O digital e o real no mundo da Educação

Passamos cada vez mais tempo “ligados” ao mundo digital. O tema merece reflexão, sobretudo quando se trata de crianças. Para Goretti Valente “uma dependência em demasia do digital pode não ser a melhor opção para crescer e se atualizar”.

 O mundo digital está cada vez mais presente na vida de todos nós. As escolas acompanham a evolução e proliferação das técnicas digitais e aplicam-nas nas suas atividades escolares. Este ano tivemos conhecimento da utilização do digital na realização de algumas provas de aferição para alguns anos de escolaridade. Poderá ser uma ótima ideia, mas também poderá merecer alguns momentos de reflexão por parte de todos nós, os que integram a comunidade educativa em particular, e os que fazem parte da sociedade em geral. Cada um é livre de ter a sua própria opinião sobre o mundo digital, mas não podemos nem devemos esquecer que o mundo real também é importante nas aprendizagens e na formação das novas gerações.

Uma dependência em demasia do digital pode não ser a melhor opção para crescer e se atualizar. O digital complementa e até pode solucionar muitas situações do quotidiano, mas não pode substituir aquilo que só o ser humano consegue revelar, o afeto, o sentimento, a emoção, a relação humana. Alguma atenção ao uso e elogio frequente de tudo o que é digital, em detrimento do humano, não será nunca demais, pois poderá evitar a desertificação de sentimentos na sociedade em que vivemos.

 Ao longo dos últimos anos, não podemos de modo algum ignorar o quanto o mundo tecnológico tem evoluído, e, em alguns casos, melhorado o nosso “modus vivendi”, mas também temos tido a oportunidade de verificar o quanto os hábitos do mundo real tem vindo a ser alterados e até mesmo esquecido. Há menos diálogo, mais stress, menos tempo para as pessoas, o que poderá influenciar todo um tipo de socialização que é necessária para viver e crescer saudavelmente.

Uma dependência exagerada das novas tecnologias, sobretudo em idades escolares, pode não contribuir para um desenvolvimento cognitivo e intelectual eficaz. Realizar aprendizagens de forma autónoma, através do computador ou telemóvel com ligação à Internet pode ser interessante, mas também pode levar a situações menos confortáveis para as famílias.

Estudos realizados por especialistas na área da psicologia, sociologia, educação, entre outros, confirmam que a exposição exagerada a um ecrã de telemóvel, ou mesmo de computador, pode trazer inconveniências, não só a nível físico, como também a nível psicológico, se não houver alguma orientação positiva e informada. Tudo deverá ser realizado com conta, peso e medida. Não é por mero acaso que foram criados meios para que os pais ou encarregados de educação consigam bloquear sites, jogos, ou outras aplicações menos adequadas, porque efetivamente podem interferir com o desenvolvimento intelectual e pessoal das crianças e dos jovens. À medida que vão crescendo, esta situação tende, naturalmente, a desaparecer, por motivos diferenciados. De qualquer forma estar atento ao evoluir de todas estas vivências é muito importante enquanto também responsáveis pela construção de um mundo melhor.

 Este tema é bem importante, atual e real, e é por isso que é bom estarmos todos informados do que é aceitável ou menos aceitável, relativamente à exposição exagerada aos ecrãs, de acordo com técnicos especializados nesta área. Então, até  aos 2 anos não é recomendado qualquer tempo no ecrã (telemóvel, tablets, consolas etc), salvo situações pontuais de ligação aos familiares que estão longe. Dos 2 aos 5 anos, o tempo de exposição não deverá ser superior a 1 hora. Dos 5 aos 17 anos, o tempo de exposição não deverá exceder as 2 horas, sem contar com o tempo de trabalhos na escola. Temos a noção de que os jovens e crianças de hoje utilizam os ecrãs muito mais tempo do que o recomendado. De qualquer forma, tendo como base esta pequena informação, estaremos mais aptos a promover hábitos mais saudáveis de aprendizagens e entretimento que contemplem mais a vida real, onde se premeia a socialização, as relações humanas, os sentimentos e as emoções. Não se pretende de forma alguma minimizar ou mesmo rejeitar o papel das novas tecnologias, do virtual, no mundo de hoje, em especial na comunidade educativa, apenas se pretende lembrar que, como humanos que somos, vivemos num mundo bem real.

Bom estudo.

Goretti Valente
Artigo da edição de junho do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>