Mensagem para o Dia da Mãe

“Ser mãe é uma vocação e missão natural que Deus consagrou e que importa sublinhar como um dom e capacidade de amor ao serviço da vida e da sua realização”, afirma a Comissão Episcopal do Laicado e Família na mensagem para o Dia da Mãe, que se assinala a 7 de maio.

Mensagem para o dia da Mãe

Em Portugal o «Dia da Mãe» ocorre no 1º Domingo do mês de maio, este ano é o dia 7 e, na Liturgia, é o quinto Domingo do tempo Pascal. Acontecendo o «Dia da Mãe» no mês de maio, mês de Maria, a primeira dimensão da mensagem para este dia vem do Evangelho e da experiência de fé dos cristãos católicos que assumem por Mãe espiritual aquela que Jesus lhes consagrou na cruz, quando indicou a sua própria Mãe ao seu discípulo João, dizendo-lhe: «Eis a tua Mãe» (Jo 19,27).

A Mãe afetuosa, humilde, confiante e corajosa

A oração de saudação e súplica de intercessão dirigida a Maria, seja por crianças pequenas ou pessoas adultas mais idosas, tem uma dimensão afetuosa da fé.  Em cada dezena do Rosário, na companhia de Maria, contemplamos a beleza e o mistério da vida de Jesus, da Virgem Mãe e ainda o dom do Espírito Santo na Igreja nascente, onde a Virgem Mãe também se encontrava.

Com a Mãe-Maria, Deus tornou-se próximo de nós! E nós tornamo-nos próximos de Deus. Com humildade, a Virgem Mãe aceitou com Fé a sua vocação, exultou de alegria e avançou com coragem para assumir uma aventura que envolve  a vida por inteiro. Porém, não poderia imaginar que o seu Filho iria nascer num estábulo de animais e, ainda menos, que viria a ser condenado a morrer na cruz. Nenhuma mãe imagina essa situação. 

A Mãe aliada de todas as mães

A Virgem Maria, acolhe todos os dias as preocupações das mães que sofrem por causa dos seus filhos. Por causa do seu infortúnio, da falta de saúde, dos afastamentos, dos filhos dependentes de redes ou vícios arruinadores, dos filhos acidentados e dos filhos que morreram. As mães que, em oração, partilham com a Virgem Mãe os seus problemas familiares, sabem que a têm como aliada e intercessora. Na verdade, Nossa Senhora é para muitos cristãos a confidente sempre disponível para escutar os nossos desabafos, sofrimentos e preocupações. 

Ser mãe: vocação, valor e missão 

Ser mãe é uma vocação e missão natural que Deus consagrou e que importa sublinhar como um dom e capacidade de amor ao serviço da vida e da sua realização. Todas as mães merecem ser apoiadas pela coragem e confiança que demonstram e por assumirem a sua responsabilidade. Ser mãe com amor e responsabilidade, mesmo pobre, é um bem enorme em alegria e em esperança que se alarga à família e à comunidade. Neste sentido, sugerimos e pedimos aos jovens casais que cuidem da fidelidade do seu relacionamento, como um dom para sua felicidade e de seus filhos. 

Àqueles casais que, tendo gerado filhos, se separaram, não desistam de se assumirem como dom de Deus para a educação e felicidade dos vossos filhos. Em qualquer circunstância, a uma criança nunca se deve dizer mal da mãe. A mãe é mãe! Às mães que ficaram sós com filhos a crescer e a educar, que trabalham e assumem a missão de mãe como a causa das suas vidas, saudamo-las e agradecemos-lhe pela dedicação.

Confiar e escutar a mãe

No Dia da Mãe muitos filhos têm o cuidado de dirigir uma palavra ou uma atenção especial à sua mãe. É bom que assim aconteça; um simples gesto de delicadeza para com a mãe, é gerador de felicidade. Honrar pai e mãe, escutá-los e prestar-lhes atenção tem uma dimensão sagrada (4º mandamento da Lei de Deus), humaniza-nos, fazemos os outros felizes e agradamos a Deus.  

Em sentido diverso, existem adolescentes e jovens que, por influência e sugestões que circulam nas redes sociais, decidem uma nova orientação para as suas vidas sem dialogar e confiar nos pais. É compreensível que os adolescentes e jovens tenham opções diferente dos pais, mas não é aceitável considerarem que alguém neste mundo os ame e lhes queira maior bem do que a sua própria mãe. 

Confiemos à intercessão de Santa Maria, Rainha da Paz, Mãe de Cristo e Mãe da Igreja, todas as mães que vivem com especiais preocupações com os seus filhos e sua família, não esquecendo as situações de grande sofrimento familiar nos países envolvidos em guerra. 

Comissão Episcopal do Laicado e Família, 7 de maio de 2023

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>