Novamente a escola – mais desafios

Proibir ou não o uso do telemóvel na escola. O assunto está na ordem do dia e é também um dos temas que Goretti Valente analisa num artigo sobre o regresso às aulas, onde deixa alguns conselhos a Pais e Encarregados de Educação.

Para muitos é o começo de uma nova caminhada, aprender a ler e a escrever, conhecer novos amigos, novas realidades e novos projetos. Para outros é um reencontro com os amigos, com os professores e com as rotinas de aprendizagem, aquelas que, mais tarde, lhes irão proporcionar uma escolha consciente na atividade profissional a seguir. Para todos haverá alguma alteração nas rotinas e nas preocupações. Redesenhar o quotidiano, conciliando horários e atividades, requer tempo, paciência e bom senso. Também é uma época de grande aproximação e interligação familiar, pois todos são importantes na tarefa de educar. Cada um, de acordo com as caraterísticas que lhe são inerentes, tem o seu lugar e valor nesta caminhada. A família é a primeira escola! A Educação não se pode rever nem projetar apenas na aquisição de conhecimentos científicos, deve ter em conta a formação humana como um todo, onde as atitudes e valores, treinadas e adquiridas em casa, representam um papel muito importante. 

Todos os anos são anos diferentes, claro! Todos os anos existem realidades novas e melhoramentos a projetar. Crescer saudavelmente é o grande objetivo. Família e Escola são a parceria ideal para um crescimento robusto dos jovens, enquanto seres humanos, construtores e responsáveis por uma sociedade vindoura melhor, onde todos se sintam acolhidos e felizes. Para muitos, poderá ser uma utopia, mas temos que projetar este sonho neles e incutir-lhes a necessidade de um bem-estar mundial.

 Neste regresso à Escola seria bom que os Pais e Encarregados de Educação não esquecessem alguns conselhos importantes, já abordados em artigos anteriores, e que continuam a estar atualizados, como por exemplo: o peso das mochilas, a importância da alimentação e do sono, as companhias, o acompanhamento do estudo e com toda a certeza o uso do telemóvel. Quanto a este, começam a ser relatados com mais persistência, factos que comprovam quão importante é saber usá-lo comedidamente. Uma utilização em demasia não só afeta a parte cognitiva, como também a parte emocional e comportamental. Leva muitas vezes à indisciplina e falta de motivação pelo estudo, ao mesmo tempo que permite tomar conhecimento de conteúdos inapropriados e mesmo estabelecer ligação com desconhecidos. Levar para a escola o telemóvel tem vindo a ser, até mesmo internacionalmente, motivo de reflexão por parte das escolas. Como forma de estar mais perto da família, caso seja necessário obter alguma informação, é aceitável. Usar constantemente nos intervalos das aulas (recreios) e dentro das salas de aulas, em disciplinas que não necessitam do seu uso, altera por completo o ambiente de estudo, provocando uma agitação inexplicável, um isolamento que não se pretende, desmotivação, criação de grupos específicos, e por vezes atitudes de indisciplina.

O seu uso e utilização depende do regulamento de cada escola. Algumas escolas já proibiram, outras não. Aguardemos, então, o procedimento de cada uma, face às mais recentes informações. Em casa, os pais podem perfeitamente abordar este tema e refletir sobre os seus efeitos a nível escolar e não só. Nem imaginam o contributo que  dão para uma Escola melhor. Quando em casa alguns temas mais controversos e difíceis de aceitar já são abordados em família, é mais fácil a implementação de regras na escola. Este é um deles. Uma simbiose perfeita entre família e escola vale muito mais que mil palavras, mil palestras, mil reflexões. É um exemplo.

 Aos Pais e Encarregados de Educação entendo por bem lembrar que devem continuar a ir à escola saber dos vossos filhos, devem tentar estar presentes nas reuniões convocadas pelo diretor de turma, precisam de colaborar nas atividades alargadas à família, e sobretudo não devem deixar de colocar as vossas preocupações aos professores e acompanhar o estudo. Pequenos gestos com grandes resultados. Esta comunhão é imprescindível para o bem de todos.

 Bom Ano Escolar e Boa Cooperação.

Goretti Valente
Artigo da edição de outubro de 2023 do Jornal da Família

Foto: Shutterstock

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>