Deus e Pandemia

A fragilidade e a impotência da condição humana perante o sofrimento e a morte provocado por uma pandemia global a dar o mote à reflexão de Octávio Morgadinho.

 “- Pensa então, como Paneloux, que a peste tem o seu lado bom, que abre os olhos, que força a pensar?
 

[…] – Como todas as doenças do mundo. Mas o que é verdade em relação aos males do mundo é também verdade em relação a peste. […] quando se vê a miséria e a dor que ela traz, é preciso ser-se louco, cego ou covarde para se resignar à peste.”

                                                                                                                       (A peste ed. fr. p. 141-147; tr. port. 111.115)
 

A  presente pandemia SARS-CoV-2 (vírus) COVID-19 (doença)identificada na cidade chinesa de Wuhanem fins do ano passado, difundiu-se meteoricamente por todo o mundo e prossegue a sua expansão, espalhando o rasto de sofrimento, morte e miséria. É mais uma situação-limite que desperta o sentimento da radical fragilidade e impotência da condição humana perante a doença, o sofrimento e a morte que “força a pensar”. Por isso provocou na civilização do bem-estar reações primitivas de medo, terror e impotência semelhantes às múltiplas pestes da história com efeitos sociais, económicos e culturais que conhecemos. O choque atual é tanto maior quanto a cultura e modo de vida de hoje assentam na suposta segurança das instituições sociais, no funcionamento da economia, na regulação das relações de produção e trabalho e nos sistemas de assistência e previdência públicos criados para assegurar proteção em todas as situações. O sentimento de insegurança é hoje tanto maior quanto adormecido por garantias que as crises revelam contingentes. 

A epidemia é uma das situações-limite da radical condição existencial humana que apela à subida de nível na procura de explicação racional para as questões que vão além do factual e fenoménico: as questões de sentido: do que somos, do porquê e para quê do que nos afeta ou preocupa, da dignidade do ser humano, dos seus direitos e deveres, da liberdade, da responsabilidade, da justiça, do bem e do mal, dos valores morais e religiosos que suportam a tomada de decisões e o compromissos da ação.

Todas estas questões apontam para a transcendência, para uma justificação da experiência humana que vai além do factual e o condiciona. É este o campo dos valores e sua validação, o problema da existência Deus, da sua natureza e relação com a existência humana, da ética, da metafísica, da religião. Estas questões podem ser abordadas numa perspetiva exclusivamente racional na filosofia ou prosseguir para o campo da fé, na abertura ao sobrenatural, da crença baseada numa revelação concreta de Deus das apresentadas pela tradição e envolvidas nas culturas.

Deliberadamente situamos a abordagem desta temática no romance de Albert Camus A Peste que já nos motivou para anterior artigo. O texto que publicamos acima como introdução envolve três das suas personagens. Duas delas, Dr. Rieux e Tarrou, protagonizam o debate que tem como fundo a prédica proferida dias antes na catedral de Oran pelo Padre Paneloux, um Jesuíta prestigiado na cidade. É suposto que a sua exposição e argumentação representam a visão religiosa cristã sobre o deflagrar da peste.

 Os personagens, as suas ideias e o seu envolvimento na trama da ação são criação do autor. Encarnam os seus pontos de vista acerca do tema que aqui tratamos: O Dr. Rieux o cronista do romance representa o autor. Camus “recusa” assumir uma perspetivação religiosa. O Dr. Rieux é médico. Por imperativo da profissão está envolvido no combate à epidemia. Pretende criar um corpo de voluntários que com ele colaborem. Tarrou vem oferecer-se para se responsabilizar pela organização. O Dr. Rieux adverte-o dos riscos da proposta: “Esse trabalho pode ser mortal, bem sabe. Devo, portanto, preveni-lo. Refletiu bem?” (p.142)

A pergunta desencadeia o diálogo que se transforma em partilha de convicções, motivações e dúvidas pessoais perante os desafios e riscos envolvidos no combate à pandemia. Andam no ar os comentários à pregação do Padre Paneloux e ao teor da sua mensagem: “Meus irmãos, a desgraça caiu sobre vós; bem a merecestes, irmãos”. […] “Se hoje a peste vos atinge é porque chegou o momento de refletir. Os justos não podem receá-la, mas os maus têm razão para tremer” (p.110). 

A pregação fora ouvida pelos dois. Tarrou aproveita-a para confrontar as suas dúvidas acerca de Deus. O Dr. Rieux contesta o teor académico da pregação de P. Paneloux que não reflete a mínima experiência de lidar com a morte de alguém como “o mais humilde prior de aldeia que “cuidaria da miséria antes de demonstrar a sua excelência”. (p.143)

Rieux hesita quando Tarrou lhe faz a pergunta: “Acredita em Deus, Doutor”?

“Não” – responde. “Estou nas trevas e tento ver claro.” 

Tarrou insiste: ”Porque demonstra tanto empenho se não acredita em Deus?”. Justifica a pergunta com as sua insegurança: “A sua resposta pode ajudar-me a responder a mim próprio.” (Ib. 143)

Rieux explica que a experiência no confronto com a doença, com a miséria, com a injustiça o levava a acreditar que a ordem do mundo, a criação, está errada e não pode aceitar um Deus tal como Paneloux o descreve conivente com essa desordem e injustiça: “Visto que a ordem do mundo é regulada pela morte, talvez valha mais para Deus que não acreditemos n’Ele e que lutemos com todas as nossas forças contra a morte, sem erguer os olhos para o Céu, onde Ele se cala.” 

