“Sou Cooperadora da Família” com Maria do Rosário Jordão

A vocação surgiu da observação e da interrogação. Ao Pe. Brás vai buscar o lema: “Mãos no Trabalho, Coração em Deus”. Damos a palavra à Cooperadora Maria do Rosário Jordão.

Sou Maria do Rosário Lopes Jordão, com 53 anos, natural da Batalha – Diocese de Leiria-Fátima e sou Cooperadora de Família há 31 anos. Nasci e cresci numa família cristã onde os valores cristãos e humanos me foram incutidos. Tinha 14 anos quando conheci as Cooperadoras da Família em Fátima. Eu e a minha irmã, mais nova dois anos, em 1983,  fomos para Fátima com o objetivo de aprendermos os serviços domésticos para que no futuro pudéssemos ser boas “donas de casa”, sendo esse o desejo dos meus pais. Durante cinco anos que permaneci em Fátima fui-me interrogando o porquê de tantas jovens felizes optarem por estar a viver daquela forma.  A casa de Fátima era a casa de formação em que estas jovens estavam em discernimento vocacional para se consagrarem no Instituto como Cooperadoras da Família.

Eu também me fui interrogando sobre o que Deus queria de mim, queria ser como elas, pois a forma de ser, a alegria das Cooperadoras e Aspirantes (assim se designavam na altura as candidatas ao Instituto) iam-me cativando e ia percebendo que Deus tinha para mim um projeto de me consagrar ao Senhor. Por outro lado, havia um obstáculo para a minha consagração, pois sentia a responsabilidade de ajudar os meus dois irmãos deficientes, sobretudo quando os meus pais já não o conseguissem fazer. Vivia este dilema. Resolvi então voltar para a minha terra, para ver se “apagava” a ideia de me consagrar. Mas não! Mesmo a trabalhar com crianças não me sentia realizada.

Fiz uma caminhada de discernimento vocacional com o acompanhamento da Cooperadora da Família  Manuela Caldeira e fui descobrindo que Deus tinha um projeto mais comprometedor para mim – ser Cooperadora da Família para a Família. Dei o meu “Sim” a Deus como consagrada secular no Instituto Secular das Cooperadoras da Família (ISCF) há 31 anos. Sempre senti o apoio da minha família. Recordo o dia da minha entrada no Instituto (0/09/1990) e uma frase que me marcou dita pelo meu pai (era um homem simples, mas com uma sabedoria centrada em Deus): “hoje dei uma filha ao Senhor”.

Realizo atualmente a Missão e Carisma do ISCF na Obra de Santa Zita, em Elvas, que desenvolve atividade na área da infância. Esta missão de educar, tão nobre e tão querida pelo Fundador, o Venerável Joaquim Alves Brás, não é apenas um mero trabalho, um simples serviço, mas é doação dada em cada dia ao serviço da Família, que tem como base lapidar o lema da Obra de Santa Zita: “ Mãos no Trabalho, Coração em Deus”.

Dirijo-me aos jovens que se encontram na (re)descoberta da sua vocação, não tenham medo  de arriscar a vida por Cristo, de dizer um “sim” generoso à semelhança do “SIM” de Maria, que é o caminho mais direito que vos conduz a Cristo.

Maria do Rosário
Cooperadora da Família


Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>