Janeiro: sob a proteção de Maria

Neste início de ano, Cristiano Cirillo leva-nos numa viagem até Valência para nos falar da Basílica de Nossa Senhora dos Desamparados mas também da Solenidade da Mãe de Deus que a Igreja celebra a 1 de janeiro. Uma viagem repleta de espiritualidade e beleza.

O mês de janeiro começa com uma Solenidade importante: o dia dedicado à Mãe de Deus. Este dia está associado ao Dia Mundial da Paz, concebido pelo Papa São Paulo VI em 1968 para invocar o dom da paz no primeiro dia do ano.

O dogma da Mãe de Deus, por outro lado, foi proclamado no Concílio de Éfeso, no ano 431, onde se afirmou a natureza humana e divina da única pessoa do Verbo em Jesus Cristo e, por conseguinte, a maternidade divina de Maria. A liturgia estava ligada ao dia do Natal e o dia 1 de janeiro, era chamado “in octava Domini“, em memória do rito da circuncisão realizado, oito dias após o nascimento de Jesus.

Durante as minhas viagens, estive em Valência, onde tive a oportunidade de visitar uma bela basílica situada na Plaza de la Virgen, em pleno centro histórico. A praça, acolhe três dos edifícios mais emblemáticos de Valência: a catedral, a Basílica de Nossa Senhora dos Desamparados, padroeira da cidade e da Comunidade Autónoma de Valência e mãe dos que procuram refúgio, e o Palácio da Generalitat.

        

A Basílica é o principal edifício religioso construído entre 1652 e 1667 por Diego Martínez Ponce de Urrana e é considerado um dos monumentos mais importantes da cidade. É a primeira obra barroca nova e alberga a venerada estátua da Virgem dos Desamparados. Em 1981 foi declarada Monumento Histórico Artístico Nacional e a sua estrutura interna é de forma circular e de grande beleza visual. Apresenta três aspetos significativos: 1) É a única igreja do centro histórico que não se ergue sobre antigas paróquias ou conventos, sendo, portanto, uma obra nova; 2) Ao observar a fachada, nota-se a disparidade espacial da cúpula, que não se encontra no centro da Basílica, mas mais perto da Catedral, à qual está ligada por uma passagem chamada Arco Novo; 3) A presença da capela dedicada à Virgem, elemento muito significativo do Barroco, é uma das primeiras conhecidas em Espanha. A Virgem é representada com um lírio numa mão e o Menino Jesus com a cruz nos braços. Quando se entra nesta basílica, sente-se a forte devoção à imagem sagrada, que é considerada milagrosa.

Parei para admirar a beleza que envolve este lugar, as pinturas e a Virgem. A beleza eleva a alma e exulta o espírito. E é por isso que começo um novo ano com uma oração a Maria, mãe de Deus, dos Desamparados e Senhora da Paz.

Cristiano Cirillo
circri@libero.it
Artigo da edição de janeiro de 2024 do Jornal da Famíli

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Sinais de esperança, sinais proféticos

Não basta apelar à esperança, há que ser testemunha e agente dessa esperança. “O texto da Bula de Proclamação do Jubileu 2025 identifica alguns sinais de esperança que, neste momento, é urgente protagonizar”, afirma Juan Ambrosio que nos guia pelo itinerário traçado pelo Papa Francisco.

Ler Mais >>

A caminho de El Rocío

Cristiano Cirillo passou por terras da Andaluzia e não podia deixar de peregrinar à Romaria da Virgem de El Rocío. Um olhar atento à história, à devoção mariana que ali se vive e a toda a festa que envolve a peregrinação.

Ler Mais >>

Dia dos Irmãos

“Se não formos fraternos, não somos humanos”, escreve a Comissão Episcopal do Laicado e Família na mensagem para o Dia dos Irmãos que se celebra a 31 de maio.

Ler Mais >>