O contributo do sono e da alimentação nos resultados escolares

O início de ano é sempre uma altura em que fazemos votos de melhores práticas e melhores hábitos. Espreite os conselhos de Goretti Valente.

Um novo ano está a começar e com ele muitos sonhos e novos projetos. É bom que assim aconteça para dar ânimo a mais uma caminhada de 365 dias que se pretende ser sempre melhor do que a anterior. A esperança é uma grande virtude. Todos fazem votos de práticas e hábitos melhores. Neste sentido porque não falar hoje de boas práticas rotineiras para a melhoria dos resultados escolares. Importa a todos e é um propósito pertinente. Lembro aqui duas práticas fundamentais para o desenvolvimento cognitivo dos alunos: o sono e a alimentação em tempo de escola. As duas promovem o bem-estar geral que se repercute, naturalmente, no rendimento escolar. Dormir num ambiente tranquilo e relaxante e ter um horário regular de repouso, fortalece a memória e evita problemas comportamentais, cognitivos e emocionais. Desligar o equipamento eletrónico é também o ideal ainda que saibamos que nesta era tecnológica, não é fácil. Acreditamos plenamente que ter um bom sono é fundamental para se ter uma vida saudável, seja qual for a idade. Os jovens em idade escolar precisam de um bom funcionamento do cérebro e descansar bem é uma necessidade reconhecida e recomendada. A capacidade de concentração na sala de aula, a aquisição de novas aprendizagens e o controlo das emoções são influenciadas pela qualidade do sono. Então, dormir faz bem, como revela o ditado “deitar cedo e cedo erguer, dá saúde e faz crescer”. Era bom e importante que os pais  ou a família estivesse atenta a estes pormenores, tão grandes  para o funcionamento da atividade escolar. A alimentação também tem um papel relevante neste contexto. Fazer uma alimentação equilibrada ao longo do dia é um ganho para todos. Não há alimentos especiais para promover a inteligência, mas há práticas e hábitos diários que complementam a melhoria do desempenho. Tomar o pequeno almoço antes de ir para a escola é fundamental e quantos jovens chegam à escola sem comer, não porque não tenham alimentos em casa, mas porque sim. Começam o dia sem energia, cansados, irritados e sem paciência alguma para aprender o que quer que seja. Muitas vezes apresentam problemas comportamentais que não se compreendem, nada favoráveis a uma boa aprendizagem. É muito importante que em casa se esteja atento a estes pormenores que podem fazer a diferença nos resultados escolares. Acredito que nada disto é novo na sociedade em que vivemos, mas podemos fazer sempre melhor e contribuir positivamente para a formação equilibrada desta juventude.

Comecemos o ano com Fé e Esperança num mundo melhor, onde o contributo de cada um de nós é importante e vai fazer a diferença.

Bom Ano e fiquem bem!

J

Goretti Valente
Artigo da edição de janeiro de 2023 do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Cultura do descarte

“A cultura do descarte é uma das mais significativas sequelas do vírus do narcisismo”, escreve Furtado Fernandes num artigo que reflete sobre o provisório e o efémero que caracterizam a atualidade.

Ler Mais >>

Em Roma, uma Igreja que fala português

Uma eucaristia em Roma para fazer memória das virtudes heroicas do Pe. Alves Brás deu o mote à rubrica mensal de Cristiano Cirillo pela beleza da espiritualidade em viagem. Por entre a vida e Obra do Fundador da Família Blasiana, ficamos a conhecer a Igreja de Santo António dos Portugueses em Roma.

Ler Mais >>

Padre Joaquim Alves Brás celebrado em Roma

Com os olhos postos no centenário da sua ordenação sacerdotal, o Pe. Alves Brás foi celebrado em Roma por ocasião das datas do seu nascimento e morte. A Igreja de Santo António dos Portugueses acolheu a celebração eucarística e Murillo Missaci conta-nos os pormenores.

Ler Mais >>

Celebrar e fazer acontecer o novo e a novidade

Num tempo de interpelações e desafios constantes “não nos podemos esquecer deste recomeço, desta novidade e deste novo que cada Páscoa nos lembra e volta a fazer acontecer”, diz-nos Juan Ambrosio na sua crónica mensal para o Jornal da Família.

Ler Mais >>