Outubro Missionário – Missão em tempo de pandemia

Filomena, Páscoa e Carla são as três Cooperadoras da Família que atualmente desenvolvem a sua missão em Cabinda (Angola).

Páscoa Fonseca partiu para a missão de Cabinda em janeiro de 2020.  Dois meses depois o mundo parou. As crianças deixaram a escola e pararam as atividades pastorais, mas a missão de Páscoa e de outras duas Cooperadoras da Família ganhou novos contornos.

A pandemia estava às portas do mundo mas longe de se imaginar que chegaria de forma tão intensa, capaz de o fazer parar. Nos finais de 2019 Páscoa fez as malas e no início de 2020 partiu, juntamente com a Cooperadora Carla Mão de Ferro, para a missão que o Instituto Secular das Cooperadoras da Família (ISCF) desenvolve em Cabinda, Angola. 

A Escola Brasita, com mais de 700 alunos, da 1ª à 9ª classe, esperava por elas para o arranque de mais um  ano letivo, bem como todas as atividades pastorais que as Cooperadoras aí desenvolvem a nível paroquial e diocesano.

Mas mal o ano letivo arrancou, em fevereiro de 2020, o Sars-Cov-2 espalhou-se pelo mundo e em março seguinte começou um longo confinamento para Páscoa e Carla, acabadas de chegar a Angola. 

Mas a missão destas Cooperadoras que se juntaram à Cooperadora Filomena Morais,  há vários anos na missão de Cabinda,  não esteve confinada. “Foi um momento para recolhermos, para aprofundarmos o conhecimento pessoal e com Deus,  para aprendermos a viver em comunidade”, conta Maria Páscoa Fonseca ao Jornal da Família. “As dificuldades só nos aproximam daqueles a quem consagramos a nossa vida”, acrescenta esta Cooperadora aquando da sua passagem por Portugal.

Foi tempo de dar mais atenção à quinta onde proliferam ananases, papaias, mangas, abacates  ou legumes e onde foi possível respirar melhor do que as pessoas que habitam em blocos de apartamentos nas grandes cidades.  

A missa chegava através da Rádio Ecclesia mas as falhas de eletricidade nem sempre o permitiam e havia que dar azo à imaginação . “Um domingo, lá nos lembramos de ligar o carro para ouvir a missa na rádio do carro”, conta Páscoa Fonseca.  

As crianças é que foram muito afetadas. Estiveram um ano sem aulas e por estas terras não se sabe o significado do ensino à distância. “Há professores que nem sabem mexer num computador”, afirma Páscoa Fonseca.  

Aspeto positivo, as crianças foram ganhando hábitos de higiene. Criou-se o hábito de lavar e desinfetar as mãos e as próprias Cooperadoras produziram algumas máscaras de pano. As aulas retomaram em fevereiro/março de 2021. Os alunos passaram de ano mas a falta de apoio não lhes permitiu adquirir conhecimentos. 

“A educação é um lugar privilegiado da evangelização”, afirma a Cooperadora Páscoa que gostaria que a missão tivesse uma escola profissional que abrangesse os mais velhos. “Gostaríamos que os alunos saíssem daqui preparados  de uma forma integral: espiritual e profissionalmente, com uma ferramenta nas mãos para ganhar o seu pão”. Mas para tal precisam de mais gente que possa “partilhar” as suas vidas e a sua missão.

Agora que se tenta retomar a normalidade, as Cooperadoras pretendem voltar à sua ação pastoral, quer na catequese, quer na formação de pais, quer no trabalho com as famílias. Muitas já têm a vida organizada com filhos mas querem ter a bênção da Igreja. 

A família continua a ser o foco da ação das Cooperadoras num território onde a poligamia é considerada normal e onde a mulher continua a ser um pilar fundamental e a ter um pesado peso no sustento da família. É também para a mulher que se dirige a missão do ISCF em Cabinda.


Artigo da edição de outubro de 2021 do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Papa denúncia solidão e abandono dos idosos

“Muitas vezes me sucedeu, como bispo de Buenos Aires, ir visitar lares de terceira idade, dando-me conta de como raramente recebiam visitas aquelas pessoas: algumas, há muitos meses, não viam os seus familiares”. Papa denúncia a solidão e o abandono dos mais velhos na mensagem para o IV Dia Mundial dos Avós e Idosos.

Ler Mais >>

Não te abandonarei!

No próximo dia 28 de julho assinala-se o IV Dia Mundial dos Avós e dos Idosos. Na mensagem para este dia, o Papa Francisco denuncia a solidão e o abandono dos mais velhos. Juan Ambrosio pega na mensagem do Papa para nos lembrar que avós e idosos “não são só o passado, são também o presente que nos pode dar a garantia de um futuro mais humano”.

Ler Mais >>

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>