“Sou Cooperadora da Família” com Lurdes Gonçalves

É um dos rostos da missão das Cooperadoras da Família. Lurdes Gonçalves conta-nos a história da sua vocação.

Sou Maria de Lurdes Gonçalves, tenho 52 anos e sou de Castro Daire, distrito de Viseu. Sou Cooperadora da Família desde 1993. Foi através da minha participação no grupo de jovens da paróquia que fui descobrindo a minha vocação, nas reuniões de formação. Tive a ajuda do meu pároco que me foi indicando vários caminhos a seguir. Ele teve um papel muito importante na minha caminhada vocacional, bem como noutra jovem que conhecia as Cooperadoras da Família. Fui fazendo uma descoberta ainda que a medo, pois era tudo novo. O que me ajudou a discernir melhor foram vários encontrosque fiz e em cada descoberta ofereci a minha vida a Cristo com total disponibilidade para segui-Lo, não obstante as minhas fragilidades e fraquezas, deixando-me guiarpela Sua voz, e assim cada vez tinha mais a certeza que segui-Lo era o caminho certo.

Depois de largos anos a trabalhar numa empresa, atualmente encontro-me a trabalhar no Jardim de Infância na Obra de Santa Zita em Viseu. Um trabalho muito aliciante onde o meu dia a dia é passado junto das crianças que são puras, verdadeiras, transparentes como a água. Gosto muito do que faço e fico de coração cheio ao ajudar estas crianças a crescer na Fé e no amor a Cristo, com a minha alegria, exemplo, dedicação e carinho. 

Partilho a minha vocação no ato de esperança e de missão ao serviço das Famílias.

Faço um apelo aos jovens. A vida é bela e vale a pena vivê-la ao serviço das famílias, dos pobres e abandonados pela sociedade. Aceitei com alegria e coragem o convite de Jesus Cristo que diz “Não tenham medo de arriscar por mim, porque eu sou a Verdade e a Vida”, aquela pela qual deveis “gastar” a vossa. Porque quanto mais se dá mais se recebe. Vós, jovens, não tenhais medo se Deus vos chamar a um projeto de vida em Cristo.

Lurdes Gonçalves – Cooperadora da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

O dom da paz

Para alcançar a paz, Furtado Fernandes defende “um empenhamento persistente que se projete” a nível pessoal, a nível familiar e a nível dos direitos dos povos.

Ler Mais >>