Família Blasiana lança caminhada trienal rumo à celebração dos 100 anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Alves Brás

O Pe. Brás “ensina-nos a olhar a família como uma prioridade da nossa ação pastoral e social”, afirmou o novo Postulador da Causa de Canonização do Pe. Brás.

Foi a primeira vez que Mons. Fernando Silva de Matos participou num grande evento da Família Blasiana. O Conselheiro Eclesiástico da Embaixada de Portugal junto da Santa Sé é o novo Postulador da Causa de Canonização de Mons. Alves Brás e esteve presente na XI Peregrinação da Família Blasiana  que decorreu em Fátima no passado dia 23 de outubro, Dia Mundial das Missões.

Antes de se juntar à Família Blasiana reunida no Centro Paulo VI, Mons. Matos afirmava ao Jornal da Família que hoje o Pe. Brás “ensina-nos a olhar para a família como uma prioridade da nossa ação pastoral e social”.  Referindo-se à condição de fragilidade da família que trespassa todas as épocas, o novo Postulador reconheceu que este “é um tempo difícil para a instituição familiar” mas que “o trabalho de Mons. Alves Brás pode ser fundamental para solidificarmos os valores da família entre os cristãos de hoje”. Para tal, defendeu um maior conhecimento da figura deste sacerdote através de uma “divulgação capilar”. “É preciso fazer uma divulgação capilar por todas as dioceses, paróquias, seminários, nas catequeses, para que seja uma figura conhecida e amada pela Igreja em geral”, afirmou.

A celebração do Centenário da Ordenação Sacerdotal de Mons. Alves Brás, em 2025,  é  um bom pretexto para aprofundar o seu carisma e o dar a conhecer na Igreja e na sociedade. Neste âmbito, as Cooperadoras da Família, iniciaram uma caminhada trienal rumo a 2025 que tem como objetivo assinalar  o Centenário de Ordenação Sacerdotal de Mons. Brás, os 25 anos de Direito Pontifício do Instituto Secular das Cooperadoras da Família (ISCF) e o jubileu da Igreja, celebrado de 25 em 25 anos.

“Que os 100 anos da ordenação sacerdotal sejam um momento para difundir a devoção ao padre Brás e… quem sabe… um milagre acontecer para elevar Mons. Brás aos altares”, afirma Conceição Vieira, Coordenadora Geral do ISCF.

A caminhada, que está a ser preparada por um grupo constituído para o efeito,  tem como tema geral “Atravessados pelo Amor e pela Esperança” – como o Pe. Brás – e pretende debruçar-se em cada ano numa temática. Para 2022/23 parte-se do “Ir às Fontes para beber da intuição do Espírito que animou a Vida e Obra do Pe. Brás”, em 2023/24 o tema será “Olhar o presente e procurar discernir nele os caminhos a que o Senhor nos convoca” e em 2024/25 a Família Blasiana quer  “Ousar o futuro tendo sempre as famílias no horizonte da missão”.

Em cada um destes anos haverá várias iniciativas, umas mais direcionadas para a Família Blasiana, outras direcionadas para toda a Igreja e sociedade. A XI Peregrinação da Família Blasiana a Fátima decorreu já no contexto desta dinâmica. Sob o lema “Atravessados pelo Amor” – como o Pe. Brás – pedia-se à Família Blasiana para “Ir às Fontes” . 

Num Centro Paulo VI, que reuniu familiares, amigos, colaboradores e muitos pais das crianças que frequentam os equipamentos sociais a cargo das Cooperadoras da Família, Juan Ambrosio, um dos membros da equipa que está a preparar esta caminhada trienal, explicava o que era “Ir às Fontes”.  “’Ir às Fontes’ para que a intuição que animou o Pe. Brás não fique nos museus e a Família Blasiana possa ser hoje testemunho de esperança”.

Depois da  celebração Eucarística, integrada nas celebrações do Santuário, a Peregrinação da Família Blasiana ganhou novas cores e novos sons no Centro Paulo VI com um espetáculo em que participaram todas as casas das Cooperadoras da Famílias. As crianças, os idosos, os colaboradores dos equipamentos sociais a cargo das Cooperadoras da Família foram os artistas em cima do palco. Os que não puderam estar presentes enviaram vídeos alusivos ao tema.  Em comum a mensagem do amor: o amor que faz ser, o amor que escuta, o amor que forma e transforma, o amor que acompanha, o amor que abraça, o amor que protege e muitas mais formas de amor que cada localidade foi convidada a ir buscar  “à fonte”, ou seja, ao Pe. Brás.

Uma festa intergeracional que juntou crianças e muitos pais das Obras de Santa Zita espalhadas pelo país, alguns idosos dos Centros de Cooperação Familiar, e as colaboradoras destes equipamentos que não pouparam esforços para ensaiar musicas e coreografias com crianças de tenra idade. Tudo para espalhar o “amor” do Pe. Brás.

Pegando numa frase do Pe. Brás e no lema de vida das Cooperadoras da Família, Juan Ambrosio subiu novamente ao palco para afirmar que a conclusão de todas estas participações podiam ser resumidas na frase do Pe. Brás que diz: “Eu sigo o caminho do amor, é o caminho que vos deixo” e no lema das Cooperadoras da Família: “Mãos no trabalho, coração em Deus”.

No final da tarde, Conceição Vieira subiu ao palco para apresentar Mons. Fernando Silva de Matos a toda a Família Blasiana. E depois das palavras do novo Postulador da Causa de Canonização de Mons. Alves Brás, o encontro terminou com as vozes da Juventude Blasiana a apontar a esse grande acontecimento que Portugal recebe em 2023. O Hino da JMJ Lisboa 2023 encerrava a XI Peregrinação da Família Blasiana.

IM

Ver galeria de imagens da XI Peregrinação da Família Blasiana a Fátima



Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>