Casamento como ato de amor e coragem

Num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, afirma o Pe. Quirino Sapalo, autor do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”.

É um livro que fala sobre o casamento “como um ato de amor e, por isso, um ato de coragem e entrega que precisa de acompanhamento, uma vez que vivemos numa cultura do descarte e provisório”, lê-se na contracapa do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem”, do Pe. Quirino Sapalo.

O Pe. Quirino é originário da diocese de Benguela (Angola) e ao abrigo de um acordo com a Diocese de Coimbra está em Portugal desde 2022 e, atualmente, é  vigário pastoral da Unidade Pastoral de Miranda do Corvo.

“O livro surgiu da observação que fui fazendo do modo como os casais, os noivos vivem, as dificuldades que têm e as feridas profundas que carregam dentro de si”, explicou o Pe. Quirino ao Jornal da Família no final da apresentação da obra, que decorreu no passado dia 22 de junho na Casa das Artes, em Miranda do Corvo. “Como pastor tenho a missão de apoiar, rezar e incentivar para que os casais não desistam e tenham coragem, porque o matrimónio é um caminho que se vai fazendo”, acrescentou. Para o Pe. Quirino “é preciso tomar a cultura do cuidado em relação ao matrimónio”, num tempo marcado pelo efémero e pelo descarte.

Tomando as orientações do Papa Francisco, o livro fala ainda da necessidade de “aprender a respeitar a diferença sem marginalizar ninguém, mas integrar a todos na misericórdia de Deus”. Alguns dos capítulos do livro falam do acompanhamento a divorciados a viver ou não em nova união ou a membros   da comunidade LGBTQI+.

Para o Pe. Nuno Santos, Reitor do Seminário Maior de Coimbra, prefaciador e apresentador da obra, escrever este livro é também um ato de coragem. “Há dramas nas famílias e nós podíamos ignorá-los ou acompanhá-los. O que o Papa sugere, e este livro também pode provocar, é este desejo de estar ao lado”, afirmou o Pe. Nuno Santos na apresentação da obra. “Quando um pai está ao lado de um filho não quer dizer que esteja a concordar com tudo aquilo que ele faz, mas quer dizer que ‘mesmo que tu faças alguma coisa que não seja o mais correto eu não te vou abandonar. É preferível eu estar a teu lado do que estares sozinho’”, referiu o Pe. Nuno. A segurança de estar alguém ao lado é também uma garantia que não se caminha só. Para o Pe. Nuno Santos independentemente das opções de vida de cada um “a vida partilhada faz-nos ver mais longe, faz-nos saborear a vida de outra maneira. Por isso, casar só pode servir para multiplicar alegrias e dividir dificuldades e não o contrário”.

“Tal como este livro é um ato de coragem, eu diria que todos os casamentos são um ato de coragem. A palavra ‘casamento’, no sentido etimológico, tem a ver com a construção de uma casa e essa nunca está acabada. Com 60, 70 ou 80 anos ainda há coisas por casar e aspetos por acertar”, afirmou o Pe. Nuno.

A apresentação do livro “Casamento-to Hoje – Um desperdício de tempo ou ato de coragem” contou também com a presença do Pe. Pedro Miranda e de Miguel Batista, Presidente da Câmara Municipal de Miranda do Corvo. Uma apresentação pautada por vários momentos musicais e declamação de poesia.

Em declarações ao Jornal da Família, após a apresentação da obra, o Pe. Quirino agradeceu também o contributo que este Jornal lhe tem vindo a dar no estudo dos assuntos relacionados com a família. “A Cooperadora Olímpia Saraiva soube que eu gostava de tratar assuntos relacionados com a família e, pacientemente, foi-me dando o Jornal para ler. Sempre encontrei no Jornal notícias que me tocam profundamente e me colocam a par da situação das famílias. Por isso, eu sou muito agradecido ao Jornal da Família pelo trabalho que fazem e queira Deus recompensar um dia os que fazem parte do Instituto e todos os que cooperam com a Família”, referiu o Pe. Quirino.

O sacerdote angolano, especialista em Teologia pela Universidade San Dâmaso de Madrid, tem dois novos livros na forja: um mais poético, sobre o “cuidado” no casamento, e um outro sobre o amor e o cuidado dos pais para com os filhos.

IM
Artigo da edição de julho de 2024 do Jornal da Família

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionado

Outras Notícias

Papa denúncia solidão e abandono dos idosos

“Muitas vezes me sucedeu, como bispo de Buenos Aires, ir visitar lares de terceira idade, dando-me conta de como raramente recebiam visitas aquelas pessoas: algumas, há muitos meses, não viam os seus familiares”. Papa denúncia a solidão e o abandono dos mais velhos na mensagem para o IV Dia Mundial dos Avós e Idosos.

Ler Mais >>

Não te abandonarei!

No próximo dia 28 de julho assinala-se o IV Dia Mundial dos Avós e dos Idosos. Na mensagem para este dia, o Papa Francisco denuncia a solidão e o abandono dos mais velhos. Juan Ambrosio pega na mensagem do Papa para nos lembrar que avós e idosos “não são só o passado, são também o presente que nos pode dar a garantia de um futuro mais humano”.

Ler Mais >>

Dia Mundial da População

Neste mês, a convite da ONU, assinala-se o Dia Mundial da População. Somos mais, mas não estamos equitativamente distribuídos pelas várias regiões do globo. E qual o papel da Igreja no planeamento e desenvolvimento populacional mundial. Murillo Missaci reflete sobre o tema.

Ler Mais >>

Férias “pedagógicas”

Os meses de verão são, para muitas pessoas, sinónimo de férias em família. Para as crianças são um tempo mais descontraído depois das regras e disciplina do ano letivo. Mas cuidado… não se pode ceder a todas as “exigências” das crianças. Jorge Cotovio, avô de cinco netos, deixa algumas dicas para que as crianças não esqueçam as regras básicas de convivência em período de férias.

Ler Mais >>

Santa Zita, um exemplo de ontem e de hoje, servir e trabalhar na caridade

A história de vida de Santa Zita está intimamente ligada a Lucca, em Itália. Por isso, o Dia de Santa Zita, que se assinala a 27 de abril, ganha aqui mais significado. Que o diga Cristiano Cirillo que neste dia visitou Lucca e a Basílica de San Frediano onde repousam os restos mortais da Santa que deu nome a uma das obras fundadas pelo Padre Alves Brás.

Ler Mais >>