“Sou Cooperadora” com Natália Matos

Vive a vida consagrada no meio da sociedade. Natália Matos é Cooperadora da Família e optou por viver junto da família, uma das várias modalidades que os Institutos Seculares permitem. Conheça a sua história vocacional.

Chamo-me Natália Matos, tenho 41 anos e fui criada no seio de uma família profundamente devota. Sou natural da Póvoa de Lanhoso, diocese de Braga e estou no Instituto há 19 anos.

Apesar de já conhecer as Cooperadoras da Família, a minha história vocacional começa aos 16 anos, em 1997, quando fui passar férias escolares de verão na Casa de Santa Zita em Braga. Dois anos depois repeti a experiência e a partir daí, a convite das Cooperadoras, entrei para o movimento juvenil “Focos de Esperança”.   

No entanto, a vida foi dando as suas voltas, as voltas que precisamos para encontrar o nosso lugar neste mundo. Em 2001 comecei a trabalhar num hotel e o mundo laboral afastou-me da Igreja. Desse tempo veio o vazio. Dei por mim a pensar que assim não podia ser, não fazia parte de mim tal afastamento. Decidi então sair desse emprego. 

A presença mais assídua nos encontros de jovens veio preencher um pouco o vazio que até então se tinha instalado em mim. Aquele grupo começou a fazer parte daquilo que eu era e com ele o testemunho das Cooperadoras da Família que nos acompanhavam. 

Entre as muitas atividades dos “Focos de Esperança”, uma marcou-me profundamente – o Encontro Nacional realizado em Fátima em 2002. Lembro, com muito carinho, o meu desabafo com outra jovem que estava comigo nas escadas do Santuário de Fátima, junto ao altar do recinto: “E se eu fosse como elas?”. 

Regressei a casa desse encontro invadida por essas palavras e decidi entrar em contacto com a Cooperadora Manuela Caldeira que acompanhava as jovens que estavam a fazer o seu discernimento vocacional. No ano seguinte fui trabalhar para o Centro de Cooperação Familiar em Carcavelos, a cargo das Cooperadoras da Família.

Ao ler todos estes sinais na minha vida, entendia que Deus me queria ali, junto delas, onde quer que fosse. E após mais uns meses a amadurecer esta ‘ideia’ que tinha dentro de mim entrei para o Instituto em agosto de 2003. 

Atualmente estou com os meus pais, trabalho num Lar de Idosos e sou catequista na minha paróquia. Estou muito feliz por poder partilhar com os idosos e com as crianças tudo aquilo que o Instituto me deu e continua a dar. Acredito que faço a diferença porque me sinto ‘diferente’, porque me sinto chamada por Deus a uma vocação especial e esta sociedade precisa cada vez mais de quem seja diferente daquilo que o mundo oferece. E deixo esta mensagem aos jovens. Atrevam-se a ser diferentes. Existe sempre a tendência de ir para onde os outros vão, mas esse nem sempre é o caminho que nos realiza como pessoas. Se não estás feliz é porque não estás no lugar onde Deus te quer. Que este ano que inicia seja o primeiro da tua ‘nova vida’!

Natália Matos

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

A sabedoria que parte do coração humano

“Neste tempo que corre o risco de ser rico em técnica e pobre em humanidade, a nossa reflexão só pode partir do coração humano”. É com este pressuposto que Francisco alerta para as potencialidades e perigos da comunicação num mundo cada vez mais complexo da inteligência artificial.

Ler Mais >>

Construímo-nos na relação

Contruímo-nos na relação e a construção da identidade tem uma dimensão relacional e uma dimensão singular. Como cristãos somos chamados a viver a dimensão de Igreja mas também de cidadania e a esperança cristã deve ser testemunhada na vida de cada um mas também na relação com os outros. Ideias saídas do II Fórum Família.

Ler Mais >>

Vinde Espírito Santo!

No contexto do Mistério Pascal, Furtado Fernandes evoca a vinda do Espírito Santo para renovar mentalidades e comportamentos, num mundo dilacerado pelos horrores da guerra.

Ler Mais >>