Pe. Brás: “Dom” e “responsabilidade” na missão do novo Postulador

Mons. Fernando Silva de Matos, Conselheiro Eclesiástico da Embaixada de Portugal junto da Santa Sé, é o novo Postulador da Causa de Canonização do Venerável Pe. Joaquim Alves Brás.

Mons. Fernando Silva de Matos, é o novo Postular da Causa de Canonização de Mons. Alves Brás. O também Conselheiro Eclesiástico da Embaixada de Portugal junto da Santa Sé afirma aceitar esta nomeação “como quem assume uma missão de serviço” mas também como uma “herança” com duas dimensões: “o dom e a responsabilidade”.  

Num artigo publicado no Boletim “Flores sobre a Terra”, Mons. Fernando Matos explica que,  em relação ao “dom”, vê esta nomeação “como fator de enriquecimento pessoal” a nível sacerdotal devido ao contacto com a vida e obra do Pe.  Joaquim Alves Brás. Em relação à “responsabilidade”, afirma que “quem recebe o dom diz ‘sim’ a um compromisso”.  Um “gigantesco compromisso, face à folha em branco da minha experiência neste campo”, adianta o Pe. Fernando Matos que se mostra tranquilo por contar com o apoio técnico do pessoal especializado do Dicastério para as Causas dos Santos e de dois membros do Conselho Geral do ISCF: as Cooperadoras Olívia Aires e Elisabete Puga indigitadas para esta missão,  bem como com o apoio geral da Família Blasiana.

O novo Postulador não deixou de se referir à missão do seu antecessor, Mons. Arnaldo Pinto Cardoso, que declinou funções há cerca de meio ano. Para o Pe. Fernando Matos, Mons. Cardoso “contribuiu para a difusão da figura do venerável Mons. Joaquim Alves Brás” e “defendeu e demonstrou que há percursos de vida dignos de serem contados e preservados na memória”. 

Mons. Fernando Matos recordou o “menino doente, de corpo frágil e de espírito robusto, que queria ser padre”, recordou os “valores” que o Pe. Brás propõe à sociedade de hoje “contra a globalização da indiferença e contra a cultura do descarte” e estabeleceu um paralelismo entre os projetos e obras do Pe. Brás em linha com o pensamento do Papa Francisco na sua preocupação “com todos os que sofrem”  e no “dar atenção às periferias existenciais e geográficas da humanidade”.

Mons. Arnaldo Cardoso “não permitiu que a causa esmorecesse ou caísse na banalidade e na insignificância. Procurou sempre novas formas para a manter ativa, atrativa e atualizada, fomentando o incremento do número dos que se deixam interpelar pela força poderosa do testemunho admirável do venerável Padre Brás”, escreveu o Pe. Fernando Matos. 

Ficou ainda um obrigado à Vice-postulação anterior na pessoa da Cooperadora Maria de Fátima Castanheira.

Quanto ao andamento do processo da Causa de Canonização de Mons. Joaquim Alves Brás, o novo postulador afirma que “na raiz da palavra processo está patente a ideia de caminho a percorrer, de ação em movimento, de desenvolvimento evolutivo, de dinamismo transformador”. Durante largos anos Mons. Cardoso “foi o timoneiro paciente e experiente, nesta longa travessia até à beatificação e canonização, ainda sem fim à vista”, e para Mons. Matos “só Deus conhece verdadeiramente os tempos e os modos do desfecho desta viagem”.

Declarado “Venerável” em 2008 pelo Papa Bento XVI, o processo de Canonização aguarda agora um milagre. Um apoio que chegará do “Alto” diz o Pe. Fernando Matos. “A causa de beatificação é essencialmente propriedade de Deus”, afirma o novo Postulador que defende que a todos “compete trabalhar pela vitalidade do processo, garantir a sua continuidade, manter viva a memória, pacientemente, sem obsessão por resultados imediatos nem pressa de chegar ao fim. O resultado final é obra de Deus. Se Deus quiser. Quando Deus quiser. Como Deus quiser”.

Uma nova missão para Mos. Fernando Matos que começa num tempo particular para a Família Blasiana. Daqui a três anos, em 19 de julho de 2025, completam-se 100 anos sobre a ordenação sacerdotal de Mons. Alves Brás. Uma caminhada trienal que começa agora e que promete trazer muitas surpresas na dinamização da figura do Pe. Alves Brás. O pontapé de saída será dado no próximo dia 23 de outubro com a XI Peregrinação da Família Blasiana a Fátima.

IM
Artigo da edição de julho do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

O dom da paz

Para alcançar a paz, Furtado Fernandes defende “um empenhamento persistente que se projete” a nível pessoal, a nível familiar e a nível dos direitos dos povos.

Ler Mais >>