Caminhar juntos e escutar

A sinodalidade, tão falada por estes dias, devido à realização do Sínodo dos Bispos, é também um exercício que deve ser feito no dia a dia, na relação com o outro. Murillo Missaci explica porquê e como.

Nos dias do Sínodo ouvimos com frequência sobre a importância da sinodalidade, ou seja, do caminhar juntos como iguais na e com a Igreja, e da importância de praticar a escuta, ao dar voz a quem não tem e dar atenção ao que essa voz diz.

Muitas vezes, encontramo-nos no meio de aflições, dificuldades e preocupações, e pode até mesmo parecer que esses sentimentos são ignorados por todos ao nosso redor. Efetivamente, nota-se um crescente “resfriamento” das relações sociais, já que as pessoas estão a fechar-se cada vez mais, pelo simples facto de terem medo de falar sobre os seus medos, ou pelo medo de serem incompreendidas, julgadas ou ignoradas.

Nesse sentido, percorrer um caminho de vida sinodal, até mesmo fora da Igreja, pode ser uma solução para muitos dos nossos problemas quotidianos. Quando possível, devemos tentar escutar melhor aqueles que estão à nossa volta, pois podem estar silenciosamente a pedir ajuda, e necessitam de ser escutados. O simples facto de escutar pode abrir novos horizontes ao nosso modo de ver as pessoas, as ideias e a vida, já que cada indivíduo tem um mundo inteiro dentro de si. Ao escutar os outros, podemos refletir também sobre nós mesmos e assim compreender que podemos partilhar problemas e preocupações que podem ser resolvidos ao caminhar juntos.

Mas, certamente, o caminho sinodal não significa somente unir-se na caminhada durante os momentos difíceis. Esse processo significa dialogar entre iguais também, propondo ideias e opiniões, identificando o que pode ser melhorado, e concordando sobre o que já é suficientemente bom como é. É preciso dar impulso à empatia, à conversa, ao contacto real ao invés do virtual, para evitar que nos tornemos máquinas. Ao refletir sobre essa questão, penso muito no papel das artes, que são um dom único partilhado por toda a humanidade. Todas as culturas do mundo têm um ou vários modos de expressar-se através da música, da pintura, da literatura, das danças, e assim por diante. Infelizmente, às vezes tenho a impressão de que muitas pessoas já não sabem mais como apreciar esse dom, ou já não o conseguem mais apreciar.

Ao concluir a minha breve reflexão deste mês, reconfirmo a importância do conhecer-se reciprocamente, pois só assim conseguiremos escutar e acima de tudo compreendermo-nos uns aos outros, se possível utilizando “instrumentos” tão belos como a arte, que só tem a enriquecer as nossas relações humanas.

Murillo Missaci
missacimb@gmail.com
Artigo da edição de novembro de 2023 do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Cultura do descarte

“A cultura do descarte é uma das mais significativas sequelas do vírus do narcisismo”, escreve Furtado Fernandes num artigo que reflete sobre o provisório e o efémero que caracterizam a atualidade.

Ler Mais >>

Em Roma, uma Igreja que fala português

Uma eucaristia em Roma para fazer memória das virtudes heroicas do Pe. Alves Brás deu o mote à rubrica mensal de Cristiano Cirillo pela beleza da espiritualidade em viagem. Por entre a vida e Obra do Fundador da Família Blasiana, ficamos a conhecer a Igreja de Santo António dos Portugueses em Roma.

Ler Mais >>

Padre Joaquim Alves Brás celebrado em Roma

Com os olhos postos no centenário da sua ordenação sacerdotal, o Pe. Alves Brás foi celebrado em Roma por ocasião das datas do seu nascimento e morte. A Igreja de Santo António dos Portugueses acolheu a celebração eucarística e Murillo Missaci conta-nos os pormenores.

Ler Mais >>

Celebrar e fazer acontecer o novo e a novidade

Num tempo de interpelações e desafios constantes “não nos podemos esquecer deste recomeço, desta novidade e deste novo que cada Páscoa nos lembra e volta a fazer acontecer”, diz-nos Juan Ambrosio na sua crónica mensal para o Jornal da Família.

Ler Mais >>