Sempre o mesmo e sempre diferente Natal

“O Natal, cada Natal mostra-nos que cada homem tem a dignidade de ‘filho de Deus’ e como tal deve ser amado e respeitado. O Natal desafia-nos a tornar-nos semelhantes a Jesus na prática do amor e da justiça, fazendo o bem, construindo a paz”. O Natal nas palavras de Otávio Morgadinho.

No último domingo do passado novembro iniciámos o novo Ano Litúrgico e com ele o tempo de Advento, de preparação do Natal. O ano litúrgico tem sentido religioso, celebrativo, não se confunde com o ano civil dos calendários, pelo qual regulamos a atividade diária. “É uma estrutura ritual, na qual a totalidade da história da salvação, a saber o mistério de Cristo, nas suas diversas projeções temporais de passado, presente e futuro, se atualiza no período de um ano” (Augé, Matias, “Teologia do ano litúrgico” in O ano Litúrgico história teologia e celebração, S. Paulo, ed. Paulinas, p. 29). O ano litúrgico tem configuração cíclica que se repete todos os anos, projetando-se sobre as variações do ano civil a que corresponde. “O ano litúrgico atualiza no ‘hoje’ das celebrações em proveito dos fiéis os vários aspetos do único mistério de Cristo” (Ib.)

No Natal celebramos o nascimento de Jesus, o mistério da Incarnação. Deus fez-se homem, viveu entre os homens, “passou fazendo o bem”, mostrou-nos o caminho para chegarmos a Deus, deu a sua vida pelos homens, ressuscitou. O nascimento de Jesus tem uma dimensão histórica. Nesse sentido o Natal é sempre o mesmo. Refere-se a acontecimentos que ocorreram num tempo histórico real verificável embora nem sempre de identificação precisa. Os evangelhos apresentam dados para situar o nascimento de Jesus na história. Há outras referências históricas embora escassas. O nascimento de Jesus é um facto. O mistério da Incarnação é uma interpretação religiosa desse facto e apela para a fé. Os profetas alimentaram no povo de Israel a esperança dum enviado de Deus, o Messias. As narrativas do evangelho de S. Lucas e S. Mateus que antecipam e relatam o nascimento de Jesus identificam Jesus com esse Messias, o Filho de Deus (Conf. Lucas, cap. 1 e 2; Mateus, 1, 18-3, 23).

A celebração litúrgica atualiza no hoje da vida da Igreja não os acontecimentos que continuam a situar-se no passado mas o mistério, o seu significado, a sua eficácia salvífica que continua a operar-se através da comemoração do tempo e celebração litúrgica. Essa atualização incorpora elementos atuais da celebração, o tempo, as disposições pessoais e ambientais que interferem na participação da celebração. Neste sentido, cada Natal é diferente porquanto reflete o investimento pessoal ou comunitário e o contexto humano e social de cada celebração.

Para exprimir o mistério cristão a Igreja serve-se de palavras existentes na experiência e vocabulário comum de conteúdo simbólico aproximado ao sentido do mistério. “O termo ‘adventus’ tirado do vocabulário social vigente significa chegada, vinda, aniversário de uma chegada, assume o valor semântico de espera e de preparação. Esta palavra designou a princípio o nascimento do Senhor e o aniversário do seu nascimento, depois a preparação desse evento e enfim a espera dessa segunda vinda de Cristo” (Ib. Pag202)

A leitura da Carta a Tito (2, 11-13) da missa da Meia-Noite de Natal refere os dois adventos ou vindas de Cristo: “Manifestou-se a graça de Deus, fonte de salvação para todos os homens, ensinando-nos a renunciar à impiedade e aos desejos mundanos, e a viver no mundo presente com toda a sobriedade, justiça e piedade [1ª. vinda], aguardando a bem-aventurada esperança e a manifestação gloriosa do nosso grande Deus e Salvador Jesus Cristo” [2ª. vinda].

Entre a primeira e a segunda vinda de Cristo, entre o Natal e o fim do mundo, o Senhor da história está sempre a vir até nós na sua palavra, nos sacramentos, nos acontecimentos, na voz da consciência. Pelo seu Espírito, faz da nossa vida a sua verdadeira e permanente morada (Jo 14, 23). No Advento litúrgico esperamos a vinda de Jesus e preparamo-nos para ela. Podemos exprimir o significado do Advento em três tempos do verbo vir.

O Senhor Jesus “veio”, há dois mil anos. Nasceu em Belém, viveu como judeu do seu tempo, morreu e ressuscitou. Deixou-nos o seu Evangelho, a sua Igreja, a Eucaristia.

O Senhor Jesus “vem” hoje ao nosso encontro na sua Palavra, nos sacramentos, nos acontecimentos de cada dia. Convida cada um a segui-lo, a viver à sua maneira. É preciso estar atento, vigilante, disponível “sempre alerta” para o acolher e o servir nos nossos semelhantes.

O Senhor Jesus “virá” quando após esta vida formos ao seu encontro na eternidade para recebermos dele o louvor e a recompensa: “Vinde, benditos de meu Pai porque me recebeste bem nos outros homens que precisavam de ti”.

O Advento litúrgico é tempo de expetativa, de esperança, para bem receber Jesus que vem às nossas vidas, que aparece e se manifesta hoje na fé e na ação da sua Igreja.

O Natal, cada Natal mostra-nos que cada homem tem a dignidade de “filho de Deus” e como tal deve ser amado e respeitado. O Natal desafia-nos a tornar-nos semelhantes a Jesus na prática do amor e da justiça, fazendo o bem, construindo a paz.

Na Liturgia da Palavra do Advento deste ano – Ano A – sobressai sempre na primeira Leitura o profeta Isaías. “Isaías é o profeta do Advento. O seu ministério destina-se a alertar o povo de Israel para a vinda do Messias prometido, e para descrever o mundo depois da vinda do Messias. Embora estejamos próximos da celebração do nascimento do Messias no Natal, somos sempre um povo à espera. Esta é a razão por que as profecias de Isaías que nos acompanham através do Advento são promessas reais para o nosso futuro” (Salford Liturgy).

O Evangelho de S. Mateus refere ainda outro profeta contemporâneo de Jesus, o Precursor João Batista no começo da sua pregação no 2º Domingo (Mat 3, 1-12) e o envio dos seus discípulos a Jesus para confirmar a sua identificação (3º Domingo (Mat 11, 2-11).

Octávio Morgadinho
Artigo da edição de dezembro do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>