Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Em Lucca, Itália, a Basílica de San Frediano guarda o corpo de Santa Zita, uma Santa com uma história muito interessante. Estive lá no Dia de Santa Zita, 27 de abril e, neste dia especial, toda a cidade está cheia de flores, todas as praças estão enfeitadas com flores das mais variadas cores e, na basílica, o corpo mumificado da Santa está exposto numa caixa transparente.

Mas quem era  Zita? Zita era uma rapariga nascida de uma família pobre numa pequena aldeia da província de Lucca, Monsagrati. Para ajudar a família, foi trabalhar como empregada doméstica em casa de uma família rica, no ano 1220, a família Fatinelli. Zita trabalhava e ajudava os pobres, guardando os restos de comida para os dar aos mais necessitados. A família onde trabalhava suspeitava de alguma coisa, sobretudo quando Zita dava esmola aos pobres que lhe batiam à porta. Um dia, ao sair de casa, o chefe da família Fatinelli perguntou-lhe o que levava no avental. Apesar de este, estar cheio de pão, ela respondeu que só levava flores e, quando abriu o avental, saíram muitas e belas flores multicolores. A festa realiza-se todos os anos em memória do milagre, na qual participam todos os viveiristas da Toscana, trazendo para Lucca as flores mais belas para decorar a cidade no dia dedicado à Santa Zita.

        

A Basílica é de estilo românico, com um esplêndido mosaico na fachada, representando a ascensão de Cristo, e a torre do sino é muito particular com várias janelas gradeadas e de três luzes.

Em 1955, o Papa Pio XII declarou Santa Zita ‘padroeira das empregadas domésticas e auxiliares da família’. Um carisma que anima a Obra de santa Zita e o Instituto Secular das Cooperadoras da Família (ISCF), fundados pelo Venerável Mons. Joaquim Alves Brás em 1932 e 1933, respetivamente.

Foi uma grande emoção visitar um lugar tão importante para o ISCF, principalmente pelo carisma que aqui vive, e é como que voltar às raízes. É um desafio aplicar, no dia a dia, o que a jovem Zita, com seu exemplo, fez pelos outros. Ela soube conciliar a ação, com a contemplação, a ação em ajudar os outros, a contemplação em ser serva de Deus. É uma luz, nos dias de hoje, que ilumina o caminho, de quem quer viver em Cristo.

Atenção caros leitores, antes das férias iremos a outro país, conhecer outra história, outro lugar, bonito, interessante e rico de espiritualidade. Até lá boas leituras…

Fotos e texto: Cristiano Cirillo
circri@libero.it
Artigo da edição de julho de 2024 do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Papa denúncia solidão e abandono dos idosos

“Muitas vezes me sucedeu, como bispo de Buenos Aires, ir visitar lares de terceira idade, dando-me conta de como raramente recebiam visitas aquelas pessoas: algumas, há muitos meses, não viam os seus familiares”. Papa denúncia a solidão e o abandono dos mais velhos na mensagem para o IV Dia Mundial dos Avós e Idosos.

Ler Mais >>

Não te abandonarei!

No próximo dia 28 de julho assinala-se o IV Dia Mundial dos Avós e dos Idosos. Na mensagem para este dia, o Papa Francisco denuncia a solidão e o abandono dos mais velhos. Juan Ambrosio pega na mensagem do Papa para nos lembrar que avós e idosos “não são só o passado, são também o presente que nos pode dar a garantia de um futuro mais humano”.

Ler Mais >>

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>