Beber das fontes

Juan Ambrosio participou na peregrinação da Família Blasiana à Guarda. Acompanhou um grupo de peregrinos pelas ruas e lugares que marcaram a vida do Pe. Brás Alves Brás nesta cidade e conta-nos tudo neste artigo que escreveu para o Jornal da Família.

Foi um dia em cheio, onde tivemos a oportunidade de ir ao berço da Família Blasiana. No tempo em que tudo começou não havia certamente consciência de onde estaríamos hoje, nem existia a família Blasiana. Mas sem o que então começou a acontecer a sua existência não teria sido de todo possível, por isso a nossa peregrinação à Guarda, no dia 19 de março, foi mesmo um ir às fontes.

A jornada começou bem cedo, pois os peregrinos deveriam encontrar-se às 10h30, no largo, junto à Sé da Guarda. E assim foi, vindo de vários pontos do País e mesmo de Madrid fomo-nos juntando e dividindo em pequenos grupos que, à medida que iam sendo constituídos, começaram a sua caminhada percorrendo os lugares mais significativos dos primeiros passos desta família.

Passámos junto à casa de Maria José Lucas, mais conhecida por Zézinha, onde nasceu o primeiro lar da Obra de Previdência e Formação das Criadas (OPFC, depois conhecida como Obra de Santa Zita). Zézinha foi a primeira pessoa que diretamente trabalhou com o Pe. Joaquim Alves Brás.

Muito unida ao Fundador, foi ela que ajudou a organizar as reuniões e encontros de formação com as criadas de servir na Igreja de São Vicente, na qual tivemos a oportunidade de fazer uma paragem, para ouvir mais um pouco da história nascente, beber um pouco mais da intuição que esteve na origem e dar graças pelo caminho até agora percorrido.

A partir destas reuniões, destinadas a todas as criadas de servir que quisessem participar, foi possível ir identificando algumas mulheres que, pelo seu envolvimento e empenho, poderiam ajudar a unir todas as associadas de forma a constituírem um grupo cada vez mais consolidado que pudesse ajudar, não só no seu desenvolvimento pessoal e social, como também no aprofundamento da sua dimensão espiritual. No dia 4 de junho de 1933, um grupo de seis mulheres, juntamente com o Pe. Brás, fazem a sua consagração a esta missão e assim se lançam os alicerces do que mais tarde será o Instituto Secular das Cooperadoras da Família.

Depois deste intenso momento na Igreja de S. Vicente, continuámos a percorrer as ruas que fazem parte desta história, passando pela Sede Fundadora da OPFC, casa de Santa Zita da Guarda e terminando junto ao Monumento em homenagem a Mons. Alves Brás, no já existente largo com o seu nome. Inaugurado no dia 21 de março de 1999, por ocasião do centenário do seu nascimento, está repleto da simbologia que nos remete para a vida da Família Blasiana. Feito em granito, pedra originária da região, tem três pilares e três repuxos, aludindo às três obras que o Mons. fundou – Obra de Santa Zita, Instituto Secular das Cooperadoras da Família, Movimento por um Lar Cristão – e à sua vitalidade, tão bem expressa naquelas torrentes de água que se elevam em direção ao alto. Uma frase, da autoria do Fundador, foca-nos bem na intuição que está na base de todo este caminho: «a família é a nascente donde brota a humanidade»

Da parte da tarde, no Seminário da Guarda, lugar tão importante para esta história, pois lugar onde se consolidou a vocação de Mons. Alves Brás, nos momentos de formação como seminarista, e foi sendo discernida a concretização da sua missão, nos momentos da sua vida inicial como padre, tivemos a oportunidade de ouvir o testemunho de pessoas que, não o tendo conhecido pessoalmente, por ele se sentem inspirados e nele reconhecem a força do Espírito que esteve na origem e que hoje contínua a sustentar o caminho. Enriquecidos com este momento, que teve também a presença tão ternurenta e significativa de um grupo de crianças, pais e educadores da casa de santa Zita da Guarda, partimos para a Sé, onde juntos, como Família Blasiana, pudemos dar graças a Deus por todo o caminho percorrido desde então até hoje, pedindo-lhe igualmente a força para continuar a missão.

Neste dia tão significativo, inserido na caminhada trienal que nos leva à celebração do Jubileu do centenário da ordenação sacerdotal do Pe. Alves Brás, tivemos a oportunidade de percorrer algumas das ruas que o Fundador percorreu e de estar em alguns dos lugares onde ele também esteve. Para quem como eu teve a oportunidade de o viver intensamente sabe que não foi simplesmente uma romaria ao passado marcada pela saudade, pelo contrário, foi uma ida às fontes, para delas poder beber e assim poder continuar a desenvolver a obra então começada. Não repetimos só os passos, quisemos é neles inspirar-nos para continuar em fidelidade criativa a missão que agora e no futuro é pedida à Família Blasiana.

Juan Ambrosio

Ver galeria de imagens

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>