Rieux encontra na revolta contra o mal, contra a desordem da criação, contra a injustiça da desordem humana de que todos são coniventes – todos somos pestíferos, portadores da peste da desigualdade, da violência, da pobreza, de todas as formas de injustiça – a sua recusa de Deus. Não uma é revolta negativa, mas uma revolta prática compromisso de corrigir o que está errado, minorar as consequências do mal: “De momento se existem doentes é preciso curá-los. Em seguida eles refletirão e eu também. Mas o mais urgente é curá-los”. (p.144)

No fundo, é contra o Deus de Paneloux, autor do sofrimento e da morte, que Rieux se rebela. O Deus de Rieux é a mesmo de Paneloux. São projeção da conceção de Deus expressa no imaginário no romance. É interessante aprofundar o reparo de Rieux à pregação de Peneloux, contrapondo-a à experiência vivida dos cristãos: “Os cristãos falam por vezes assim, sem o pensar realmente. São melhores que parecem” (p.142). O sermão de Paneloux mais próximo das doutrinas da condenação, predestinação e impotência da razão e esforço humano do Jansenismo do que da espiritualidade e prática dos Jesuítas que se lhe opõem (Cf. Moya Longstaffe, The Fiction of Albert Camus: a complex simplicity).

Por nós limitamo-nos a contrapor à pregação de Paneloux, à sua visão de Deus e práticas que envolve a de um outro jesuíta, o Papa Francisco, também numa pregação, esta dirigida a toda a Igreja na Bêncão Urbi et Orbi da oração promovida por elena Basílica de S. Pedro, a 27 de março de 2020 [ Recomendamos a sua leitura integral]. Francisco aplica o texto evangélico de Marcos (4, 35-43),situando-se na tempestade da atual pandemia:

«Porque sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?» Senhor, lanças-nos um apelo, um apelo à fé. Esta não é tanto acreditar que Tu existes, como sobretudo vir a Ti e fiar-se em ti Ti. […] Chamas-nos a aproveitar este tempo de prova como um tempo de decisão. Não é o tempo do teu juízo, mas do nosso juízo: o tempo de decidir o que conta e o que passa, de separar o que é necessário daquilo que não o é. É o tempo de reajustar a rota da vida rumo a Ti, Senhor, e aos outros. E podemos ver tantos companheiros de viagem exemplares, que, no medo, reagiram oferecendo a própria vida. É a força operante do Espírito derramada e plasmada em entregas corajosas e generosas. É a vida do Espírito, capaz de resgatar, valorizar e mostrar como as nossas vidas são tecidas e sustentadas por pessoas comuns […] que estão a escrever os acontecimentos decisivos da nossa história: médicos, enfermeiros e enfermeiras, trabalhadores dos supermercados, pessoal da limpeza, curadores, transportadores, forças policiais, voluntários, sacerdotes, religiosas e muitos – mas muitos – outros que compreenderam que ninguém se salva sozinho. Perante o sofrimento, onde se mede o verdadeiro desenvolvimento dos nossos povos, descobrimos  exercitam a paciência e infundem esperança, tendo a peito não semear pânico, mas corresponsabilidade! 
 

[…] O Senhor interpela-nos e, no meio da nossa tempestade, convida-nos a despertar e ativar a solidariedade e a esperança, capazes de dar solidez, apoio e significado a estas horas em que tudo parece naufragar. O Senhor desperta, para acordar e reanimar a nossa fé pascal. Temos uma âncora: na sua cruz, fomos salvos. Temos um leme: na sua cruz, fomos resgatados. Temos uma esperança: na sua cruz, fomos curados e abraçados, para que nada e ninguém nos separe do seu amor redentor. No meio deste isolamento que nos faz padecer a limitação de afetos e encontros e experimentar a falta de tantas coisas, ouçamos mais uma vez o anúncio que nos salva: Ele ressuscitou e vive ao nosso lado. Da sua cruz, o Senhor desafia-nos a encontrar a vida que nos espera, a olhar para aqueles que nos reclamam, a reforçar, reconhecer e incentivar a graça que mora em nós. […] Abraçar a sua cruz significa encontrar a coragem de abraçar todas as contrariedades da hora atual, abandonando por um momento a nossa ânsia de omnipotência e possessão, para dar espaço à criatividade que só o Espírito é capaz de suscitar. Significa encontrar a coragem de abrir espaços onde todos possam sentir-se chamados e permitir novas formas de hospitalidade, de fraternidade e de solidariedade. Na sua cruz, fomos salvos para acolher a esperança e deixar que seja ela a fortalecer e sustentar todas as medidas e estradas que nos possam ajudar a salvaguardar-nos e a salvaguardar. Abraçar o Senhor, para abraçar a esperança. Aqui está a força da fé, que liberta do medo e dá esperança.”

Octávio Gil Morgadinho

Artigo da edição de julho do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>