O contributo do sono e da alimentação nos resultados escolares

O início de ano é sempre uma altura em que fazemos votos de melhores práticas e melhores hábitos. Espreite os conselhos de Goretti Valente.

Um novo ano está a começar e com ele muitos sonhos e novos projetos. É bom que assim aconteça para dar ânimo a mais uma caminhada de 365 dias que se pretende ser sempre melhor do que a anterior. A esperança é uma grande virtude. Todos fazem votos de práticas e hábitos melhores. Neste sentido porque não falar hoje de boas práticas rotineiras para a melhoria dos resultados escolares. Importa a todos e é um propósito pertinente. Lembro aqui duas práticas fundamentais para o desenvolvimento cognitivo dos alunos: o sono e a alimentação em tempo de escola. As duas promovem o bem-estar geral que se repercute, naturalmente, no rendimento escolar. Dormir num ambiente tranquilo e relaxante e ter um horário regular de repouso, fortalece a memória e evita problemas comportamentais, cognitivos e emocionais. Desligar o equipamento eletrónico é também o ideal ainda que saibamos que nesta era tecnológica, não é fácil. Acreditamos plenamente que ter um bom sono é fundamental para se ter uma vida saudável, seja qual for a idade. Os jovens em idade escolar precisam de um bom funcionamento do cérebro e descansar bem é uma necessidade reconhecida e recomendada. A capacidade de concentração na sala de aula, a aquisição de novas aprendizagens e o controlo das emoções são influenciadas pela qualidade do sono. Então, dormir faz bem, como revela o ditado “deitar cedo e cedo erguer, dá saúde e faz crescer”. Era bom e importante que os pais  ou a família estivesse atenta a estes pormenores, tão grandes  para o funcionamento da atividade escolar. A alimentação também tem um papel relevante neste contexto. Fazer uma alimentação equilibrada ao longo do dia é um ganho para todos. Não há alimentos especiais para promover a inteligência, mas há práticas e hábitos diários que complementam a melhoria do desempenho. Tomar o pequeno almoço antes de ir para a escola é fundamental e quantos jovens chegam à escola sem comer, não porque não tenham alimentos em casa, mas porque sim. Começam o dia sem energia, cansados, irritados e sem paciência alguma para aprender o que quer que seja. Muitas vezes apresentam problemas comportamentais que não se compreendem, nada favoráveis a uma boa aprendizagem. É muito importante que em casa se esteja atento a estes pormenores que podem fazer a diferença nos resultados escolares. Acredito que nada disto é novo na sociedade em que vivemos, mas podemos fazer sempre melhor e contribuir positivamente para a formação equilibrada desta juventude.

Comecemos o ano com Fé e Esperança num mundo melhor, onde o contributo de cada um de nós é importante e vai fazer a diferença.

Bom Ano e fiquem bem!

J

Goretti Valente
Artigo da edição de janeiro de 2023 do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>