamos para diminuir a distância sentida entre todos”, acrescenta.

Em dias difíceis “apaziguaram-se corações e fizeram-se sentir lágrimas, sorrisos, e uma enorme vontade de que tudo o que nos separa fisicamente, acabasse. Mas não desistimos, pois acreditamos na nossa fé, na nossa esperança, e em todos os que estão na frente nesta luta”. 

Movidos pelo amor que sentem pela Vida e pelos outros acreditam que  “nunca será um exagero dizer às nossas pessoas o quanto gostamos delas, o quanto agradecemos à vida por existirem e o quanto o nosso coração suspira com saudades de um abraço.”

A equipa do Lar Betânia deixa uma  mensagem de esperança a todos os utentes e familiares: “Sentimos que vamos vencer esta batalha, com a garra que nunca tivemos e com a alegria de o amor ser ainda maior”. 
 

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>