Um Ano Especial para Crescer no Amor Familiar

O “Ano Família Amoris Laetitia” é o momento oportuno “para passarmos das afirmações bonitas e bem-intencionadas a um agir que possa ser verdadeiramente significativo e transformador", afirma Juan Ambrosio.

No dia 19 de março passado – dia em que se comemora são José e este dado não pode deixar de ser considerado relevante – o papa Francisco inaugurou o Ano «Família Amoris Laetitia», a decorrer de 19 de março de 2021 a 26 de junho de 2022, por ocasião do X Encontro Mundial das Famílias, a realizar em Roma.

No final da oração dominical do Angelus, o papa Francisco referiu-se a este ano como sendo um ano especial para crescer no amor familiar, convidando todos os cristãos e as suas comunidades a assumirem um impulso pastoral renovado e criativo, em ordem a colocar a família no centro das atenções da Igreja e da sociedade. 

Com a celebração deste ano não se pretende apenas comemorar o 5º aniversário do texto da Exortação Apostólica, se bem que a releitura do mesmo seja sempre uma necessidade que não deve ser ignorada, mas quer-se, acima de tudo, proporcionar uma oportunidade concreta para dar um novo impulso à sua aplicação pastoral. A reflexão que nele é partilhada e os caminhos que são apontados não podem ficar apenas ao nível das ideias inspiradoras, sendo necessário que se transformem, cada vez mais, em linhas de ação concretas.

Os objetivos deste ano foram assim definidos:

  • Difundir o conteúdo da exortação apostólica Amoris Laetitia, para fazer as pessoas experimentarem “que o Evangelho da família é alegria que enche o coração e a vida inteira (AL, 200).
  • Anunciar que o sacramento do matrimónio é uma dádiva e tem em si um poder transformador do amor humano.
  • Tornar as famílias protagonistas da pastoral familiar, para o que é necessário “um esforço evangelizador e catequético dirigido à família” (AL, 200)
  • Consciencializar os jovens sobre a importância da formação à verdade do amor e ao dom de si, com iniciativas a eles dedicadas.
  • Alargar o olhar e a ação da pastoral familiar, para que se torne transversal, de modo a incluir os cônjuges, os filhos, os jovens, os idosos e as situações de fragilidade familiar.

A situação pandémica em que toda a humanidade se encontra, veio revelar, de um modo mais do que evidente, o papel central da família como Igreja doméstica e como célula vital para as nossas sociedades. De um modo ou de outro, todos pudemos testemunhar e mesmo experienciar como a família é fundamental, e isso quer porque, em muitas situações, tivemos (e temos) de ficar afastados, sabendo o quanto isso nos custou (e custa), quer porque, em muitas outras, ela foi (é) o amparo que permitiu (permite) lidar melhor com esta situação. A rede vital que ela gera e na qual se fundamenta, sabemo-lo agora ainda melhor, é dimensão insubstituível e fundamental para a vida das pessoas, das sociedades e da Igreja.

O momento que estamos a viver parece-me muito importante e especial. As diversas iniciativas que estão a decorrer (Ano Laudato Si’, Economia de Francisco, Pacto Global da Educação, Ano de S. José, Ano da Família Amoris Laetitia) disso são um sinal mais do que evidente. As dinâmicas que delas resultarem, concorrendo todas para a renovação da Igreja e para o cuidado da casa comum (dois pilares fundamentais do Pontificado de Francisco), não podem deixar ficar as coisas como estão.

Este é o momento oportuno, diria eu, para passarmos das afirmações bonitas e bem-intencionadas a um agir que possa ser verdadeiramente significativo e transformador na maneira como a Igreja apresenta e vive a experiência familiar, de modo a que ela possa ser definitivamente compreendida como uma boa notícia (cf ALnº 1) que é decisiva para o futuro do mundo e da Igreja (cf. ALnº 31). 

Pela importância do que está em jogo, certamente que o Jornal da Família estará atento e acompanhará muito de perto este Ano Especial para Crescermos Juntos no Amor Familiar.

Juan Ambrosio
juanamb@ft.lisboa.ucp.pt
Artigo da edição de abril do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>