Ciclo da vida familiar

Furtado Fernandes traça as várias etapas de um trajeto cheio de desafios e oportunidades de desenvolvimento pessoal e familiar.

Embora proliferem muitas caricaturas do amor no “mercado”, importa afirmar-se que, nos relacionamentos sérios, os membros do casal desejam o amor para toda vida.

Quem tem a ousadia de percorrer este caminho sabe que a vinculação se torna, gradualmente, mais forte, o amor não se desvanece apesar das marcas do tempo.

Vejamos, então, as várias etapas do trajeto, cada uma delas com desafios próprios que são, simultaneamente, oportunidades de desenvolvimento pessoal e familiar:

  • Formação do casal
    • Aprofundar o conhecimento recíproco, resistir ao imediatismo tão danoso para a consolidação de um relacionamento;
    • Negociar a proximidade, a autonomia e o poder, o que implica, necessariamente, ajustar hábitos e costumes;
    • Não converter o outro num ídolo. A adoção desta postura irrealista tem como consequência que eu me sinta tentado a derrubá-lo, do pedestal em que o coloquei, ao primeiro fracasso.
  • Nascimento do primeiro filho
    • Acolher o filho reforçando o compromisso conjugal. Ele representa, no plano simbólico, uma marca indelével da fecundidade do amor;
    • Exercer novos papéis – ser pai e ser mãe – dividindo, equitativamente, as responsabilidades inerentes à parentalidade;
    • Assumir as novas relações de parentesco, valorizando, designadamente, o papel dos avós, determinante na consolidação da identidade familiar.
  • Filhos em idade escolar
    • Desenvolver projetos com a participação dos filhos;
    • Dialogar com os filhos sobre os seus anseios e as suas perplexidades, assumindo por inteiro as responsabilidades de educadores. Neste particular, estar muito atento à toxicidade das redes sociais, quando são usadas obsessivamente;
    • Respeitar a autonomia progressiva dos filhos, sem ceder ao laxismo.
  • Saída de casa dos filhos
    • Aprofundar a intimidade, aproveitando uma maior disponibilidade que, em geral, caracteriza esta etapa da vida;
    • Preparar ativamente a reforma, planeando com criatividade novas formas de gerir o tempo, que contribuam para o desenvolvimento pessoal e comunitário;
    • Apoiar os pais, desde logo afetivamente, e, também, se for caso disso, economicamente. Honrar pai e mãe é um mandamento do Senhor, mas, também, um privilégio.
  • Envelhecer juntos
    • Integração de experiências, definindo objetivos para uma maior realização na fidelidade à Missão que enforma cada vida;
    • Envolver-se em atividades de voluntariado;
    • Partilhar o sofrimento – suprema prova de amor.

Em quaisquer circunstâncias, a família continua a ser um lugar privilegiado para responder a necessidades de compreensão, afeto, autodesenvolvimento, intimidade, atenção, ternura – numa palavra amor.

Para que a família possa desempenhar estas funções de valor inestimável, é indispensável conferir centralidade à qualidade do relacionamento conjugal.

Caso contrário, “que ninguém se admire, portanto, de ver crescer gerações de «crianças – reizinhos» que procurem comandar toda a vida social à sua volta” (Anatrella).

Furtado Fernandes
j.furtado.fernandes@sapo.pt
Furtado Fernandes escreve mensalmente no Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Papa denúncia solidão e abandono dos idosos

“Muitas vezes me sucedeu, como bispo de Buenos Aires, ir visitar lares de terceira idade, dando-me conta de como raramente recebiam visitas aquelas pessoas: algumas, há muitos meses, não viam os seus familiares”. Papa denúncia a solidão e o abandono dos mais velhos na mensagem para o IV Dia Mundial dos Avós e Idosos.

Ler Mais >>

Não te abandonarei!

No próximo dia 28 de julho assinala-se o IV Dia Mundial dos Avós e dos Idosos. Na mensagem para este dia, o Papa Francisco denuncia a solidão e o abandono dos mais velhos. Juan Ambrosio pega na mensagem do Papa para nos lembrar que avós e idosos “não são só o passado, são também o presente que nos pode dar a garantia de um futuro mais humano”.

Ler Mais >>

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>