Escola em alta tensão

É urgente “valorizar e dignificar a profissão docente”, defende Jorge Cotovio num artigo sobre o ensino e a importância do professor, numa altura em que a Escola vive tempos de “tensão”.

Quando escrevo estas linhas, a escola pública e os professores são notícia de “primeira página”. Aos problemas estruturais que subsistem há décadas (alguns dos quais a raiar a injustiça), juntam-se os decorrentes da gradual municipalização da educação, a par da preocupante falta de vocações para o ensino.

Espero bem que, neste período que medeia entre esta escrita e a edição do jornal se mitiguem as posições e haja a expetativa de acordos. A escola precisa de professores (e funcionários) tranquilos e minimamente motivados, para depois entusiasmarem as crianças, os adolescentes e os jovens que são “o futuro da sociedade”. E precisa de estabilidade, para não afetar – como está – os alunos e as famílias.

Sem se dar conta, porque faz pouco ruído, o ensino não estatal caminha ao seu ritmo, procurando cumprir a sua missão. Mas também esta escola necessita de ser apoiada. E poupando tanto ao erário público, merecia dos governos maior atenção e respeito, ao invés do que atualmente sucede, em que praticamente a ignora e a remete apenas para as famílias com algum suporte financeiro. Também aqui grassam problemas e preocupações, decorrentes da progressiva (e generalizada) falta de professores, da instabilidade económica das famílias (a maioria das quais sem qualquer possibilidade de pôr os filhos na escola que desejam) e do quase abandono do apoio financeiro estatal às famílias carenciadas, impedindo-as, na prática, de usufruir da liberdade de escolha, consagrada na Constituição.

A outro nível, para esta tensão – e agora incluo todas as escolas, públicas e privadas – também contribuem os principais destinatários da escola – os alunos. Cada vez mais os professores (e outros agentes educativos) se queixam da irreverência das crianças, desde muito novas. Habituadas que estão a “mandar em casa” e a facilitismos de diversa ordem (como já referi várias vezes), quando vão para a escola, normalmente no pré-escolar, acham que podem fazer o que querem, desde falar quando lhes apetece, a bater a colegas e a desobedecer aos educadores. Quando mais crescidas, querem continuar a “mandar” e até escusam de estar com atenção nas aulas, pois no final das atividades letivas os explicadores (ou os pais) estudam por elas. Felizmente, este não é o retrato da maioria dos alunos. Mas numa turma de 20 ou 25 alunos, bastam dois ou três com este perfil para contagiar outros e fazerem de muitas aulas uma “comédia”. É óbvio que tudo isto desgasta – e de que maneira! – os professores. Se depois juntarmos os processos burocráticos, sempre morosos e chatos, adstritos a alunos com perturbações no seu comportamento ou com mau aproveitamento, o resultado é esta “alta tensão” que paira nas escolas e se repercute na sociedade.

E para a tensão ser ainda mais alta, uma percentagem significativa de pais/ encarregados de educação, mesmo de bons alunos, projeta muita da sua “tensão interna” nos diretores e nos docentes. E culpa a escola de tudo, inclusivamente do mau comportamento e do mau aproveitamento dos filhos, pois são os professores que não sabem utilizar estratégias adequadas e diferenciadoras. Num cenário em que o professor é, infelizmente, visto como o elo mais fraco, facilmente meia dúzia de pais numa turma galvaniza (e, às vezes, manipula) os outros pais, criando novas tensões e muito cansaço para direções e corpo docente.

Perante este quadro muito real (que, como já referi, também atinge as escolas privadas), não admira o índice de revolta manifestado pelos professores e diretores das escolas públicas. E por detrás das questões relativas à precariedade, ao modelo de colocação de professores, ao modelo de avaliação, à (não) atribuição de vencimentos compatíveis, etc., está o desgaste contínuo causado pela profissão docente, onde os maus alunos e os pais pouco colaborativos contribuem desfavoravelmente.

Urge, pois, valorizar e dignificar a função docente, respeitando os diretores e os professores (e os funcionários, claro), promovendo a sua autoridade, e confiando na instituição escolar.

Estamos perante uma das profissões mais importantes da sociedade – porque o professor ajuda a preparar as novas gerações para “a vida” – e o Estado, a sociedade e os pais não a têm sabido acarinhar e promover. O resultado está à vista de todos: mau estar nas escolas, resultados escolares abaixo do expectável e falta de gente nova que opte por uma carreira docente. O desafio premente – porque o quadro é deveras preocupante – é encontrar formas de dar a volta a esta situação, valorizando socialmente a figura do professor – devolvendo-lhe a autoridade – e criando condições para que a profissão seja, efetivamente, considerada e cativante.

Incumbe, prioritariamente, ao Estado velar pela escola e pelos professores, a fim de educarem bem os alunos. Mas também os alunos e as famílias têm de contribuir, fortemente, para que na sala de aula, nos corredores e nos recreios (e nas salas de atendimento dos encarregados de educação e nos grupos do whatsApp) haja boa educação e ambiente propício para as aprendizagens.

Baixar a tensão da escola é uma tarefa de todos nós. E uma tarefa urgente.

Jorge Cotovio
jfcotovio@gmail.com
Artigo da edição de fevereiro do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Sinais de esperança, sinais proféticos

Não basta apelar à esperança, há que ser testemunha e agente dessa esperança. “O texto da Bula de Proclamação do Jubileu 2025 identifica alguns sinais de esperança que, neste momento, é urgente protagonizar”, afirma Juan Ambrosio que nos guia pelo itinerário traçado pelo Papa Francisco.

Ler Mais >>

A caminho de El Rocío

Cristiano Cirillo passou por terras da Andaluzia e não podia deixar de peregrinar à Romaria da Virgem de El Rocío. Um olhar atento à história, à devoção mariana que ali se vive e a toda a festa que envolve a peregrinação.

Ler Mais >>

Dia dos Irmãos

“Se não formos fraternos, não somos humanos”, escreve a Comissão Episcopal do Laicado e Família na mensagem para o Dia dos Irmãos que se celebra a 31 de maio.

Ler Mais >>