Vaticano alerta para discriminação dos mais velhos

Vaticano alerta para discriminação dos mais velhos
Nota da Academia Pontifícia para a Vida diz que idade não pode ser «critério de escolha único e automático»nas políticas públicas e de saúde.

O Vaticano alertou para o perigo de discriminação das pessoas idosas no atual contexto de pandemia de Covid-19, sustentando que a idade não pode ser um “critério de escolha único e automático” para as políticas públicas e de saúde.

A Academia Pontifícia para a Vida (Santa Sé), alerta numa mensagem intitulada ‘Pandemia e fraternidade universal’ que há sinais de uma “atitude discriminatória em relação aos idosos e aos mais frágeis”.

“As condições de emergência em que muitos países se encontram podem forçar os médicos a tomar decisões dramáticas e dilacerantes sobre o racionamento de recursos limitados”, assinala a mensagem, pedindo que sejam levadas em conta as “necessidades do paciente” e “a avaliação dos benefícios clínicos que o tratamento pode ter, em termos de prognóstico”.

O organismo do Vaticano sublinha que em momento algum se deve “abandonar a pessoa doente”.

“Mesmo quando não há mais tratamentos disponíveis, cuidados paliativos, tratamento da dor e acompanhamento são uma necessidade que nunca deve ser negligenciada”, pode ler-se no documento divulgado pelo portal de notícias do Vaticano.

A Academia Pontifícia para a Vida (APV) elogia a dedicação dos profissionais de saúde, “muito para além da lógica dos vínculos contratuais”, destacando que nestes dias se tem afirmado “a relação de cuidado” como o paradigma fundamental da convivência humana.

A saudação estende-se a “milhares de voluntários que não deixaram de prestar serviço”, entre eles, as religiosas, os religiosos e os sacerdotes que continuam a servir as pessoas que lhes foram confiadas, “mesmo com o preço das próprias vidas, como já aconteceu com muitos padres contagiados e mortos”.

O organismo da Santa Sé apela a uma “uma aliança entre ciência e humanismo” para superar a pandemia.

 “Uma emergência como a do Covid-19 é vencida sobretudo com os anticorpos da solidariedade”, indica a APV.

O documento critica as políticas centradas exclusivamente em “interesses nacionais”, sem atender às necessidades dos mais fracos, e recorda que “nalgumas regiões do mundo, a precariedade da existência individual e coletiva é uma experiência diária”.

“A segurança de cada um depende da de todos”, aponta a mensagem.

O texto conclui-se com uma reflexão sobre o valor da oração, na atual crise.

“Mesmo aqueles que não compartilham a profissão de fé podem extrair algo do testemunho de fraternidade universal, que aponta para o melhor que existe na condição humana”, conclui a APV.

Fonte: Agência Ecclesia

 

Terça, 31 de Março de 2020