O melhor bem possível para todos e para cada um

Em tempos de agitação social, Juan Ambrosio reflete sobre a urgência de desenvolver “outras formas de compromisso e participação na sociedade” com vista ao bem comum, onde a escola e a família assumem papel principal.

O início deste ano tem-se revelado bastante agitado do ponto de vista social. Várias greves têm provocado alterações na vida das pessoas. A contestação, por parte de vários sectores da sociedade, tem vindo a subir de tom e não se vislumbra grande possibilidade de acalmia nos próximos tempos. As constantes notícias acerca de casos de má gestão da coisa pública estão, também, a gerar um crescente mal-estar. O ambiente social está verdadeiramente tenso.

Também a nível internacional se presente esta tensão. A guerra na Ucrânia não parece ter fim à vista, pelo contrário, os sinais que surgem são mesmo de uma certa escalada. A pandemia da Covid 19, ainda que numa fase muito distinta do que já vivemos, continua presente e a merecer atenção e cuidado. As notícias relativas a vários países europeus vão dando, com frequência, conta de situações de instabilidade social.

Bastam estas ideias gerais, que voltam a ter um tom bastante cinzento, para enquadrar aquilo que aqui quero partilhar e me parece ser um desafio cada vez mais importante de responder. Interrogo-me sobre o princípio que deve presidir à participação dos cidadãos na gestão e organização das nossas sociedades.

Sei bem que a maioria das pessoas não será chamada a desempenhar funções formais no governo e gestão das nossas sociedades, mas isso não implica que essas mesmas pessoas tenham de ser indiferentes a essa mesma gestão, pelo contrário, julgo que, nos nossos dias, é urgente uma nova intervenção e participação cívica. O envolvimento em movimentos de contestação, como os que estamos a assistir, é, sem dúvida, um modo de intervenção cívica que não pode ser ignorado, nem secundarizado, mas sinceramente não me parece que possa ser o único, nem sequer o mais importante.

Julgo que temos de desenvolver urgentemente outras formas de compromisso e participação na sociedade que, sem descurar os interesses e necessidades de cada um dos seus sectores, sejam capazes de abrir-se a outros horizontes.

Digo isto, sem colocar em causa a legitimidade dos movimentos a que estamos a assistir e reconhecendo como muitas das suas reivindicações são justas e até necessárias. Mas também não sou ingénuo a ponto de não reconhecer a presença de visões ideológicas de diversos sentidos nesses mesmos movimentos, visões que não podemos ignorar porque tendem, com frequência, a destacar só aquilo que mais lhes interessa, não procurando, por isso, desenvolver um olhar mais global e atento.

Por tudo isto estou cada vez mais convencido da importância que tem o princípio do bem comum. Já várias vezes fiz alusão, neste espaço, a este princípio, e volto a referi-lo uma vez mais, pois estou sinceramente convencido de que os desafios que enfrentamos só podem ser verdadeiramente respondidos tendo-o em conta. Por mais legitimas e razoáveis que sejam as reivindicações de cada sector social, não me parece ser possível procurar as melhores soluções se não estivermos genuinamente interessados e focados na procura do bem comum.

A maneira como se apresenta o bem-comum no pensamento social cristão – o melhor bem possível para todos e cada um -, parece-me, na verdade, ser uma maneira bem justa e adequada de fazê-lo. Quando percebermos que o melhor bem possível para todos é também o melhor bem possível para cada um, então estarão certamente reunidas as condições para conseguirmos construir sociedades que se preocupem com todos e cada um, sem privilegiar uns em detrimento de outros, mas dando, simultaneamente, a atenção necessária à situação concreta de cada um.

O papel da escola surge, neste contexto, com toda a relevância. De que serve ensinar às nossas crianças e jovens a história e as línguas que enquadram as nossas civilizações e ajudam a entender melhor a nossa cultura, de que serve capacitá-los com as mais diversas competências ao nível das mais variadas ciências, de que serve desenvolver as suas aptidões físicas e a sua sensibilidade para as diversas expressões artísticas, de que serve apurar a sua consciência ética, entre tantas outras coisas, se isto não for colocado ao serviço da construção de uma sociedade que possa promover a dignidade de todos?

Igualmente fundamental, como já várias vezes aqui tenho referido, é a importância das famílias. Também a elas cabe o papel de educar as jovens gerações nesta linha. A educação para uma cidadania ativa orientada pela procura do bem comum parece-me ser um dos contributos mais preciosos que são chamadas a dar. E não julgo que isso seja algo muito difícil de concretizar, pelo contrário, parece-me até algo bem em consonância com a própria experiência familiar, cujo cimento é também, como sabemos, a procura do bem para todos, sem nunca descuidar a atenção a cada um.


Juan Ambrosio
Artigo da edição de fevereiro do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Papa denúncia solidão e abandono dos idosos

“Muitas vezes me sucedeu, como bispo de Buenos Aires, ir visitar lares de terceira idade, dando-me conta de como raramente recebiam visitas aquelas pessoas: algumas, há muitos meses, não viam os seus familiares”. Papa denúncia a solidão e o abandono dos mais velhos na mensagem para o IV Dia Mundial dos Avós e Idosos.

Ler Mais >>

Não te abandonarei!

No próximo dia 28 de julho assinala-se o IV Dia Mundial dos Avós e dos Idosos. Na mensagem para este dia, o Papa Francisco denuncia a solidão e o abandono dos mais velhos. Juan Ambrosio pega na mensagem do Papa para nos lembrar que avós e idosos “não são só o passado, são também o presente que nos pode dar a garantia de um futuro mais humano”.

Ler Mais >>

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>