Desenvolvimento pessoal

“O desenvolvimento conjugal implica, para ser efetivo, o desenvolvimento pessoal de cada um dos cônjuges”, afirma Furtado Fernandes num artigo em que inúmera algumas recomendações capazes de ajudar o casal no desenvolvimento pessoal/conjugal.

O desenvolvimento conjugal implica, para ser efetivo, o desenvolvimento pessoal de cada um dos cônjuges.

Estes processos devem ser convergentes, requerendo o empenhamento de ambos os membros do casal.

É indispensável que cada um não se deixe entorpecer pela rotina e, desse modo, assuma o compromisso de promover a melhoria sustentada da qualidade do relacionamento.

Por vezes diz-se que “está tudo bem”, porque dá menos trabalho…

Trata-se de um logro que, mais tarde ou mais cedo, se pagará com um preço acrescido.

Desejavelmente devem detetar-se, quanto mais cedo melhor, sinais que possam indiciar o desencadear de uma crise.

Neste sentido apresentam-se, seguidamente, algumas recomendações de modo que o exercício de certas características pessoais, em si mesmo positivas, não sejam, pelo seu exacerbamento, obstáculos ao desenvolvimento pessoal/conjugal:

  • Para que o rigor não “vire” perfecionismo:
    • Não rumine sobre os erros do passado, valorize o que conseguiu atingir de positivo;
    • Gira de forma adequada as suas expectativas; se for excessivamente exigente criará condições para ficar frustrado.

  • Para que a solicitude não “vire” paternalismo:
    • Saiba dizer “não”;
    • Assegure-se que os outros querem os seus conselhos.

  • Para que a eficiência não “vire” ansiedade:
    • Treine-se a “desligar”;
    • Oiça as pessoas com atenção, não esteja a pensar logo no que vai dizer a seguir.

  • Para que a sensibilidade não “vire” melancolia:
    • Evite ampliar e interiorizar as críticas que lhe forem dirigidas;
    • Viva o presente, evite a nostalgia do passado e a fantasia de um futuro “maravilhoso”.

  • Para que a racionalidade não “vire” frieza:
    • Não tenha receio de aceder às suas emoções;
    • Diga aos outros que eles são importantes para si, mesmo que isso seja “lógico”.

  • Para que a prudência não “vire” pessimismo:
    • Programe-se positivamente. Sem descurar as ameaças, concentre-se, sobretudo, nas oportunidades;
    • Festeje os seus sucessos sem pensar, de imediato, nas próximas dificuldades.

  • Para que o otimismo não “vire” irrealismo:
    • Programe-se com realismo, não esqueça as ameaças;
    • Desconfie quando “for tudo facilidades”.

  • Para que a frontalidade não “vire” agressividade:
    • Tenha consciência que a sua franqueza pode chocar certas pessoas;
    • Treine-se a, por vezes, não dizer logo o que pensa.

  • Para que a diplomacia não “vire” indecisão:
    • Não amorteça o impacto das suas críticas – não peça previamente desculpa;
    • Perceba que há conflitos que não podem ser geridos em “ganhar-ganhar”.

Furtado Fernandes
j.furtado.fernandes@sapo.pt
Artigo da edição de junho de 2024 do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Papa denúncia solidão e abandono dos idosos

“Muitas vezes me sucedeu, como bispo de Buenos Aires, ir visitar lares de terceira idade, dando-me conta de como raramente recebiam visitas aquelas pessoas: algumas, há muitos meses, não viam os seus familiares”. Papa denúncia a solidão e o abandono dos mais velhos na mensagem para o IV Dia Mundial dos Avós e Idosos.

Ler Mais >>

Não te abandonarei!

No próximo dia 28 de julho assinala-se o IV Dia Mundial dos Avós e dos Idosos. Na mensagem para este dia, o Papa Francisco denuncia a solidão e o abandono dos mais velhos. Juan Ambrosio pega na mensagem do Papa para nos lembrar que avós e idosos “não são só o passado, são também o presente que nos pode dar a garantia de um futuro mais humano”.

Ler Mais >>

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>