A terapia da fala nas escolas está a aumentar. Como prevenir? Como melhorar?

Dificuldades em articular palavras e sons e, em alguns casos, dificuldades em formar frases têm aumentado os pedidos de aulas de apoio de terapia da fala para alunos do primeiro ciclo. Goretti Valente fala das causas deste problema e das formas de o mitigar.

O desenvolvimento da linguagem nas crianças é um fator primordial para comunicar e considerar-se um membro ativo do núcleo familiar ou escolar onde se encontra inserida. À medida que vai crescendo, a criança vai imitando os sons e articulando as palavras ou expressões. A maior parte delas reage muito bem e com muita alegria a esta fase de crescimento e integração. Aprende com a família, com os amigos, colegas, educadores e professores. A leitura, que acontece posteriormente, é um fator muito importante para este crescimento linguístico e continua a ser um momento de grande alegria e curiosidade. Um livro é um amigo. Ler é uma paixão e um desafio constante. Verifica-se algum decréscimo nesta euforia quando entram no ensino secundário e a leitura torna-se uma obrigação porque faz parte de um conteúdo programático. O gosto pela leitura é uma caminhada, com itinerários diferentes, de acordo com as caraterísticas de cada um. Mas é importante ler!

 Os alunos têm vindo a apresentar algumas dificuldades na expressão oral aquando da apresentação das suas dificuldades ou pensamentos ou de temáticas propostas pelas várias disciplinas de estudo. Para alguns, expor ou explicar não é fácil. Os mais crescidos relatam que falam pouco e quase sempre dos mesmos temas. Preferem as mensagens, pois não necessitam de frases tão organizadas, nem de grandes textos. Os mais jovens ainda não se apercebem muito bem desta realidade e do quão importante é comunicar, mas referem algumas vezes que em casa falam pouco porque às vezes não têm com quem ou preferem jogar no computador. O mais curioso é que esta realidade é, muitas vezes, confirmada pelos pais ou encarregados de educação.

 Neste momento tem-se verificado um aumento do pedido de aulas de apoio de terapia da fala, para alunos do primeiro ciclo, por se verificar que têm dificuldade em articular algumas palavras e sons e, em alguns casos, formar frases. Naturalmente que esta situação vai interferir com a aprendizagem, logo, é importante que seja avaliada, atempadamente. Como podemos resolver, atenuar ou prevenir esta situação? Não é fácil, mas podemos tentar fazer alguma coisa, mudando algumas rotinas ou atitudes, promovendo uma maior interação linguística, estimulando a repetição de novos sons ou novas palavras, proporcionando um maior convívio, elogiando a importância da fala e da linguagem como fatores de crescimento e de comunicação.

Percebemos e compreendemos que, depois de um dia de trabalho, muitas vezes extenuante, os encarregados de educação precisam de algum silêncio e paz, mas não seria nada desoportuno promover uma simples conversa de modo a que a criança ou jovem pratique a arte de bem falar, sem qualquer tipo de receio, pois o ambiente familiar proporciona, ou deve proporcionar, um pouco mais de confiança. Esta atitude, este bocadinho de conversa, pode prevenir grandes problemas de futuro a nível escolar e social.

A fala permite comunicar os nossos sentimentos e emoções, e, deste modo, não nos sentirmos sozinhos. Promover, fomentar e desenvolver a fala nas crianças é colaborar na construção de seres humanos melhores, porque conhecedores da importância de um instrumento fundamental de crescimento salutar.

Conversar é ,então, uma terapia a praticar.

Goretti Valente
Artigo da edição de março de 2024 do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>

Caneta ou teclado

A crescente digitalização chegou também à escrita e o teclado e o ecrã tomaram o lugar da caneta e do papel. Mas a escrita manual, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade, tem um papel primordial no processo de aprendizagem da criança. A professora Goretti Valente explica porquê.

Ler Mais >>

Desafios da adoção

A adoção é sempre um desafio, mas o desafio torna-se ainda maior na adoção de crianças mais velhas, o que leva os pais adotantes a preferir crianças ainda bebés. Furtado Fernandes relata um caso de adoção de dois irmãos, com mais de 6 anos, que contraria a ideia que a adoção de crianças mais velhas é mais problemática.

Ler Mais >>