A propósito de educação, um preito a Mendes Fernandes

Jorge Cotovio recorda na edição de dezembro do Jornal da Família o padre Mendes Fernandes, amigo íntimo de Mons. Alves Brás, colegas da mesma diocese, que partilhavam juntos o ideal da educação cristã.

Nas visitas guiadasque Juan Ambrosio tem feito aos primeiros números deste jornal, citou há tempos o Pe. António Mendes Fernandes, amigo íntimo de Mons. Alves Brás e colegas da mesma diocese. 

Os dois teriam comungado muitos ideais. Um deles foi, sem dúvida, a educação cristã.


Alves Brás escrevia isto há 60 anos:

«O problema da instrução religiosa e da educação cristã da juventude é, sem dúvida, o problema máximo que, em nossos dias, se põe à Família, à Igreja e ao Estado.

A juventude hoje, mais do que em tempos idos, encontra-se exposta a maiores perigos e seduções, já por causa dos livros ímpios e licenciosos, já por causa do cinema, rádio e televisão e até por causa das facilidades de deslocação.

Para prevenir ou remediar todos estes males provenientes destes perigos, é necessário dar à juventude uma esclarecida instrução e uma sólida educação cristã. Só elas poderão salvar a nossa juventude» (Mons Alves Brás, edição n.º 10 do Jornal da Família, outubro de 1960 – citação retirada da edição de outubro de 2020 doJornal da Família)


Por esta altura, Mendes Fernandes acabava de editar em livro a sua tese de doutoramento em Direito Canónico, intitulada “A educação em Portugal – Direitos da Família, da Igreja e do Estado”.
 

Esta obra ímpar fez-me aproximar deste Homem há cerca de um quarto de século. Desde então, cimentou-se uma amizade profunda que se estendeu até à sua morte, aos 99 anos, e se prolongou (prolonga), pois é um dos santos a quem todos os dias peço intercessão.
 

Se o seu primeiro livro foi o pretexto para esta forte ligação humana, académica e espiritual, o seu último livro – “Subsídios para um recto Sistema Educativo” –, escrito já com a provecta idade de 92 anos, é-me muito caro porque fala da educação cristã e da educação em liberdade, e porque fui um privilegiado: eu próprio colaborei na revisão dos textos e escrevi o prefácio. 
 

O diapasão, a caneta e a cruz foram os 3 símbolos da vida de Mendes Fernandes. 
 

Porque a música (sacra) – a “divina arte” – o embalou e envolveu desde pequeno. Já grande, foi professor de música no Seminário, regente e compositor.
 

Porque, desde cedo, tinha gosto em escrever, escreveu muito, tendo chegado a ser diretor do Notícias da Covilhãdurante quase três décadas e seu colaborador até pouco antes da sua morte.
 

Porque “a cruz é o sinal mais (+), o sinal maior do infinito amor de Cristo”. E o seu sentido apurado de humor fê-lo acrescentar: “Mas as cruzes da vida assumem muitas facetas e, por vezes, dolorosas. Por isso, advertem os poetas: ‘cautela, ri mais devagar / não vás a dor acordar’”. 
|

Mas terá sido o binómio Família-Educação Cristã que mais o encantou na sua vida. A maioria dos seus escritos sublinha a importância dos pais (e da família) na educação dos filhos, norteando-os por valores cristãos. E depois, suportando-se no princípio da subsidiariedade, enfatiza o papel insubstituível da Igreja neste processo educativo, não só através da catequese e das aulas de “Religião de Moral”, como também por via das suas escolas (católicas). E sem meias palavras, enquanto as forças o permitiram, foi escrevendo em variados areópagos, antes e depois do 25 de abril, que o Estado deve dar liberdade aos pais de escolher a escola para os filhos, sem encargos adicionais, pois “O Estado não é dono nem gerente da Educação, deve ser sempre e só garante”. Daí, a liberdade de a Igreja criar escolas e de as colocar ao serviço de todos, e não apenas dos que têm dinheiro para suportar propinas. 
 

Junto da sua casa, em Tortosendo, o Senhor Doutor Mendes Fernandes (como por ali também era conhecido) viu criar o Colégio de N. S. dos Remédios – um verdadeiro polo de desenvolvimento cultural da região. Incompreensivelmente, já depois da sua morte, o Colégio viu-se obrigado a encerrar devido à falta de financiamento público, fruto da onda estatista (e ideológica) que grassa na atual conjuntura governamental. Que tremenda injustiça! 
 

O gosto por viver intensamente mesmo quando as forças começaram a escassear e o ocaso da vida a sobrar manifesta-se, sobremaneira, nesta sua citação: “Como a vida é eterna, realmente não tenho pressa de partir, pois, enquanto peregrinamos cá em baixo, temos oportunidade de fazer mais algum bem aos outros e para nós granjear mais alguns méritos”.  
 

Colho deste homem testemunhos de vida extraordinários, o maior dos quais foi (é) a sua Fé. E o orgulho de ser padre. E creio que entre ele e Mons. Alves Brás deveria ter existido uma tal simbiose que eu, sem conhecer este, acredito que era em tudo – sobretudo na Fé, no orgulho de ser padre e na paixão pela família – muito semelhante àquele.
 

Volto ao ponto de partida: a educação cristã da juventude. Uma tarefa que incumbe, em primeiro lugar à família: “Os jovens precisam de ser respeitados na sua liberdade, mas necessitam também de ser acompanhados. A família deveria ser o primeiro espaço de acompanhamento” (Christus Vivit242). 

“Muitas vezes, os avós prestam uma contribuição decisiva no afeto e na educação religiosa: com a sua sabedoria, são um elo decisivo na relação entre gerações” (262). 
 

Mas uma tarefa que também responsabiliza a Igreja: 

“Sem dúvida, as instituições educacionais da Igreja são um ambiente comunitário de acompanhamento que permite orientar muitos jovens, sobretudo quando procuram acolher todos os jovens (…). Desta forma, a Igreja presta uma contribuição fundamental para a educação integral dos jovens nas mais diversas partes do mundo” (247).

Comunguemos, pois, deste desafio, tão bem concretizado pelos Padres Alves Brás e Mendes Fernandes, e tão acarinhado pelo nosso Papa Francisco, quando a Igreja portuguesa está especialmente empenhada na preparação próxima das Jornadas Mundiais da Juventude.

Jorge Cotovio

jfcotovio@gmail.com

Artigo da edição de dezembro do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>