JMJ Lisboa 2023, um grande estímulo para a cooperação

A cooperação e o legado de uma Jornada Mundial da Juventude fazem dela um evento único para o país e para a cidade anfitriã. A JMJ Lisboa 2023 vista por Murillo Missaci, um jovem brasileiro colaborador do Jornal da Família.

Eventos de grandes dimensões como a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) representam para as cidades e países anfitriões não só uma grande honra, mas também uma grande responsabilidade, pois requerem adequada preparação e uma organização minuciosa. Como sabemos, o Comité Organizador Local da JMJ conta com o essencial apoio da Presidência da República, do Governo e das Câmaras Municipais de Lisboa e de outros municípios diretamente envolvidos no decorrer desse prestigioso evento. Essa especial cooperação estende-se muito além das instituições oficiais, porque a inteira sociedade portuguesa participa, direta ou indiretamente, na sua preparação: trata-se, portanto, de uma excelente oportunidade para unir os diversos setores da sociedade e usufruir do que eles têm de melhor.

Embora alguns subestimem ou critiquem a organização da JMJ em Portugal, não se deve nunca ignorar os resultados positivos que ela tem trazido, que ainda trará, e o importante legado que deixará em Lisboa. Além da importante mensagem de diálogo e reflexão espiritual, que é a característica fundamental das JMJs, a ocorrência em Lisboa contribui para promover Portugal como um país acolhedor e como um atrativo destino turístico e de peregrinação. Nesse sentido, é especial testemunhar o empenho das famílias em receber os peregrinos e também o das empresas e instituições privadas, dos mais diversos setores da economia, a preparar-se e a adaptar-se a uma demanda de serviços muito acima do normal. A necessária melhoria dos mecanismos logísticos e de segurança também é um reflexo importante dessa organização.

A JMJ e Lisboa serão o palco onde se mostrará essa cooperação transversal da sociedade portuguesa. Que os seus bons resultados permaneçam depois da conclusão desse grandioso evento também, de modo que continue a servir de estímulo para o diálogo sadio e frutuoso entre todos os portugueses, envolvendo as esferas pública e privada em todos os seus níveis, transmitindo a importância da mútua compreensão.

Murillo Missaci
missacimb@gmail.com
Artigo da Edição de julho de 2023 do Jornal da Família

Foto: JMJ Lisboa 2023

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

A sabedoria que parte do coração humano

“Neste tempo que corre o risco de ser rico em técnica e pobre em humanidade, a nossa reflexão só pode partir do coração humano”. É com este pressuposto que Francisco alerta para as potencialidades e perigos da comunicação num mundo cada vez mais complexo da inteligência artificial.

Ler Mais >>

Construímo-nos na relação

Contruímo-nos na relação e a construção da identidade tem uma dimensão relacional e uma dimensão singular. Como cristãos somos chamados a viver a dimensão de Igreja mas também de cidadania e a esperança cristã deve ser testemunhada na vida de cada um mas também na relação com os outros. Ideias saídas do II Fórum Família.

Ler Mais >>

Vinde Espírito Santo!

No contexto do Mistério Pascal, Furtado Fernandes evoca a vinda do Espírito Santo para renovar mentalidades e comportamentos, num mundo dilacerado pelos horrores da guerra.

Ler Mais >>