Família Blasiana peregrina até à Guarda, “cidade berço” do Sacerdócio e Obras do Pe. Brás

A Família Blasiana, colaboradores e amigos, rumam até à Guarda a 19 de março para revisitar as “Fontes” do Sacerdócio e das Obras do Venerável Pe. Alves Brás.

Guarda “cidade berço” do Sacerdócio e das Obras do Pe. Brás
Beber na ‘Intuição Primeira’

A Família Blasiana, seus colaboradores e amigos, rumam até à Guarda a 19 de março, para ‘rememorar’ a “intuição primeira” do Carisma que Deus confiou ao Venerável Pe. Joaquim Alves Brás.

Inscrevendo-se na caminhada trienal, em ordem à celebração dos 100 anos da sua ordenação sacerdotal e dos 25 anos de reconhecimento de Direito Pontifício do Instituo Secular das Cooperadoras da Família (2025), esta viagem será marcada por dois objetivos: ‘Fazer memória do Carisma confiado ao Pe. Brás’, incarnado na sua Obra; Fortalecer na sua Família (a Blasiana) a consciência de que é portadora e continuadora deste dom e que, por isso, se deve empenhar, de alma e coração, na sua realização.

 ‘Cidade berço’ da sua Vocação e Obras, a cidade da Guarda é testemunha de tudo o que Deus foi semeando no seu coração e realizando na e com a sua pessoa. Se as pedras daquelas ruas falassem, testemunhavam a persistência e a determinação dos seus passos, ao encontro dos mais frágeis: nas Igrejas, nos hospitais, nas ruas e vielas, qual ovelha perdida, imagem do Evangelho proclamado no dia da sua ordenação Sacerdotal, incarnado vivamente na sua vida e na multifacetada ação apostólica que desenvolveu. Se aquelas paredes falassem, narrar-nos-iam o fogo que lhe ardia no peito, quando no dia 4 de junho de 1933 lançou a seis jovens o desafio de o ajudarem nessa missão, sob o lema: “Deus e almas; amor e sacrifício; humildade e abnegação”, assim como o entusiasmo e a coragem, com que estas primeiras seis, qual embrião do Instituto, acolheram a sua proposta.

Foram milhares e milhares de mulheres portuguesas e famílias, que encontraram nas Instituições por ele Fundadas, que se expandiram da Guarda para todo o Portugal e até ao estrangeiro, proteção, valorização e dignificação. Quantas aprenderam no seu seio, os hábitos básicos de higiene, as primeiras letras do abecedário e os conceitos básicos da fé cristã. Foi no seu dinamismo e estruturas, que muitas desenvolveram talentos e se prepararam para serem boas cristãs, boas empregadas domésticas, boas donas de casa e mães de Família e boas consagradas.

O seu coração de pastor, intuitivo, apostólico e pragmático, sedento de se identificar com Cristo, Bom Pastor, levou-o a intuir a necessidade e a urgência de cuidar o ‘berço da vida’, a família, pois ela, se for fiel à sua vocação e missão, muito assegura, muito protege, mas também tudo reflete, o bem e o mal; dela tudo depende, até o maior bem da sociedade.

Os anos foram rolando (1932–2023), a sociedade sofreu profundas alterações, as condições para uma vida mais digna foram um crescendo e no decorrer dos tempos os(as) seus(suas) seguidores(as), foram e vão ensaiando novas respostas que, direta e indiretamente, a nível pessoal e em estruturas organizadas, ora mais dinâmicas, ora mais apagadas, estão ao serviço da dignificação da Mulher, da santificação das Famílias e dos Sacerdotes. É seu desejo ser memória viva, do Espírito e Carisma que recebeu do seu Fundador, na atualidade, procedendo, para isso, a renovações e readaptações de estruturas e serviços.

Este fazer memória, para a Família Blasiana, seus colaboradores e amigos, será uma oportunidade e uma graça para fortalecer os laços de pertença e o sentido de missão. Serão revisitados os lugares mais significativos onde tudo começou, escutaremos breves testemunhos, que serão um impulso e um encorajamento a reavivar em todos os presentes, a consciência de serem continuadores e dinamizadores da sua Obra. Dar Graças a Deus, por tão grande dom, através de uma celebração Eucarística na Sé Catedral, às 15.30h, presidida por D. Manuel Felício, Bispo da Diocese da Guarda, será o momento alto e conclusivo deste REMEMORAR a história.

Mª Conceição Gomes Vieira

Programa
10.30h – Acolhimento (Largo da Sé Catedral)
11.00h – Percurso “Beber na Fonte

12.00h – Almoço

14.00h – “Fazer Memória” – Seminário Maior
15.30h – Eucaristia na Sé Catedral presidida por D. Manuel Felício, Bispo da Diocese da Guarda
16.45h – Regresso

Família Blasiana: Obra de Santa Zita, Instituto Secular das Cooperadoras da Família; Centro de Cooperação Familiar; Fundação Monsenhor Alves Brás; Movimento Por Um Lar Cristão; Juventude Blasiana – Jovens Focos de Esperança

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

A sabedoria que parte do coração humano

“Neste tempo que corre o risco de ser rico em técnica e pobre em humanidade, a nossa reflexão só pode partir do coração humano”. É com este pressuposto que Francisco alerta para as potencialidades e perigos da comunicação num mundo cada vez mais complexo da inteligência artificial.

Ler Mais >>

Construímo-nos na relação

Contruímo-nos na relação e a construção da identidade tem uma dimensão relacional e uma dimensão singular. Como cristãos somos chamados a viver a dimensão de Igreja mas também de cidadania e a esperança cristã deve ser testemunhada na vida de cada um mas também na relação com os outros. Ideias saídas do II Fórum Família.

Ler Mais >>

Vinde Espírito Santo!

No contexto do Mistério Pascal, Furtado Fernandes evoca a vinda do Espírito Santo para renovar mentalidades e comportamentos, num mundo dilacerado pelos horrores da guerra.

Ler Mais >>