Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Julho e agosto são meses tradicionais de férias para a grande maioria dos portugueses. Nem todos podem sair de casa e ir para outras paragens, mas certamente haverá mais tempo para estar com os filhos e com os netos.

No começo do ano letivo, em setembro, é usual ouvir os professores queixarem-se de que os alunos, após as férias, estão mais agitados e parecem ter esquecido as regras básicas de convivência. Tenho de concordar com eles, porque eu também sentia isso.

Já em várias ocasiões eu tive oportunidade de dizer que, sem os pais se aperceberem, quem manda em casa, na maioria dos casos, são os filhos: desde pequenos, escolhem a comida, a roupa, os locais de lazer, etc. E os pais (e avós), para evitar birras e amuos (e chatices), cedem. Não, não estou a inventar…

Estando os filhos, nas férias, mais tempo com os pais, é, pois, provável, que abusem, e deixem de praticar hábitos já adquiridos. Tive, em junho, o privilégio de passar uns dias na praia com dois dos meus cinco netos, conjuntamente com os pais. E vi a Joana, com dois anos, a fazer birra porque não gostava de uma determinada marca de iogurte, a ter dificuldade em comer autonomamente e a usar fralda. Curiosamente, quando regressou à creche, voltou a comer por mão dela, comia o que lhe punham à frente sem reagir e recusou sair de casa com fralda. O Francisco, com quatro anos, e até para imitar a irmã, também refilava volta e meia com a comida, precisou de ajuda para comer em algumas refeições, fazia birras quando não lhe fazíamos a vontade e às vezes mostrava-se um pouco irreverente. Nada disto sucede na “escolinha”.

Todos os avós sabem muito bem que quando convivem com os netos sem os pais presentes eles são, normalmente, mais cumpridores do que quando estão com os pais por perto. A psicologia (e o senso comum) explica tudo isto: com os pais, os filhos sentem-se “mais à vontade” e desleixam

Estando agora em pleno período de férias escolares, urge, pois, contrariar esta tendência – cada vez mais acentuada – que conduz, mais tarde, à indisciplina estrutural, à falta de respeito pelas normas de convivência (e pelas pessoas), à recusa da autoridade, à violência, à infelicidade.

Dar, nestas alturas, ocasionalmente, um bolo ou um gelado, nada tem de mal. Mas todos os dias aceder a esta exigência, é “pecado”. Ceder às birras, só para não ouvir a criança a chorar, só levará a criança a utilizar, por sistema, esta estratégia. Nestes dias, quando tal sucedeu diretamente comigo, ou não ligava e deixava chorar, ou procurava sugerir algo que o Francisco ou a Joana gostavam de fazer (por exemplo, construções na areia, ou um passeio à beira-mar). E quando o estado emocional normalizava, não deixava de dar “bons conselhos”, ou seja, semear o bem. Como eu acredito que estes conselhos são importantes, embora muita gente por aí diga que “não vale a pena”, “eles nem ouvem” ou “entra por um ouvido e sai pelo outro”! E os avós, previsivelmente com mais tempo e com uma paciência que não tiveram com os filhos, têm um papel muito especial neste processo.

Entretanto, pais (e avós) aproveitem este tempo de férias para brincar muito com os filhos (e netos). Para nadar com eles, visitar monumentos, fazer passeios pelo campo, ler/ contar histórias. E para rezar.

Com estas atitudes, assumidas com amor e assertividade – e de forma sistemática –, será mais provável as crianças e adolescentes chegarem a setembro não esquecidos das regras de cidadania e de socialização ensinadas (também) na escola. E, sobretudo, será mais provável eles crescerem saudavelmente e serem pessoas realizadas e felizes, capazes de conviver com as (muitas) adversidades da vida.

Com estas atitudes, as férias serão mesmo “pedagógicas”!

Boas férias!

Jorge Cotovio
jfcotovio@gmail.com
Artigo da edição de julho de 2024 do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Papa denúncia solidão e abandono dos idosos

“Muitas vezes me sucedeu, como bispo de Buenos Aires, ir visitar lares de terceira idade, dando-me conta de como raramente recebiam visitas aquelas pessoas: algumas, há muitos meses, não viam os seus familiares”. Papa denúncia a solidão e o abandono dos mais velhos na mensagem para o IV Dia Mundial dos Avós e Idosos.

Ler Mais >>

Não te abandonarei!

No próximo dia 28 de julho assinala-se o IV Dia Mundial dos Avós e dos Idosos. Na mensagem para este dia, o Papa Francisco denuncia a solidão e o abandono dos mais velhos. Juan Ambrosio pega na mensagem do Papa para nos lembrar que avós e idosos “não são só o passado, são também o presente que nos pode dar a garantia de um futuro mais humano”.

Ler Mais >>

Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>