Greccio, a origem do Presépio – Uma História sempre Nova…

Qual a origem do presépio? Onde e como começou esta tradição que se espalhou pelo mundo cristão? Foi há 800 anos e Cristiano Cirillo “viaja” até ao século XIII e conta-nos toda a história.

O nascimento de uma criança é sempre um momento de alegria, júbilo e ternura. Com o aproximar do Natal, celebramos precisamente o nascimento de um bebé que nasce numa manjedoura, ao frio, mas rodeado do calor e do amor da família.

Celebramos todos os anos o nascimento do Redentor com uma representação de pequenas estátuas de gesso, terracota ou resina, representando os pastores, Jesus, José e Maria: o Presépio. Mas, qual é a origem do primeiro presépio? A tradição de fazer o presépio teve origem em Itália, na noite de Natal, 24 de dezembro de 1223 (celebram-se este ano os 800 anos). São Francisco de Assis, na pequena aldeia de Greccio, perto de Roma, declarada uma das mais belas aldeias de Itália, criou a primeira representação da Natividade, depois de ter obtido autorização do Papa Honório III. A intenção era ver com os próprios olhos, e sentir com os próprios sentimentos, as dificuldades vividas pelo recém-nascido em Belém, nascido numa manjedoura e colocado sobre palha, aquecido apenas pelo hálito de um boi e de um burro. Um fiel amigo de São Francisco ouviu o seu pedido e foi à procura dos materiais necessários. Para o dia da alegria foram convocados muitos frades de várias partes, e das aldeias chegavam pessoas alegres com tochas na mão, iluminando aquela bela noite. Todos corriam para ver o que estava a acontecer. Chegaram o boi e o burro, o Menino foi colocado na gruta sobre a palha, e nessa cena tremendamente simples, mas rica de significado, o nascimento de Jesus foi encenado pela primeira vez. Assim, nasceu o primeiro presépio vivo da história, que é encenado ininterruptamente há oito séculos em Greccio.

A aldeia é constituída por umas dezenas de casas, uma rua principal, duas igrejas e uma praça, e o belo santuário situado no cume de um rochedo. Uma escadaria escavada na rocha conduz ao santuário, onde a vista é deslumbrante. Chega-se a uma espécie de pequena praça onde se encontra a igreja, a gruta do presépio e a parte mais antiga do santuário que é constituída pelo dormitório, formado por um corredor de madeira com uma fila de celas, onde uma pequena cruz indicava na parede, o lugar que cada frade devia adotar para descansar. Aqui está também a cela de São Francisco, esculpida na rocha.

Para além de ser o local de nascimento do primeiro presépio, o santuário alberga uma extraordinária coleção de presépios de todo o mundo e de todos os materiais. Aqui respira-se o ar de Natal, uma época para viver em família, rodeado de amor e calor familiar, celebrando a Vida. E o presépio é uma bela mensagem de família, cheio de esperança, porque o nascimento de uma criança é uma nova luz que pode mudar o mundo.

Os melhores votos de um Feliz Natal para todos os leitores.

Cristiano Cirillo
circri@libero.it
Artigo da edição de dezembro de 2023 do Jornal da Família

 

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Papa denúncia solidão e abandono dos idosos

“Muitas vezes me sucedeu, como bispo de Buenos Aires, ir visitar lares de terceira idade, dando-me conta de como raramente recebiam visitas aquelas pessoas: algumas, há muitos meses, não viam os seus familiares”. Papa denúncia a solidão e o abandono dos mais velhos na mensagem para o IV Dia Mundial dos Avós e Idosos.

Ler Mais >>

Não te abandonarei!

No próximo dia 28 de julho assinala-se o IV Dia Mundial dos Avós e dos Idosos. Na mensagem para este dia, o Papa Francisco denuncia a solidão e o abandono dos mais velhos. Juan Ambrosio pega na mensagem do Papa para nos lembrar que avós e idosos “não são só o passado, são também o presente que nos pode dar a garantia de um futuro mais humano”.

Ler Mais >>

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>