Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Foi a 11 de julho de 1987 que o contador mundial de população chegou aos cinco bilhões de pessoas, inspirando a ONU a criar este dia em 1989 e a comemorar anualmente esta efeméride. O objetivo é alertar para o planeamento e o desenvolvimento populacional e encontrar soluções para questões como acesso a cuidados de saúde e escassez de alimentos.

Assim como a população em geral, o número de católicos no mundo continua a aumentar. Em 2022, atingiu a marca de 1,390 mil milhões, representando um aumento relativo de 1,0% em relação ao ano anterior. Esse crescimento varia por continente: enquanto a África registra um aumento significativo de 3%, com o número de católicos subindo para 273 milhões, a Europa permanece estável, com 286 milhões de católicos. Situações intermediárias são as registradas na América e na Ásia, onde o crescimento de católicos é significativo (+0,9% e +0,6%, respetivamente), mas totalmente alinhado com o desenvolvimento demográfico desses dois continentes.

A Europa, especificamente, enfrenta o desafio do “inverno populacional”, caracterizado pela diminuição da taxa de natalidade e pelo envelhecimento da população. Isso ocorre devido a fatores como menor fertilidade, aumento da expetativa de vida e migração. Mas como é que a Igreja pode contribuir para evitar esse processo? Pois bem, ela pode defender e promover a importância da família como base da sociedade ao incentivar políticas fundamentais que apoiem a maternidade, a paternidade e a estabilidade familiar, além de advogar por políticas que facilitem a conciliação entre trabalho e família e fornecer instrução e apoio para as novas famílias.

E nos países menos desenvolvidos, qual é o papel da Igreja? Ela é uma das maiores promotoras de educação para crianças e jovens, atua em hospitais, clínicas e programas de saúde comunitária que oferecem cuidados médicos e fornece assistência social e bens essenciais aos mais desfavorecidos e vulneráveis, de modo que todos possam prosperar e viver dignamente, prestando sempre muita atenção à preservação do meio ambiente e ao desenvolvimento económico sustentável. Ademais, a Igreja tem sido uma voz ativa na promoção da paz, da justiça e da reconciliação nas regiões afetadas por conflitos, buscando garantir a estabilidade e a segurança dos seus habitantes.

A Igreja Católica tem, portanto, um papel crucial na promoção da vida, da família e da solidariedade. Ao enfrentar os desafios demográficos na Europa e em todo o mundo, ela pode contribuir para um futuro mais justo e sustentável, e para um crescimento populacional mais equilibrado, seguro e sadio.

Murillo Missaci
missacimb@gmail.com
Artigo da edição de julho de 2024 do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Papa denúncia solidão e abandono dos idosos

“Muitas vezes me sucedeu, como bispo de Buenos Aires, ir visitar lares de terceira idade, dando-me conta de como raramente recebiam visitas aquelas pessoas: algumas, há muitos meses, não viam os seus familiares”. Papa denúncia a solidão e o abandono dos mais velhos na mensagem para o IV Dia Mundial dos Avós e Idosos.

Ler Mais >>

Não te abandonarei!

No próximo dia 28 de julho assinala-se o IV Dia Mundial dos Avós e dos Idosos. Na mensagem para este dia, o Papa Francisco denuncia a solidão e o abandono dos mais velhos. Juan Ambrosio pega na mensagem do Papa para nos lembrar que avós e idosos “não são só o passado, são também o presente que nos pode dar a garantia de um futuro mais humano”.

Ler Mais >>

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>