E depois da pandemia?

“A sociedade está cansada e não tem tempo”, afirma Cristiana Moreira numa reflexão sobre a empatia, ou a falta dela, num tempo em que as vidas voltaram a ser “engolidas pela rotina”.

No decorrer da tão recente e já esquecida pandemia por COVID-19, fomos obrigados a mudar a nossa forma de estar e viver em sociedade. Todos nós vivemos as consequências da doença, não só diretamente na saúde pessoal ou a de familiares e amigos, mas também indiretamente pela transformação que o nosso contexto laboral e social sofreu. Regras, distanciamento, quarentena. Pareciam ser todos eles ingredientes para a solidão e para o desinvestimento nas relações interpessoais. O tempo quase parou para muitos de nós, com trabalhos em suspenso, encontros desmarcados, portas de casa fechadas. Abriram-se, no entanto, janelas. A janela para o vizinho com quem nunca falámos, para olhar o céu com a calma que não costumamos ter, para cumprimentarmos quem traz as compras à porta de casa, para nos sentarmos na varanda e vermos fotografias da família com quem não estamos há alguns anos, de rezar a oração que a avó nos ensinou. A empatia voltou a ser o que não é nas vidas engolidas pela rotina. 

Estamos agora já a alguns meses do considerado fim da pandemia. E, olhando à minha volta, temo que a empatia criada se possa ter finado com ela. Antes queríamos dar sorrisos mas eram impedidos pelas máscaras; agora não temos máscaras mas também já quase não temos sorrisos. A sociedade está cansada e não tem tempo. Mas sorrir ao vizinho enquanto se abre a porta de casa demora o mesmo tempo que não o fazer; por cumprimentar o empregado que nos serve o café todas as manhãs não pagamos a mais na conta; ligar à família enquanto se caminha para o trabalho ou agradecer em oração o regresso a casa dão, provavelmente, ânimo para o resto do dia. A empatia é o único meio de ainda nos compreendermos. De compreendermos que só seremos capazes de ser individualmente, sendo em conjunto. 

Cristiana Moreira
Artigo da edição de novembro de 2023 do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Um novo ano político muito importante

Em 2024, mais de 60 países vão a votos, entre os quais Portugal. Murillo Missaci reflete sobre a necessidade de envolvimento dos jovens na política “de uma forma ativa, informada, crítica e responsável, tendo como referência a sua fé, a sua identidade e sua missão como cristãos”.

Ler Mais >>

Silêncio, por favor!

Os “ruídos de um mundo anónimo” são o tema de reflexão de Ana Medina sobre a quantidade de informação que nos chega sem que a “tenhamos pedido”.

Ler Mais >>

Veneza, uma história entre ocidente e oriente

O pretexto para esta viagem foi o Carnaval, mas o encanto não se ficou pelas máscaras de Veneza. A icónica praça e Basílica de São Marcos captaram a atenção de Cristiano Cirillo que nos leva numa viagem pela história deste templo.

Ler Mais >>

Promover a leitura compete a todos nós

Saber ler não significa apenas juntar letras de forma a articular palavras. Ler implica, também, “interpretar” e “compreender”. O último relatório Pisa diz-nos que nestas questões Portugal baixou o seu nível. O mote para a reflexão da professora Goretti Valente.

Ler Mais >>