O Botãozinho é finalista do “Bairro Feliz” e precisa da sua ajuda

Até ao dia 25 de novembro, sempre que vá ao Pingo Doce da Riviera, em Carcavelos, e obtenha “Uma Moeda Bairro Feliz” deposite-a na caixa com a letra “A”. Está a ajudar as crianças do Botãozinho a adquirir material informático.

O Botãozinho, Centro de Cooperação Familiar em Carcavelos, candidatou-se ao programa “Bairro Feliz”, um programa de responsabilidade social das lojas Pingo Doce que já vai na 3ª edição. Mas para ganhar precisa da ajuda de todos os seus “vizinhos”.

Em cada ano, as comunidades de cada bairro, onde existe uma loja Pingo Doce, podem apresentar ideias que promovam um impacto positivo na vizinhança e contribuam para o bem-estar dos seus moradores.

As crianças do equipamento social O Botãozinho, que há longos anos trazem muita alegria à vizinhança do bairro, resolveram candidatar-se ao programa “Bairro Feliz” para adquirir equipamentos informáticos.  

Depois da análise e validação das candidaturas, a ideia apresentada pelo Botãozinho  é uma das ideias finalistas e é aqui que conta com a ajuda de todos para poder ganhar o apoio do programa “Bairro Feliz”. É que são os clientes de cada loja Pingo Doce, enquanto membros da comunidade, que vão votar na ideia preferida.

Na loja Pingo Doce do Riviera, a loja do bairro onde está inserido O Botãozinho, já foram colocadas à votação da comunidade as ideias finalistas a concurso. A ideia apresentada pelo Botãozinho corresponde à caixa com a Letra “A”. O dia da abertura contou com a alegria das crianças deste equipamento social e com a simpatia da loja Pingo Doce que lhe ofereceu algumas guloseimas.

Até ao dia 25 de novembro, sempre que vá ao Pingo Doce da Riviera e realize uma compra igual ou superior  a 10 euros recebe “Uma Moeda Bairro Feliz” para poder votar na sua causa favorita. Mas não se esqueça de colocar todas as moedas na caixa com a letra “A”. A letra “A” de AMOR, AMIZADE, AMIGO. Assim está a contribuir para que o Botãozinho consiga os tão desejados equipamentos informáticos.

Juntos, queremos fazer bairros e crianças felizes.

O Botãozinho

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>