Pressões e depressões

O consumo de ansiolíticos e antidepressivos em Portugal coloca-nos em 5º lugar nos países da OCDE. As causas do problema e a forma de o ultrapassar. A reflexão de Jorge Cotovio na edição de julho do Jornal da Família.

Os tempos que correm, além de estranhos, atípicos e totalmente imprevisíveis há meia dúzia de meses, estão a causar muitas dificuldades e preocupações em milhares de famílias e milhões de pessoas no nosso país (e fora dele). Não fiquei, pois, admirado pelas notícias bombásticasrecentemente vindas a público sobre o aumento do consumo de ansiolíticos e de antidepressivos verificado nos primeiros três meses do ano – qualquer coisa como cinco milhões de ansiolíticos vendidos, projetando-nos para o 5.º país com maior consumo de entre os 29 que integram a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). Temo que no 2.º trimestre, contemplando plenamente o período de confinamento e as primeiras consequências diretas da crise económica, o panorama se agrave mais. 
 

A questão é cultural (e estrutural). Somos (ainda) um país “pobre” quando comparado com a maioria dos nossos parceiros europeus, mas queremos viver “à rica”; somos (ainda) pouco empreendedores e gostamos muito de viver à custa do Estado e de subsídios; superprotegemos os filhos, desde muito pequenos, porque eles são pouquíssimos (temos das taxas de natalidade mais baixas do mundo) e porque somos “medrosos”.
 

Este conjunto de fatores, quando tudo corre bem, pode não incomodar muito. Mas quando algo corre mal, só nos pode conduzir a situações penosas. E, infelizmente, a forma mais comum (e fácil) de conviver com estas situações é tomar uma droga para as atenuar pelo menos durante algum tempo. 
 

A maioria das pessoas que neste momento está no auge da vida ativa – entre os 35 e os 50 anos – cresceu e foi educada no período sequente à revolução de abril de 1974, onde muitíssimos pais, até com receio da reação dos filhos, lhes procuraram facilitar a vida, dando-lhes tudo e poupando-os a esforços e a sacrifícios. A este propósito, há cerca de um ano, o Pe. José Carlos Nunes, no editorial da revista Família Cristã, ao abordar o “mito da autorrealização”, escrevia o seguinte: «’Pensa em ti mesmo’, foi isto que o sistema social, educativo, cultural e psicológico ensinou à geração dos quarenta de hoje. (…) O mito da autorrealização leva-nos inevitavelmente à solidão porque se nos centrarmos só em nós mesmos barricamo-nos apenas no ‘eu’ e não deixamos que o outro seja um ‘tu’ e depois um ‘nós’ em plenitude» (FC, julho/ agosto 2019, p. 5). 
 

Esta “má” educação e estas atitudes egoístas, ao surgirem “pressões” e as consequentes “depressões”, só podem conduzir ao consumo desmesurado e descontrolado de “antidepressivos”.
 

Para travar este estado de coisas, não há outro remédio senão educar as novas gerações, desde bem cedo, para a responsabilidade, para o esforço, para a renúncia, para a adversidade, num ambiente que compagina o amor e o estímulo (que são fundamentais) com a disciplina e as regras. Só assim os nossos filhos e netos e bisnetos se tornarão “resilientes”, capazes de enfrentar com energia, entusiasmo e esperança as dificuldades, convertendo-as em excelentes oportunidades de crescimento pessoal a todos os níveis.
 

E se tudo isto for envolvido e perpassado pela atmosfera espiritual – que nos leva a ser humildes e a ajoelhar perante um Deus próximo, amigo e companheiro –, (quase que) garanto que não haverá necessidade de ansiolíticos e de antidepressivos, pois brota dentro de nós a certeza da ajuda divina e a consequente esperança em dias melhores. Ele não nos tirará o sofrimento, mas garante estarconnosco na dor, permanentemente (e carinhosamente) a segredar-nos: “Não temas, estou contigo!”. E isto bastará.

Jorge Cotovio

jfcotovio@gmail.com
Artigo da edição de julho do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Sempre o mesmo e sempre diferente Natal

“O Natal, cada Natal mostra-nos que cada homem tem a dignidade de ‘filho de Deus’ e como tal deve ser amado e respeitado. O Natal desafia-nos a tornar-nos semelhantes a Jesus na prática do amor e da justiça, fazendo o bem, construindo a paz”. O Natal nas palavras de Otávio Morgadinho.

Ler Mais >>

Os nossos ‘maiores’

A sociedade conseguiu aumentar a esperança média de vida, mas ainda não se organizou para dar resposta a essa realidade. “O que fazer com os nossos ‘maiores’?” é a pergunta deixada por Juan Ambrosio que convida à reflexão.

Ler Mais >>

Pedagogia Natalícia, simples, fácil e atual

A azáfama que antecede o Natal é também uma caminhada para a sua vivência em família, na escola e na sociedade em geral. Goretti Valente convida-nos a uma reflexão sobre os temas humanistas que brotam da História de Belém para que a Paz seja o “verdadeiro presente”.

Ler Mais >>

Bom dia, meu irmão!

Jorge Cotovio andou por terras de missão. Passou duas semanas na missão católica da cidade das Neves, distrito de Lembá, em S. Tomé e Príncipe, a cargo das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição – CONFHIC. Uma experiência que partilhou no Jornal da Família.

Ler Mais >>

Gestão do stress

“Comportamentos vitamina geram energia positiva, tão necessária para que as famílias enfrentem, com ânimo, as tribulações com que estamos confrontados”, afirma Frutado Fernandes num artigo que nos ajuda a compreender o stress.

Ler Mais >>