A Cultura do Cuidado, caminho para 2021

2021 já está aí. “Agora compete-nos a nós assumirmos aquelas atitudes que sejam verdadeiramente capazes de provocar as mudanças necessárias!.” O artigo de Juan Ambrosio no Jornal da Família do mês de janeiro.

De um modo geral todos esperávamos pela chegada deste 2021. Muitos queríamos mesmo que 2020 passasse o mais depressa possível, para pôr para trás das costas este vírus que tanto alterou a nossa vida e tanto dano tem causado e vai, infelizmente, continuar a causar. O anúncio da existência de uma vacina associado à entrada do novo ano, veio ainda acelerar mais este desejo. 

O novo ano já está aí e com ele já se iniciou o processo de vacinação por todo o mundo, o que sem dúvida nos abre uma grande janela de esperança, pois certamente estamos mais perto de ultrapassar esta pandemia. Mas se isto é verdade, e ainda bem que o é, não podemos deixar de nos perguntar se a vacina é a única solução para todos os desafios que devemos enfrentar. A pergunta é retórica, pois todos conhecemos bem a resposta. A situação mundial que estamos a viver revelou-nos situações que, de um modo muito evidente, nos fizeram cair na conta da verdadeira necessidade que temos de mudar os nossos estilos de vida. Todos queremos, em certo sentido, regressar à normalidade que tínhamos antes desta situação, mas todos sabemos também que temos aqui uma oportunidade para começar as mudanças que já então intuíamos necessárias e que, agora, sabemos serem verdadeiramente indispensáveis. Se queremos um mundo diferente, temos mesmo de agir de um modo diferente.

A partir de um olhar atento sobre a realidade, e inspirado pelo projeto de Deus para a humanidade, o papa Francisco, na sua mensagem para o dia mundial da paz de 2021, propõe a cultura do cuidado como caminho para a construção deste mundo novo, convidando os responsáveisdas Organizações internacionais e dos Governos, dos mundos económico e científico, da comunicação social e das instituições educativas a percorrerem este caminho “para dar um rumo comum ao processo de globalização, «um rumo verdadeiramente humano»”

O convite, que é claro e veemente e dirigido a todos, destaca o especial compromisso que os cristãos são chamados a assumir neste contexto:

“Neste tempo, em que a barca da humanidade, sacudida pela tempestade da crise, avança com dificuldade à procura dum horizonte mais calmo e sereno, o leme da dignidade da pessoa humana e a «bússola» dos princípios sociais fundamentais podem consentir-nos de navegar com um rumo seguro e comum. Como cristãos, mantemos o olhar fixo na Virgem Maria, Estrela do Mar e Mãe da Esperança. Colaboremos, todos juntos, a fim de avançar para um novo horizonte de amor e paz, de fraternidade e solidariedade, de apoio mútuo e acolhimento recíproco. Não cedamos à tentação de nos desinteressarmos dos outros, especialmente dos mais frágeis, não nos habituemos a desviar o olhar,mas empenhemo-nos cada dia concretamente por «formar uma comunidade feita de irmãos que se acolhem mutuamente e cuidam uns dos outros».”

A cultura do cuidado, que aqui é proposta como caminho a realizar, é algo que o próprio Papa assume como sua missão desde o primeiro momento do seu pontificado. Isso fica muito claro quando voltamos a ler a homília que proferiu no dia 19 de março de 2013, na eucaristia em que recebeu o anel do pescador, um dos símbolos do seu Ministério Petrino:

“Cuidar Jesus com Maria, cuidar a criação inteira, cuidar toda a pessoa, especialmente a mais pobre, cuidar-nos a nós mesmos: eis um serviço que o Bispo de Roma está chamado a cumprir, mas para o qual todos nós estamos chamados, fazendo resplandecer a estrela da esperança: cuidemos com amor aquilo que Deus nos deu!”

A inspiração da figura de José neste exercício de cuidado, volta a ser retomada no momento atual em que o Papa convoca a Igreja `para celebração de um ano de São José (começado a 8 de dezembro de 2020), com o qual pretende apontar o exercício do cuidado como forma maior do agir das comunidades cristãs.

O ano de 2021, tão esperado, já está aí. O processo de vacinação já decorre. Agora compete-nos a nós assumirmos aquelas atitudes que sejam verdadeiramente capazes de provocar as mudanças necessárias.  Nesta linha, a promoção e o exercício da cultura do cuidado é o caminho a percorrer para que o ano de 2021, como nos diz a mensagem para o dia mundial da paz já referida, faça a humanidade progredir no caminho da fraternidade, da justiça e da paz entre as pessoas, as comunidades, os povos e os Estados.

A todos os leitores deste nosso Jornal desejo sinceramente um excelente 2021 na vivência deste cuidado. 

Juan Ambrosio
juanamb@ft.lisboa.ucp.pt
Artigo da edição de dezembro do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

“Porque não eu?”

Sonhava casar com um bom homem e ter muitos filhos. Um dia descobre que Deus tinha outro projeto para ela. A história de uma vocação em discurso direto

Ler Mais >>