Um novo ano político muito importante

Em 2024, mais de 60 países vão a votos, entre os quais Portugal. Murillo Missaci reflete sobre a necessidade de envolvimento dos jovens na política “de uma forma ativa, informada, crítica e responsável, tendo como referência a sua fé, a sua identidade e sua missão como cristãos”.

2024 será um ano de grandes oportunidades e riscos para os jovens, pois teremos a chance de influenciar o futuro do mundo através do voto e da participação política, já que organizar-se-ão eleições em mais de 60 países. No entanto, para isso, enfrentaremos vários desafios específicos, que variam de acordo com o contexto de cada país e região.

Em Portugal, e também no contexto da União Europeia, teremos de nos posicionar sobre questões como a integração europeia, a migração, o populismo, o nacionalismo, o terrorismo, a proteção ambiental e os direitos humanos. Nos Estados Unidos, os jovens terão de escolher entre duas visões opostas de país, que se refletem nas candidaturas de Joe Biden e Donald Trump, que disputam a reeleição. No Brasil, onde se vão realizar eleições municipais, é preciso enfrentar a crise política, social, económica e ambiental que se agravou nos últimos anos, considerando questões como a corrupção, a violência, a educação, a saúde, a desigualdade, a Amazónia e os direitos humanos. Votar-se-á também na Rússia, na Índia, no Irão, no México, no Reino Unido, na Ucrânia e na África do Sul, entre muitos outros países importantes.

Todos estes países e regiões têm algo em comum: a necessidade de os jovens se envolverem na política, de forma ativa, informada, crítica e responsável, tendo como referência a sua fé, a sua identidade e a sua missão como cristãos também. Como católicos, devemos discernir quais são os valores e princípios que devem orientar as nossas escolhas políticas, tendo em conta a doutrina social da Igreja, que defende a dignidade da pessoa humana, o bem comum, a solidariedade, a proteção da casa comum, a democracia e a paz. Testemunhamos a nossa fé no meio de sociedades cada vez mais secularizadas e pluralistas, que muitas vezes ignoram ou rejeitam as contribuições da religião para a vida pública. Nalguns destes países, os católicos representam uma minoria, que sofre até mesmo repressão e perseguições.

Como disse o Papa Francisco no Brasil em 2013, os jovens devem ser “protagonistas da mudança”, “construtores dum mundo melhor” e “missionários da alegria do Evangelho”. Somos os que mais sofrem com os problemas atuais, como o desemprego, a pobreza, a desigualdade, a violência, a discriminação, a falta de oportunidades e de participação. Por isso, temos o direito e o dever de nos envolvermos na política, de nos informarmos, de nos manifestarmos, de nos organizarmos e de votar.

Murillo Missaci
missacimb@gmail.com
Artigo da edição de fevereiro de 2024 do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>