Para que serve a fé?

“Para que serve a fé?”, pergunta Juan Ambrosio. O texto não dá respostas, mas convida a pensar e a refletir.

Para que serve a fé? A pergunta pode parecer estranha e para muitos até pode soar mal, mas a verdade é que ela, formulada deste modo ou mais provavelmente de outros, acaba sempre por ser colocada, mesmo que não seja de uma maneira explícita.

Se pensarmos bem, a pergunta torna-se até necessária se quisermos assumir a fé em todas as suas dimensões e implicações.

É verdade que para assumirmos as coisas não temos de reduzir tudo à nossa razão e à nossa capacidade de entender. Por vezes, mesmo, o querer compreender tudo pode imobilizar-nos impedindo-nos de tomar decisões que, de uma maneira ou de outra, sabemos necessárias. Aliás, se tivéssemos de compreender tudo no âmbito da fé para podermos assumir essa atitude, a verdade é que jamais a assumiríamos, pois a fé abre-nos sempre para uma realidade que não pode ser reduzida à nossa capacidade de conhecer. Se assim fosse, temos de concordar que a fé correria o risco de ser demasiado pequena e de horizontes muito curtos, porque claramente limitada às nossas capacidades.

Mas dito isto, temos de afirmar com toda a clareza que aquilo que não é minimamente assumido e entendido pela nossa inteligência, acaba por não marcar, de verdade, a nossa vida, ou se a marca, acaba por fazê-lo de uma maneira que não somos minimamente capazes de controlar. Sem se reduzir à nossa capacidade de entendimento a fé tem, no entanto, que ser pensada e refletida. Só assim, julgo eu, pode estar verdadeiramente à altura do ser humano, porque percebemos como pode marcar e influenciar o nosso viver; e também só assim pode estar à altura de Deus, porque percebemos que ela não se esgota nas nossas possibilidades, mas é dom recebido por parte daquele que gratuitamente nos ama.

Só neste encontro entre o dom que nos é dado gratuitamente, e do qual não somos donos, e a resposta livre, que nos compromete, pode a fé impactar na nossa vida e na nossa história transformando-as e abrindo-as a novos horizontes e possibilidades.

E é exatamente para destacar esta realidade que sublinho a importância da pergunta. É que a fé cristã, para verdadeiramente ser fé e ser cristã, não pode ficar reduzida a uma mera afirmação intelectual, ou a uma declaração de princípios, tendo de ser antropologicamente significativa, ou seja, tem de marcar de um modo significativo e concreto o viver daqueles que se dizem crentes. Na verdade, todos sabemos como a não concretização desse significado acaba por fragilizar a própria fé: afinal porque não se distinguem no seu modo de viver aqueles que se dizem cristãos? Todos sabemos, igualmente como esta interrogação nem sempre, infelizmente, é injusta e desprovida de sentido.

Se a pergunta que encabeça estas linhas acaba por revelar-se importante, a resposta que lhe dermos não o será, certamente, menos. Dela depende também, e disso estou cada vez mais convencido, o futuro que queremos construir como comunidade humana. Neste ano de 2024 teremos certamente muitas oportunidades para, de um modo concreto, dar essa resposta.

Juan Ambrosio
juanamb@ucp.pt
Artigo da edição de fevereiro de 2024 do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Papa denúncia solidão e abandono dos idosos

“Muitas vezes me sucedeu, como bispo de Buenos Aires, ir visitar lares de terceira idade, dando-me conta de como raramente recebiam visitas aquelas pessoas: algumas, há muitos meses, não viam os seus familiares”. Papa denúncia a solidão e o abandono dos mais velhos na mensagem para o IV Dia Mundial dos Avós e Idosos.

Ler Mais >>

Não te abandonarei!

No próximo dia 28 de julho assinala-se o IV Dia Mundial dos Avós e dos Idosos. Na mensagem para este dia, o Papa Francisco denuncia a solidão e o abandono dos mais velhos. Juan Ambrosio pega na mensagem do Papa para nos lembrar que avós e idosos “não são só o passado, são também o presente que nos pode dar a garantia de um futuro mais humano”.

Ler Mais >>

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>