Pressões e depressões

O consumo de ansiolíticos e antidepressivos em Portugal coloca-nos em 5º lugar nos países da OCDE. As causas do problema e a forma de o ultrapassar. A reflexão de Jorge Cotovio na edição de julho do Jornal da Família.

Os tempos que correm, além de estranhos, atípicos e totalmente imprevisíveis há meia dúzia de meses, estão a causar muitas dificuldades e preocupações em milhares de famílias e milhões de pessoas no nosso país (e fora dele). Não fiquei, pois, admirado pelas notícias bombásticasrecentemente vindas a público sobre o aumento do consumo de ansiolíticos e de antidepressivos verificado nos primeiros três meses do ano – qualquer coisa como cinco milhões de ansiolíticos vendidos, projetando-nos para o 5.º país com maior consumo de entre os 29 que integram a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). Temo que no 2.º trimestre, contemplando plenamente o período de confinamento e as primeiras consequências diretas da crise económica, o panorama se agrave mais. 
 

A questão é cultural (e estrutural). Somos (ainda) um país “pobre” quando comparado com a maioria dos nossos parceiros europeus, mas queremos viver “à rica”; somos (ainda) pouco empreendedores e gostamos muito de viver à custa do Estado e de subsídios; superprotegemos os filhos, desde muito pequenos, porque eles são pouquíssimos (temos das taxas de natalidade mais baixas do mundo) e porque somos “medrosos”.
 

Este conjunto de fatores, quando tudo corre bem, pode não incomodar muito. Mas quando algo corre mal, só nos pode conduzir a situações penosas. E, infelizmente, a forma mais comum (e fácil) de conviver com estas situações é tomar uma droga para as atenuar pelo menos durante algum tempo. 
 

A maioria das pessoas que neste momento está no auge da vida ativa – entre os 35 e os 50 anos – cresceu e foi educada no período sequente à revolução de abril de 1974, onde muitíssimos pais, até com receio da reação dos filhos, lhes procuraram facilitar a vida, dando-lhes tudo e poupando-os a esforços e a sacrifícios. A este propósito, há cerca de um ano, o Pe. José Carlos Nunes, no editorial da revista Família Cristã, ao abordar o “mito da autorrealização”, escrevia o seguinte: «’Pensa em ti mesmo’, foi isto que o sistema social, educativo, cultural e psicológico ensinou à geração dos quarenta de hoje. (…) O mito da autorrealização leva-nos inevitavelmente à solidão porque se nos centrarmos só em nós mesmos barricamo-nos apenas no ‘eu’ e não deixamos que o outro seja um ‘tu’ e depois um ‘nós’ em plenitude» (FC, julho/ agosto 2019, p. 5). 
 

Esta “má” educação e estas atitudes egoístas, ao surgirem “pressões” e as consequentes “depressões”, só podem conduzir ao consumo desmesurado e descontrolado de “antidepressivos”.
 

Para travar este estado de coisas, não há outro remédio senão educar as novas gerações, desde bem cedo, para a responsabilidade, para o esforço, para a renúncia, para a adversidade, num ambiente que compagina o amor e o estímulo (que são fundamentais) com a disciplina e as regras. Só assim os nossos filhos e netos e bisnetos se tornarão “resilientes”, capazes de enfrentar com energia, entusiasmo e esperança as dificuldades, convertendo-as em excelentes oportunidades de crescimento pessoal a todos os níveis.
 

E se tudo isto for envolvido e perpassado pela atmosfera espiritual – que nos leva a ser humildes e a ajoelhar perante um Deus próximo, amigo e companheiro –, (quase que) garanto que não haverá necessidade de ansiolíticos e de antidepressivos, pois brota dentro de nós a certeza da ajuda divina e a consequente esperança em dias melhores. Ele não nos tirará o sofrimento, mas garante estarconnosco na dor, permanentemente (e carinhosamente) a segredar-nos: “Não temas, estou contigo!”. E isto bastará.

Jorge Cotovio

jfcotovio@gmail.com
Artigo da edição de julho do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

A sabedoria que parte do coração humano

“Neste tempo que corre o risco de ser rico em técnica e pobre em humanidade, a nossa reflexão só pode partir do coração humano”. É com este pressuposto que Francisco alerta para as potencialidades e perigos da comunicação num mundo cada vez mais complexo da inteligência artificial.

Ler Mais >>

Construímo-nos na relação

Contruímo-nos na relação e a construção da identidade tem uma dimensão relacional e uma dimensão singular. Como cristãos somos chamados a viver a dimensão de Igreja mas também de cidadania e a esperança cristã deve ser testemunhada na vida de cada um mas também na relação com os outros. Ideias saídas do II Fórum Família.

Ler Mais >>

Vinde Espírito Santo!

No contexto do Mistério Pascal, Furtado Fernandes evoca a vinda do Espírito Santo para renovar mentalidades e comportamentos, num mundo dilacerado pelos horrores da guerra.

Ler Mais >>